F1

Chefe da Ferrari diz que Leclerc “provou que joga pela equipe” e vê GP da Austrália como “bom ponto de partida”

A Ferrari tem se mostrado satisfeita com o que Charles Leclerc tem trazido para a equipe. Mattia Binotto afirmou que o monegasco provou que joga pelo time, elogiando sua postura de trabalho, além de ter ficado feliz com o que viu no GP da Austrália

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Charles Leclerc chegou à Ferrari já agradando aos chefes. Mattia Binotto, novo comandante da escuderia de Maranello, ressaltou sua boa adaptação e destacou o quanto o monegasco de 21 anos tem se mostrado um bom jogador de equipe.
 
Antes mesmo do início da temporada, o dirigente já havia dado algumas declarações polêmicas. Apesar de ressaltar a liberdade de sua dupla de pilotos em brigar na pista, reconheceu que deve beneficiar Sebastian Vettel em situações específicas.
 
E logo na primeira temporada isso já foi visto. Quando Leclerc apresentava um ritmo melhor que do tetracampeão na Austrália, a equipe pediu para que o jovem mantivesse a posição, cruzando a linha de chegada na quinta colocação, pouco atrás do alemão.
Charles Leclerc (Foto: Ferrari)
Apesar de tudo, Binotto elogiou o desempenho de Charles durante o final de semana, destacando a postura de trabalho do piloto. “Estou feliz com a maneira como Charles se adaptou não apenas como piloto, mas também provou que joga pela equipe”, falou.
 
“Tem sido bastante útil, trabalhando constantemente com os engenheiros para melhorar o carro, sempre se esforçando. Se você julgar seu final de semana inteiro, foi muito forte”, seguiu.
 
“Sua classificação não foi perfeita e ele sabe disso, mas acredito que pilotou bem no Q1 e Q2 talvez não perfeito no Q3, mas, no geral, teve um bom final de semana. Na corrida, seu segundo stint foi muito forte, então estou feliz em como abordou a primeira corrida e se esse é o ponto de partida, então é um bom ponto de partida”, completou.
 
Após a prova na Austrália, Leclerc admitiu que tinha mais ritmo que Vettel, mas que obedeceu a ordem da Ferrari em manter as posições. Mais tarde, a equipe explicou que não havia motivos para arriscar uma troca de postos.