SuperBike Brasil usa documentos falsos em julgamento e envolve FIM em escândalo

Depois dos acidentes fatais recorrentes, o SuperBike Brasil agora está no centro de outra polêmica: a lisura do processo que conduziu o julgamento de um protesto feito pela equipe de Alexandre Barros contra a Honda de Eric Granado e a existência de documentos falsos

Um protesto da equipe Alex Barros Racing contra a Honda de Eric Granado aberto há três meses transformou-se no mais novo escândalo do SuperBike Brasil, principal campeonato do motociclismo brasileiro. A história, que partia de uma análise de uma irregularidade do motor da CBR 1000 RR Fireblade 2018, não só encontrou divergências em tamanho de bielas, mas também dois documentos falsificados que, na ponta final, são objeto de análise do departamento jurídico da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) e colocam suspeita sobre a organização da categoria.         
 
Estão também envolvidos no caso o SENAI (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), que passou a fazer as vistorias da categoria na condição de “entidade terceira independente e isenta” meses antes dos acidentes fatais de 2019; a CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo), que passou a se aproximar do campeonato “em prol da motovelocidade”, e o STJD (Supremo Tribunal de Justiça Desportiva), que havia julgado o protesto e dado como improcedente, mantendo a vitória de Granado na corrida de Goiânia em outubro.
Alex Barros e Eric Granado (Foto: RicardoSantos/Mundo Press)
Paddockast
O MELHOR CONTEÚDO DO ESPORTE A MOTOR PARA OUVIR QUANDO QUISER

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

A cronologia dos fatos dos últimos anos ajuda a explicar o imbróglio todo. Dona de uma história marcada por mortes, o campeonato organizado por Bruno Corano teve quatro acidentes fatais, todos em Interlagos, principal casa da competição. No ano passado, Maurício Paludete faleceu após um acidente em abril. Um mês depois, foi Danilo Berto quem perdeu a vida em uma etapa da categoria.
 
A proximidade das mortes resultou numa reação em cadeia. Marcas como Honda e Yamaha, por exemplo, anunciaram a suspensão temporária do apoio ao SuperBike Brasil, enquanto a Prefeitura de São Paulo decidiu suspender corridas de moto no traçado da zona sul.
 
Para voltar a acontecer, o certame precisou de uma série de ações e, em julho passado, apresentou uma revisão das regras de segurança. O SuperBike Brasil passou, então, a adotar critérios de elegibilidade, como idade mínima e máxima por categoria; concessão de licenças por meio da necessidade de aprovação em curso de pilotagem esportiva em escolas credenciadas, em testes teórico e prático incluindo regulamento, técnica de pilotagem e regras de segurança; e também a obrigatoriedade de os pilotos se submeterem a exame médico e avaliação psicológica, com critérios rígidos e padronizados.
 
A então liga independente SuperBike Brasil e a CBM se juntaram para uma parceria. As tratativas, que aconteceram em agosto, também culminaram com a nomeação de Corano ao posto de Comissário Técnico Desportivo da Comissão Nacional de Motovelocidade. A nomeação se deu por Firmo Henrique Alves, presidente da confederação.
 
Dentre as mudanças feitas no lado técnico, uma se destacava: as vistorias da categoria principal deixaram de ser feitas pela organização do campeonato e passaram para o SENAI.
Firmo Henrique Alves (esquerda) e Bruno Corano (direita) celebram parceria (Foto: CBM)
Belas bielas
 
Logo após a rodada dupla de Goiânia, em 20 de outubro, a equipe de Alex Barros apresentou o tal protesto contra a moto de Eric Granado. Diz o regulamento técnico geral do Superbike Brasil, em versão atualizada em 8 de março, que “todas as motocicletas aceitas no campeonato devem ter a motorização original do fabricante e ser comercializadas para uso urbano por representantes da referida marca com rede de assistência técnica no território nacional”.
 
Em uma circular oficial emitida em 18 de março ― dez dias depois, portanto ―, a categoria informou que “pistões, bielas e virabrequim serão os únicos 3 itens internos do motor que estarão sujeitos a vistoria mediante protesto/recurso, e deverão seguir as mesmas regras da FIM para o Mundial de Superbike”.

Embora avise que o texto original da FIM “está sendo cuidadosamente traduzido”, o comunicado traz o trecho em inglês e, ao menos até a presente data, o regulamento técnico específico da categoria SBK Pro 1000cc não consta no site.

A FIM, por sua vez, disponibiliza o regulamento completo no site e, no item 2.5.8.9, que fala sobre as bielas, a peça que conecta o pistão do motor ao virabrequim, diz que “a biela pode ser alterada ou substituída pela montada na motocicleta homologada”, que “o peso deve ser igual ou superior à peça homologada original”, e, por fim, que “o peso do conjunto da biela é o peso homologado (do peso da haste do peso médio) com uma tolerância de ±3%”.

 
Três dias depois da corrida, a moto #51 de Granado passou por uma vistoria na unidade do Ipiranga, onde fica a Escola de Mecânica, do SENAI. A análise foi feita por Gabriel Cavaggioni, responsável-técnico do SENAI, que se resumiu a realizar medições e apresentar os resultados. A instituição avaliou os componentes da moto e comparou com as referências. Não coube ao SENAI, tampouco a Cavaggioni, a função de ratificar ou não o cumprimento do regulamento e/ou a legalidade da moto.
 
O resultado apontou que as bielas da CBR de Granado estavam abaixo do peso de referência, 328 g, mas dentro do nível de tolerância. Os números apresentados foram 327,35 g, 326,14 g, 326,01 g e 327,60 g.
 
No caso das medidas, um anexo do regulamento da FIM para o Mundial de Superbike determina que o comprimento da biela deve ser de 104,5 mm, com tolerância de ±0,1. A medição feita pelo SENAI constatou que todas as bielas estavam acima da tolerância: 104,82 mm, 104,72 mm, 104,84 mm e 104,79 mm.
Laudo original do SENAI tem um layout bastante diferente da versão falsa (Foto: Reprodução)
De posse do relatório do SENAI, a CBM seria a responsável pelo veredito e concluiu que, mesmo com os números apontando irregularidade, “a entidade apenas ratifica o que os documentos mencionados não deixaram dúvida de que o motor vistoriado não apresenta nenhum item e divergência às especificações do regulamento e referências”.
A CBM admitiu uma “micro variação” que “excede a tolerância da ficha técnica”, mas, mesmo assim, que “não pode ser interpretada como irregularidades ou a compreensão de que não são bielas originais, já que suas outras referências (peso e material) estão em conformidade, e a variação máxima atestada de + 0.2 mm, embora exceda a tolerância da ficha técnica, separadamente não pode ser interpretada como irregularidade conforme circulares de vistoria técnica da FIM em detrimento dos aspectos já aqui descritos”. A entidade alegou que não poderia haver uma irregularidade porque “a variação ínfima de +0,1% pode ser proveniente de inúmeros fatores na apuração das informações, algo previsto nos procedimentos de vistoria da Federação Internacional de Motociclismo”.
 
Assim, a conclusão técnica da confederação era de que a moto de Granado estava em conformidade com o regulamento. “Para se obter ganho de potência,é necessário definitivamente usar bielas sensivelmente mais cumpridas, sensivelmente mais leves, e obrigatoriamente de outro material, as quais fariam parte de um conjunto de pistões sensivelmente mais leves e completamente fora da medida (saia baixa). O que ficou explícito não existir. As medições foram feitas dentro dos critérios corretos, sendo que uma biela não tem como estar com o peso e material correto, e em razão de uma micro variação de medicação, ser atribuída como irregular”, alegou.

A equipe de Barros, porém, não concordou com a conclusão da CBM e recorreu ao STJD. E é aí que as coisas esquentam.

 
Verdadeiro ou falso?…
 
No julgamento, um novo documento foi anexado ao processo, supostamente elaborado pelo SENAI. Em termos de layout, a diferença entre o laudo da medição e esse novo documento é gritante, mas, mesmo assim, foi usado como parte da avaliação dos juízes do STJD.
 
Datado de 27 de novembro e endereçado à CBM, o ‘documento’ que diz ser uma resposta ao “questionamento do laudo técnico emitido por esta entidade” defende que os testes realizados no SENAI foram “a) performados dentro de parâmetros e referências internacionais, sempre amparados por dados do órgão máximo do motociclismo mundial, a FIM; (…); d) desta forma, o SENAI, ainda que através da CBM, pactua e anui com a interpretação feita pela CBM (…); h) sendo assim, a CBM não contrariou o laudo emitido por esta casa (conforme atestado pelo protestante), já que como dito, dados precisam ser interpretados, e a interpretação está correta. A moto está em condições regulares frente ao regulamento técnico”.
 
Ao fim do documento, consta o nome de Gabriel Cavaggioni como autor, mas não há nenhuma assinatura, carimbo ou qualquer endosso do responsável técnico do SENAI.
Carta apócrifa do SENAI foi anexada aos autos do STJD (Foto: Reprodução)
Derrotado no tribunal, Barros decidiu abandonar o campeonato, não participou da última etapa, em Interlagos e facilitou o caminho de Granado ao título, já que era o único rival do também piloto da MotoE.
 
O advogado da equipe de Alex, Luciano Alvarez, procurou o diretor da Escola e Faculdade SENAI Conde José Vicente de Azevedo, João Domingos Chiari Sanchez, para saber da veracidade do documento endereçado à CBM. O diretor emitiu uma declaração negando que a entidade o tivesse produzido e, posteriormente ao GP, confirmou tal informação.

Por meio de um memorando, o advogado afirmou que a equipe Alex Barros Racing desconhecia “a autoria do documento ‘Declaração Técnica’, uma vez que a deliberação sobre os aspectos de atendimento, ou não, ao regulamento cabia à comissão organizadora”. 

Diretor do SENAI emitiu declaração negando autoria do documento atribuído à entidade (Foto: Reprodução)
Procurado pelo GRANDE PRÊMIO, o SENAI se limitou a dizer que “foi apenas contratado para fazer a medição de componentes do motor e apresentar os resultados. Todo o processo foi acompanhado pelo corpo técnico das equipes envolvidas e pelo comitê organizador”.
 
Após as queixas públicas feitas por Cesar Barros, irmão de Alex e chefe da equipe, o SuperBike Brasil publicou, em 12 de dezembro, uma nota de esclarecimento, onde diz que tal ‘documento’ era um “rascunho” que “indevidamente” foi anexado ao processo., mas que “isso não faz com que o documento seja falso”. “A falta de assinatura apenas determina que o texto ali proposto não havia sido “ainda” chancelado pelas partes envolvidas. Não obstante, acreditamos que esses documentos em questão em nada interferiu [sic] no curso do julgamento”, tentou explicar.
SuperBike Brasil emitiu nota assumindo que se tratava de um rascunho (Foto: Reprodução)
Ainda, o SuperBike tornou a dizer que as “custas recursais não foram pagas pela parte protestante, o que conforme condições regulamentares do campeonato, homologadas pela CBM, anula ou cancela a vistoria, seus desdobramentos, assim como qualquer propositura, questionamento ou reinvindicação [sic] em relação ao tema”.
 
A organização do SuperBike Brasil não respondeu ao GP os questionamentos sobre a autoria do rascunho e as circunstâncias em que este papel foi adicionado aos autos do STJD.
 
O GP procurou, também, Gabriel Cavaggioni, mas, de férias, o funcionário do SENAI pediu que os contatos fossem feitos com João Sanchez.
 
Cesar Barros, por sua vez, afirmou ao GP que as custas do recurso foram devidamente quitadas, alegando, inclusive, “que o processo não teria avançado como avançou sem isso”.
 
Involuntariamente envolvido na polêmica, Eric Granado apenas salientou que essa é uma questão para ser resolvida entre o CBM e a SuperBike Brasil e lamentou a ausência de Alex na última corrida. “Faço o meu melhor em cima da moto, busco sempre ser o melhor, treino, me preparo todos os dias da semana para ser competitivo, assim como todos os outros pilotos, então eu só sei dizer o que eu faço e o que eu faço bem”, disse ao GP. “É uma pena ele não ter participado da última etapa, eu fico chateado pelos fãs e pelos outros pilotos. Para mim, é muito mais gratificante vencer com todos na pista, mas é uma decisão dele, eu respeito”, completou.

A Honda alegou ao GP que “segue rigorosamente” todos os regulamentos e disse que desconhece “os desdobramentos” do processo. “Os resultados consistentes ano após ano demonstram o profissionalismo, seriedade e respeito ao esporte a motor no Brasil, formando pilotos e incentivando o desenvolvimento do motociclismo nacional em suas diversas categorias”, disse a nota da Honda. “Em relação a 7ª etapa do campeonato SuperBike Brasil de motovelocidade, ocorrida em 21/10/2019 em Goiânia/GO, após a prova, a equipe Honda Racing foi informada pela organização a respeito de um recurso para vistoria técnica da motocicleta do piloto Eric Granado. A motocicleta foi prontamente disponibilizada para a organização para as devidas verificações com o nosso acompanhamento, conforme estabelece o regulamento. A partir de então, desconhecemos os desdobramentos deste processo, uma vez que a equipe não faz parte do mesmo. Após todos os trâmites, o resultado da prova foi mantido.”

 
Alex Barros não quis conversar com o GP por estar desanimado com os rumos do esporte no Brasil.
 
…Falso!
 
A cabeluda história ganha um novo capítulo com a contribuição da FIM. O GRANDE PRÊMIO procurou Paul Duparc, coordenador da Comissão de Corridas em Circuitos, para averiguar o problema inicial, o da medição das bielas, com o laudo apresentado pelo SENAI. 
 
O que Duparc acabou fazendo foi não comentar a parte técnica, mas mostrar a insatisfação da FIM com o campeonato. “Como vocês devem saber, a FIM não é responsável pela SBK Series brasileira. Ainda, este campeonato foi objeto de informação falsa e, acima de tudo, de documentos falsificados, que dizem respeito à FIM. Quaisquer questões sobre este assunto estão nas mãos de nossos serviços legais.” 
 
O GP, então, se aprofundou nas apurações e descobriu que os “documentos falsificados” não dizem respeito ao SENAI, mas à própria FIM.
Quando o recurso foi levado ao STJD, o advogado da CBM contava com um documento assinado por Charles Hennekam, Coordenador da Comissão Técnica Internacional da FIM, para atestar a correção da conclusão da confederação nacional. 
 
O tal documento se apresentava como uma “resposta à consulta formal da CBM” e questionava a medição feita pelo SENAI, afirmando, entre outras coisas, que “claramente ou a ferramenta ou o manuseio eram imprecisos”. Além disso, o texto declarava que as peças estavam “em conformidade com o regulamento de motor da FIM, o mesmo regulamento da SBK brasileira”.
 
Só que essa declaração nunca foi feita pela FIM tampouco por Hennekam.
Carta com logo da FIM e sem assinatura também foi adicionada ao processo (Foto: Reprodução)
O GRANDE PRÊMIO procurou Hennekam para checar a veracidade da carta anexada aos autos do processo. “Já informei ao nosso departamento legal e à CBM sobre essa carta falsa. Eu (nós, a FIM) não me envolvi neste caso e não escrevi essa carta. Ponto”, frisou. “E, para sua informação, nós (FIM) não tratamos ou nos envolvemos em casos ou disputas esportivas/técnicas ‘nacionais’. Isso segue sendo responsabilidade das federações nacionais”, completou.
 
O GP também procurou a FIM e, por meio de sua assessoria de imprensa, a entidade máxima do motociclismo também negou relação com o caso. “No contexto da disputa nacional referente o Campeonato Brasileiro de Superbike, a FIM certificou que o suposto ‘documento FIM’ produzido neste procedimento era um documento falsificado”, declarou.
 
A entidade também emitiu uma declaração similar à do advogado da Alex Barros Racing.
FIM enviou carta negando a autoria da carta anexada ao processo (Foto: Reprodução)
Quem é quem
 
O GRANDE PRÊMIO procurou a CBM, na figura do presidente Firmo Henrique Alves, que respondeu uma série de questionamentos. O primeiro deles foi com relação a quem cabe a responsabilidade pela produção dos rascunhos anexados como documentos nos autos do processo. “A SuperBike”, respondeu. “Enviaram uma pasta digital com tudo que havia sobre o caso Eric Granado/Alexandre Barros, e nós mandamos para nosso advogado”, seguiu.
 
Firmo negou ligação da CBM aos documentos, sobretudo aquele atribuído à federação internacional. “A FIM não me mandou nenhum documento. Nossa homologação sobre a vistoria do SENAI foi em cima do que a gente entendeu que não aumentaria a potência do motor de Eric Granado. Foi nossa homologação e linha de defesa para que o piloto não fosse penalizado. Da nossa parte isso não existe [documentos falsos]. Se a FIM disser que sim, como disse o Cesar [Barros], vai ter que provar”, falou.
CBM emitiu nota negando a autoria das cartas falsas (Foto: Reprodução)
Sobre a inclusão do SuperBike Brasil sob o guarda-chuva da CBM, algo impensável há pouco tempo, Alves justificou que a confederação entrou em 2019 de maneira emergencial para que o campeonato não parasse de vez após os acidentes fatais dos meses anteriores. “Sem a CBM, o campeonato não continuaria em 2019”, disse. Contudo, como a temporada já estava em curso, a CBM faria somente o papel de observadora pelo resto do ano, de modo a não mudar o regulamento em curso. Em 2020 é que, segundo o dirigente, o órgão irá fazer valer o lado técnico da homologação.
 
O dirigente reafirmou que não vê motivos para punição de Granado apesar dos números do SENAI apontarem o contrário, e acredita que, mesmo sem os documentos falsos enviados no processo, o STJD definiria a favor do laudo da CBM. “O STJD levou em conta foi o documento feito pela CBM. O julgamento não foi sobre a corrida, mas sobre o julgamento do técnico do SENAI. Nós, CBM, fizemos um documento constatando que o que deu de diferença na moto do Eric Granado não muda a potência”, disse.
 
O comunicado de imprensa que a CBM produziu e divulgou em paralelo à entrevista, afirma ainda que “a organização do SBK, confiando em Alexandre Barros, realizou a vistoria [da moto], mesmo com o recurso não sendo feito o provimento [sic], obviamente na confiança de ele ser feito posteriormente” e completou que “tal pagamento nunca aconteceu, sendo assim esse recurso se torna deserto, perdendo todo seu efeito por falta do cumprimento dos pressupostos para representação, não sendo possível sequer o conhecimento do seu mérito”.
 
Documentos obtidos pelo GRANDE PRÊMIO mostram que o formulário de recurso do SBK aparece assinado por Cesar Barros e pela secretaria do SuperBike, conta com o motivo da reclamação, a data de 20 de outubro de 2019 e a taxa recolhida de R$ 15 mil.
Formulário traz a informação de que o recurso foi pago à vista (Foto: Reprodução)

Comprovada a fraude nos documentos, a Alex Barros Racing afirmou que vai à justiça ainda nesta segunda-feira (20) para tentar a anulação do julgamento no STJD.

GRANDE PRÊMIO voltou a procurar o SuperBike Brasil, que não respondeu mais os contatos da reportagem.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube