Scott ultrapassa Larson no fim e vence em Phoenix. Mesmo com acidente, Nelsinho fecha em oitavo

Em corrida confusa e marcada por nove bandeiras amarelas e uma vermelha, Brian Scott triunfou ao superar, no fim da prova, o novato nipo-americano Kyle Larson. Nelsinho Piquet fechou em oitavo e Miguel Paludo, em 14º. A decisão do título da Truck Series ficou para a semana que vem, em Homestead

A decisão do título da Nascar Truck Series 2012 ficará para a última etapa da temporada, no próximo dia 16, em Homestead. Na noite desta sexta-feira (9), no circuito oval de Phoenix, cravado no deserto do Arizona, James Buescher teve a chance de deixar tudo praticamente definido e só ir para a Flórida para comemorar. Mas um acidente nas últimas voltas da prova colocou pimenta na decisão do título, que ainda tem Timothy Peters e Ty Dillon na disputa. Na luta pela vitória, quem levou a melhor foi Brian Scott. O piloto da equipe de Kyle Busch deu o bote no novato nipo-americano Kyle Larson na última relargada, ultrapassou o jovem de 20 anos e seguiu líder até cruzar a linha de chegada após 150 voltas.

Os brasileiros tiveram resultados razoáveis no Arizona. Nelsinho Piquet, que largou na pole, se envolveu em um acidente durante a prova, mas estava no lugar certo na hora certa, foi agraciado com o ‘Lucky-dog’, recuperou a volta de desvantagem para o líder e iniciou boa corrida de recuperação, terminando em oitavo. Miguel Paludo, que também se envolveu na mesma batida que o compatriota, cruzou a linha de chegada em 14º, uma posição à frente de Dillon e três à frente de James Buescher.

Brian Scott triunfa em Phoenix e quebra jejum de vitórias que durava desde 2009 (Foto: Nascar/Getty Images)

Saiba como foi a etapa de Phoenix da Nascar Truck Series

Pole-position, Nelsinho Piquet sustentou bem a primeira colocação e iniciou a prova abrindo boa vantagem em relação aos seus adversários. O brasileiro era seguido por Brian Scott e Ryan Blaney. Paludo, que fazia sua 50ª prova na Truck Series, aparecia em 12º no início da prova no oval de Phoenix, cravado no deserto do Arizona.

Em uma corrida longa, de 150 voltas, era natural que a vantagem de Nelsinho na ponta diminuísse; afinal, era preciso poupar equipamento para o fim da prova. Por isso, Scott chegou no brasileiro e começava a pressioná-lo. Pouco mais atrás, Paludo seguia escalando o pelotão e já era o décimo colocado.

Na nona volta, Piquet sequer ofereceu resistência ao mais rápido da pista naquele momento, Brian Scott, que ultrapassou o filho do tricampeão mundial de F1, ganhando assim a primeira colocação pilotando seu carro amarelo de número 18. Ryan Blaney, Matt Crafton e Cale Gale completavam o rol dos cinco primeiros colocados, com o líder do campeonato, James Buescher, vindo logo atrás, em sexto.

Aos poucos Nelsinho vinha perdendo rendimento. Assim, o brasileiro do carro 30 foi ultrapassado por Blaney e Crafton, caindo para a quarta colocação. Seu compatriota, Miguel Paludo, por sua vez, vinha em 11º lugar em uma corrida bastante movimentada no oval de Phoenix. Pouco depois, o gaúcho caiu para 13º depois de ser ultrapassado pelos experientes Ty Dillon e por Ron Hornaday.

A primeira bandeira amarela não demorou a acontecer. Jeff Choquette bateu sozinho seu carro 97 no muro. O acidente aparentemente foi causado por um furo no pneu, que o jogou contra a parede da curva 4 em Phoenix. Graças à bandeira amarela, os líderes logo foram aos boxes para a realização de troca de pneus e reabastecimento. Aí alguns competidores adotaram estratégias distintas, algo que poderia ser crucial na parte final da prova: enquanto uns optaram por trocar apenas dois pneus, outros, como Nelsinho, trocaram os quatro compostos.

A relargada aconteceu na volta 42. Nelsinho, que havia caído para a sexta posição, já vinha batalhando para recuperar terreno. Quem se deu bem foi Ty Dillon, que subiu para segundo, ficando atrás somente de Brian Scott. Mas nem deu muito tempo para a corrida esquentar, já que John King bateu seu carro no muro. Segunda bandeira amarela na noite de Phoenix, que durou seis voltas, apenas.

Ty Dillon e Brian Scott duelaram lado a lado pela pole, com o dono do carro 18 levando a melhor. Só que, na volta seguinte, a bandeira amarela voltou a dar as caras no Arizona. Jason White bateu no muro na saída da curva 4 e perdeu o controle do seu carro, sendo acertado por Todd Bodine, que destruiu a suspensão do seu bólido. O primeiro terço da prova era completado sob bandeira amarela diante das arquibancadas vazias do Phoenix Raceway.

A prova foi retomada na volta 54. Só que, ao mesmo tempo em que Ty Dillon assumia a ponta da prova, Parker Klingerman e Mark Crafton se envolveram em um incidente bem à frente de Nelsinho Piquet. As poucas chances de título para Klingerman na Truck Series viraram pó com aquele acidente. O fato é que era a quarta bandeira amarela da prova, e isso tudo ainda com menos de 100 voltas completadas.

A bandeira amarela durou até a volta 66, quando a direção de prova autorizou a relargada. Só que, no mesmo giro, Phoenix viu nova intervenção do pace-car. Um acidente envolvendo vários carros, inclusive Nelsinho Piquet e Miguel Paludo, gerou nova bandeira amarela. As equipes dos brasileiros trabalhavam nos boxes para colocar seus respectivos pilotos de volta à prova. Contudo, uma chance de vitória já tinha ido pelos ares com aquele pequeno ‘big-one’.

Nelsinho Piquet (carro 30) se envolve em acidente durante prova no Arizona (Foto: Nascar/Getty Images)

Com Ty Dillon na liderança, a prova foi reiniciada na volta 73. Incrivelmente, Cale Gale rodou antes de completar a primeira volta sob bandeira verde. Resultado: sexta bandeira amarela em Phoenix. Quem acabou se dando bem com a nova parada foi Nelsinho. 19º colocado e primeiro dos que haviam levado uma volta do líder, o brasileiro do carro 30 foi agraciado com o ‘Lucky Dog’ e pôde recuperar a volta de desvantagem em relação a Ty Dillon. Miguel Paludo, por sua vez, era o oitavo.

A prova chegava à sua primeira metade, com 75 das voltas completadas, com desfecho imprevisível, embora Brian Scott e Ty Dillon tinham um certo favoritismo na luta pela vitória. Eles e todos os outros pilotos que estavam na volta do líder fizeram mais uma parada, a segunda, para troca de pneus e reabastecimento.

Com 78 voltas completadas, a bandeira verde foi acenada em Phoenix. Dessa vez, no entanto, não houve nenhum acidente na primeira volta após a relargada. A corrida parecia ter tomado seu curso normal, finalmente. Por conta da parada para troca de pneus e reabastecimento, Dillon perdeu muitas posições. Ryan Truex, que ainda não havia parado, surpreendia na liderança da prova. Já o grande favorito ao título, James Buescher, era o décimo colocado. Paludo era o 14º, duas posições à frente de Nelsinho.

Aí Ryan Truex Jr., sentindo a perda do bom desempenho dos pneus, começou a perder posições. O então líder da prova perdeu a ponta para Justin Lofton, com Timothy Peters na segunda colocação. Truex Jr. caiu para quarto. Até que aconteceu nova bandeira amarela, a sétima da prova, quando Mike Harmon, após dividir curva com Truex Jr., perdeu o controle do seu carro, bateu no muro e rodou, acertando, de leve, em Ryan Blaney.

Lofton decidiu parar para trocar pneus e fazer reabastecimento. Assim, Timothy Peters assumiu a ponta da prova, tendo Brian Scott ao seu lado andando atrás do pace-car. Até que, com 108 voltas completadas, a direção de prova acenou o pano verde autorizando a relargada. Só que ninguém esperava que Kyle Larson, que estava ali, todo discreto, assumisse a liderança.

Mas a manobra de Larson foi ofuscada por um acidente protagonizado pelo mexicano Germán Quiroga, que envolveu Brendan Gaughan — que partiu para cima de Quiroga, que estava dentro do carro, após a batida — e Ty Dillon, que teve o seu carro 3 acertado, praticamente sepultando, ali, suas chances de título. Por conta dos inúmeros detritos na pista, a direção da Truck Series interrompeu a prova com bandeira vermelha, quando faltavam 40 voltas para o fim.

16 minutos depois, a bandeira vermelha virou bandeira amarela depois que os detritos do acidente foram retirados pelos fiscais na pista. Ty Dillon, com seu truck todo remendado, voltou à prova depois de um intenso trabalho feito pela sua equipe em Phoenix. Até que a corrida foi restabelecida, finalmente, na 114ª volta, com Larson em primeiro, Nelsinho em oitavo e Paludo, em 15º.

Brian Scott não queria deixar o nipo-americano Kyle Larson, de 20 anos, ter vida boa em Phoenix e colocava pressão pra cima do truck de número 4. Estava claro que, a não ser que ocorresse uma nova bandeira amarela, a luta pela vitória ficaria mesmo entre os dois. Nelsinho caiu para nono e lutava com Cale Gale pelo oitavo lugar, enquanto Paludo parecia seguro em 15º.

Apesar de estar fazendo apenas sua terceira prova na Truck Series, o jovem Larson se mostrava muito seguro e parecia rumar para a vitória em Phoenix. Mas ninguém, absolutamente ninguém contava com o acidente de James Buescher, que acertou o muro e destruiu o pneu dianteiro direito do seu carro. Curiosamente, Ty Dillon, que renascia na luta pelo campeonato, também estava nos boxes e também trocava o pneu dianteiro direito.

Além da luta pelo campeonato, a bandeira amarela agitou a corrida, que teve sua primeira prorrogação. Faltando três voltas para a bandeira quadriculada, Larson largou lado a lado com Brian Scott. Mais experiente, Scott superou o jovem nipo-americano e voltou à liderança da corrida justamente no momento crucial, na última volta.

Daí por diante, o piloto de Idaho, que defende a equipe de Kyle Busch, quebrou um jejum de vitórias, quando venceu em Dover, em 2009, e cruzou a linha de chegada na frente. O segundo lugar acabou se mostrando excelente resultado para Larson, ainda um novato na Truck Series.

Entre os brasileiros, Nelsinho fechou a prova com uma boa oitava colocação, enquanto Miguel Paludo, em sua 50ª prova na Truck Series, fechou em 14º. Na luta pelo título, Ty Dillon terminou em 15º, duas posições à frente de James Buescher. Faltando apenas a etapa de Homestead, na Flórida, Buescher continua líder da temporada e tem 11 pontos à frente de Timothy Peters e 12 à frente de Ty Dillon. Promessa de uma empolgante corrida no próximo dia 16 de novembro.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube