Chefe vê Haas “na merda” e classifica GP da França como “pior fim de semana” na F1

Guenther Steiner avaliou que a Haas teve no GP da França seu pior fim de semana em sua curta história na Fórmula 1. Dirigente avaliou que o time vive uma situação bizarra, já que sequer entende o que há de errado com os carros de Romain Grosjean e Kevin Magnussen

A Haas segue perdidinha na temporada 2019 da Fórmula 1. Ainda sem entender a razão dos problemas de performance, Guenther Steiner avaliou que o time teve no GP da França o “pior fim de semana” de sua história no Mundial.
 
Nas últimas três corridas, a Haas somou um único ponto. Em Paul Ricard, Kevin Magnussen largou apenas em 17º, só à frente das Williams, e recebeu a bandeirada na 16ª colocação. Romain Grosjean, por sua vez, abandonou para economizar quilometragem no motor. 
 
Assim, a Haas ocupa a nona posição no Mundial de Construtores após oito corridas, à frente apenas da Williams, que ainda não pontuou. 
Guenther Steiner admitiu que a Haas está perdidinha (Foto: AFP)
Paddockast #22
O que torna uma corrida de qualquer categoria legal? E chata?

“Nos nossos quatro anos de história, acho que este foi, no geral, nosso pior fim de semana”, disse Steiner. “Na corrida, ainda tivemos dificuldades. Não sei. O que é bizarro para mim é que o carro que era bom o bastante para se classificar em sétimo e oitavo na primeira corrida e aí em sexto em Monte Carlos, de repente, e o penúltimo”, continuou.
 
“Não me pergunte o que é isso, eu não sei. Então, por favor, nem pergunte, pois eu não responderia”, declarou. “Nós precisamos descobrir. Para ser honesto, é muito desapontador, porque terminar nessa situação, e não entender isso, é a pior coisa”, ponderou.
 
Durante o GP do Canadá, Kevin Magnussen reclamou do carro ainda pelo rádio e acabou silenciado por Steiner. Agora, no entanto, o dirigente acredita que a situação foi pior do que em Montreal.
 
“Em Montreal, pelo menos a classificação [foi ok]. Colocamos um carro no Q3. Mas aqui, aqui ficamos felizes por avançar com um do Q1”, comparou. “Então é muito pior. Aí se você pensar em Monte Carlo, nos classificamos em sexto. É difícil dizer em Monte Carlo, porque todos eram lentos por razões óbvias. Mas o ritmo de corrida também estava lá. Então é muito bizarra erra coisa toda”, insistiu. 
 
“Romain comentou que o carro é muito bom de guiar, mas é lento. O carro sai de frente ou de traseira de repente? Não. Está tudo bem. Só é lento, não tem aderência o bastante”, comentou.
 
Por fim, o dirigente avaliou que ficar deprimido ou com raiva não vai ajudar a Haas a melhorar.
 
“Você precisa se livrar da raiva e apenas continuar trabalhando. Foi isso que eu disse aos rapazes: ‘Você precisa trabalhar muito mais agora do que antes, porque agora nós estamos na merda’”, revelou. “Não faz sentido esperar que algo apareça, você precisa voltar agora e entender o motive de estarmos onde estamos”, alegou.
 
“É só isso que você pode fazer. E aí, quando souber o motivo de estar onde está, aí pode encontrar soluções”, ponderou. “Se você não sabe isso, como pode trabalhar em soluções? Você trabalha em tudo e aí, com as melhores coisas, você faz um carro novo”, concluiu.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube