Chefe da Mercedes descarta ordens de equipe como no DTM: “Nunca aconteceu na F1”

A Mercedes foi responsável por polêmica ordem de equipe no DTM. Agora, Toto Wolff descarta repetir a manobra na Fórmula 1, pois não espera outras equipes ajudando o time de Brackley

FÓRMULA 1 EM SP: MERCEDES E RED BULL SE CUTUCAM | Paddock GP #266

A polêmica final do DTM, há um mês, segue repercutindo no mundo do automobilismo e a discussão foi reacendida para a reta final da Fórmula 1, quando Lewis Hamilton e Max Verstappen brigam pelo campeonato nas últimas quatro etapas. Toto Wolff, porém, descartou novas ordens de equipe.

Na ocasião, Liam Lawson chegou à última corrida com 18 pontos de vantagem para Maximilian Götz, mas abandonou logo na primeira curva após Kelvin van der Linde, outro candidato ao título, jogar o carro em cima do neozelandês da Red Bull. Ao final da corrida, ordens de equipe da Mercedes permitiram ao alemão – que estava em 3º lugar e distante na pista – ultrapassar Lucas Auer e Phillip Ellis para chegar em primeiro e assegurar o título. 

Questionado se a Mercedes pode fazer alguma coisa semelhante, especialmente com as equipes que fornece motor, para tentar superar a Red Bull, Toto Wolff descartou a polêmica manobra.

TOTO WOLFF; MERCEDES; FÓRMULA 1; GP DA RÚSSIA;
Toto Wolff não imagina ordens de equipe na reta final da F1 (Foto: Sebastian Kawka/Mercedes)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“Na minha opinião, isso nunca aconteceu na Fórmula 1, de outras equipes abandonarem posições para outros, ao menos não na minha lembrança”, disse Wolff.

“Em carros de turismo, é algo comum e sabemos que acontece no DTM há muito tempo. No DTM, 30 anos atrás, começaram a fazer isso que vimos na última corrida, mas isso não vai acontecer na F1”, completou.

Gerhard Berger, que disputou 14 temporadas na Fórmula 1, relembrou o episódio do GP da Áustria de 2002, ocasião em que Rubens Barrichello permitiu a ultrapassagem de Michael Schumacher quando estava prestes a vencer a corrida, em dia que ficou marcado na história do esporte a motor.

“Claro, esse problema não é recente no esporte. Em particular na Fórmula 1, existem vários exemplos que são inaceitáveis por um ponto de vista esportivo, tanto dos fãs como das outras equipes”, ressaltou Berger, lembrando do fatídico episódio da Ferrari na Áustria, em 2002. “Só preciso lembrá-lo da onda de fúria dos fãs que confrontaram a Ferrari quando Rubens Barrichello desistiu da vitória por Michael Schumacher”, lembrou.

VERSTAPPEN VENCE IMPASSE MEXICANO NA LARGADA E SE APROXIMA DE TÍTULO | Paddock GP #264
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar