F1

Alonso fala em dia positivo, vê McLaren bem no seco e no molhado e avisa: “Não temos medo do que vem pela frente”

Quinto colocado no primeiro dia de treinos para o GP da Malásia, Fernando Alonso afirmou não temer o clima, já que a McLaren se mostrou bem no seco e no molhado. Asturiano fez um balanço positivo do primeiro dia em Sepang

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

Fernando Alonso fez uma avaliação positiva do primeiro dia de trabalhos em Sepang. O piloto da McLaren garantiu a quinta colocação nesta sexta-feira (29) ao completar a melhor de suas 14 voltas no segundo treino em 1min32s564, 1s303 mais lento que Sebastian Vettel, o líder dos trabalhos.
 
Embora espere melhoras de Mercedes, Force India e Renault, Alonso não pareceu desanimado e falou em brigar por uma vaga no Q3.
Fernando Alonso se mostrou satisfeito com a McLaren neste primeiro dia em Sepang (Foto: McLaren)
“Foi um dia positivo”, resumiu Alonso. “Na primeira sessão, tentamos testar um pouco o carro para ver como tudo funcionava. Talvez tenhamos saído com a pista menos molhada e nos colocamos em terceiro, o que é sempre agradável. Na segunda, o carro seguiu se comportando bem no seco. Não temos grandes coisas para mudar para amanhã, então isso normalmente é positivo”, continuou. 
 

“Vamos ver o que podemos fazer. Tenho certeza que as duas Mercedes, Force India, Renault... o Q3 vai ser difícil como sempre e vamos tentar estar lá na luta pelas posições que dão acesso ao Q3 e ver o que acontece a partir de então”, comentou.
 
Perguntado sobre as atualizações aerodinâmicas levadas pela McLaren para a prova malaia, Alonso avaliou que é cedo para tirar conclusões.
 
“É cedo para ver, temos de analisar bem esta noite, porque cada vez que saí, o fiz uma configuração diferente e fui bem na primeira, na segunda, na terceira, em todas as tentativas se comportou bem”, relatou. “Este circuito tem muita aderência, também com os supermacios, e é um pouco mais difícil ter a sensibilidade certa para ver os problemas, mas, como eu disse, foi um bom dia. Nós perdemos o long-run por conta do acidente de [Romain] Grosjean no final, mas é algo que aconteceu com muita gente e vamos tentar recuperar no próximo treino livre. Vamos ver se não chove e podemos fazer este long-run”, seguiu.
 
Depois de rodar no seco e no molhado, Alonso não mostrou preocupação com o clima, já que entende que a McLaren manteve uma performance constante nas variadas condições climáticas.
 
“Condições mistas sempre trazem mais incerteza, mais loteria, e isso pode sair bem para nós”, ponderou. “No seco ou em condições de normalidade absoluta, lutaremos para entrar no Q3 e somar algum ponto se tudo correr bem”, avaliou. 
 
“Se chover, você pode perder tudo ou ganhar muito, e estamos em uma posição em que não temos nada a perder, então as condições mistas podem ser as favoritas”, admitiu. “Mas estamos testando na chuva e no seco e nos encontramos bem nas duas, então não temos medo do que vem pela frente”, garantiu.
 
Por fim, ao ser questionado sobre o teste com o halo, Alonso avaliou que os pilotos terem de se acostumar com o novo recurso de segurança.
 
“Bom, estamos nos acostumando a ele. Claro que também tem suas desvantagens, em relação à comodidade, na hora de entrar no carro, de posicionar bem o carro no pit-stop, para ver os mecânicos ou a luz verde para sair do pit-stop. Teremos de fazer pequenas modificações, mas é para isso que estamos testando agora”, concluiu.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 na Malásia AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.


 
TORO ROSSO DEMOROU DEMAIS

REBAIXAMENTO SEGUIDO DE AFASTAMENTO DE KVYAT É TUDO, MENOS INJUSTO