Confira declarações dos pilotos após GP da Hungria, disputado em Hungaroring

Entre os pilotos que ficaram fora da zona de pontos no GP da Hungria, Nico Hülkenberg reconheceu que não tinha condições de brigar pelo top-10. Kamui Kobayashi, por sua vez, foi direto ao dizer que o carro da Sauber foi devagar

O GP da Hungria, que encerrou a primeira parte da temporada 2012 da F1, neste domingo (29), teve Lewis Hamilton como o grande vencedor, com as Lotus de Kimi Räikkönen e Romain Grosejean completando o pódio. Entre os brasileiros, Bruno Senna conquistou uma boa sétima colocação, enquanto Felipe Massa foi o nono.

No entanto, mais importante que os resultados é a chegada das férias de verão. E isso deixou os competidores bastante divididos. Heikki Kovalainen anunciou que vai focar no treinamento físico, enquanto Jean-Éric Vergne afirmou que preferia continuar correndo. Já Timo Glock celebrou o intervalo, principalmente após os problemas mecânicos nas últimas etapas.

Force India

Nico Hülkenberg, 11º: “Foi uma corrida muito difícil, para ser honesto. Lutei muito com o equilíbrio do carro nesta tarde e não tínhamos um bom ritmo. Além disso, a degradação do pneu traseiro foi alta, e o final de corrida não foi fácil. Assim, considerando todas as coisas, acho que o 11º era o máximo para hoje porque nós não cometemos erros e a estratégia de duas paradas foi a decisão certa. Nós não ficamos longe da zona de pontos, mas ainda precisamos analisar o que aconteceu para que possamos melhorar para a próxima etapa.”

Paul di Resta, 12º: “Eu não acho que a 12ª colocação é um reflexo do nosso desempenho hoje. Minha prova foi comprometida por uma largada ruim e perdi algumas posições, o que aconteceu também na Alemanha. Então, precisamos entender como podemos melhorar isso daqui para frente porque isso prejudica a nossa corrida. As primeiras voltas foram muito difíceis, mas o carro melhorou muito após a quarta volta e entrei na disputa novamente. Infelizmente, não foi possível maximizar o desempenho do carro porque não houve chance para ultrapassar, então, depois das paradas nos boxes, foi apenas o caso de trazer o carro para casa.”

Williams:

Pastor Maldonado, 13º: “Foi uma corrida difícil. Tive uma largada ruim e perdi muitas posições, o que comprometeu nossa corrida desde o começo. É difícil manter um bom ritmo no tráfego, e também nós tivemos de cumprir uma punição com drive-through. Estava no limite, correndo com Di Resta, quando travei os freios e perdi um pouco da aderência, mas eu estava por dentro da curva, então foi um toque leve. Nós tivemos de nos concentrar na economia dos pneus hoje e acumulamos muitos dados para o futuro. Nós não fomos tão competitivos quanto teríamos de ser, mas agora temos de trabalhar duro para focar na segunda parte da temporada depois das férias de verão.”

Sauber:

Sergio Pérez, 14º: “Eu lamento não ter muita coisa a dizer hoje. Nós apenas não tivemos um bom ritmo. Tentamos alongar o meu primeiro stint para uma estratégia diferente, mas no final eu acho que nada poderia ter nos colocado nos pontos. É uma pena, mas vamos tentar nos recuperar depois das férias de verão.”

Kamui Kobayashi, 18º: “Nós simplesmente fomos muito devagar aqui. Tivemos problemas ao longo de todo o final de semana, especialmente com o pneu médio. Eu também perdi algumas posições na largada, quando me colocaram na parte esquerda da pista e eu não tinha para onde escapar. Por fim, me mandaram recolher devido a um vazamento hidráulico e foi isso. Por alguma razão, Hungaroring não deu certo para a gente.”

Toro Rosso:

Daniel Ricciardo, 15º: “Eu tive uma largada razoável, passando alguns carros e tentando me manter em contato com Paul Di Resta para poder abrir a asa traseira móvel depois de algumas voltas. Mas ele começou a se distanciar gradativamente e basicamente hoje não tivemos ritmo para alcançar nossos principais rivais.”

 “As primeiras voltas com o pneu macio não foram ruins, apesar de alguns problemas no equilíbrio aqui e ali. Nós pudemos melhorar o carro conforme a corrida foi se desenrolando, mas depois de colocar o composto médio pela última vez levou um tempo para que eles funcionassem, então talvez meu acerto fosse muito conservador, pois tivemos um bom ritmo nas voltas finais. Eu não acho que poderíamos ter alcançado mais coisa hoje. Agora são as férias, e eu espero voltar mais forte em Spa.”

Jean-Éric Vergne, 16º: “Eu realmente tive uma boa largada, passando as duas Sauber e uma Force India, que me jogou fora da pista na primeira curva, então eu perdi posições e fiquei atrás das duas Caterham. Eu consegui ultrapassá-las e fiquei atrás de Kobayashi e de Daniel que estava um pouco mais rápido, já que eu comecei com pneus macios já usados, enquanto ele tinha novos. Quando eu fiz a minha parada para colocar pneus novos, eu voltei atrás de Kobayashi e fiquei ali até a próxima parada. Foi uma pena porque Daniel pôde se distanciar de mim, mas eu achei que estava um pouco mais rápido.”

“Já no final, o ritmo não estava mais tão bom e ainda precisei fazer uma parada não programada porque havia detritos no meu sidepod, que estava causando superaquecimento. Sem isso, eu poderia ter terminado logo atrás ou logo à frente de Daniel. Férias? Eu preferia estar correndo.”

Caterham:

Heikki Kovalainen, 17º: “Foi uma corrida decente. Eu tive uma boa largada, subi para o 16º lugar na primeira volta e tive um bom ritmo durante toda a corrida a partir daí. Nós somos realistas quanto ao desempenho do carro, mas eu acho que o equilíbrio e o acerto estavam muito bons neste final de semana.

“Eu também estou muito satisfeito em como poupamos os pneus e acho que a estratégia funcionou bem. É difícil ultrapassar na pista de Hungaroring, então não achávamos que pudéssemos ganhar muitas posições, mas estou muito feliz com o desempenho do carro e sinto que a equipe fez um grande trabalho. Eu vou continuar ocupado durante as férias de verão, muito treino físico e passar um tempo com meus amigos, e então vou estar de olho na preparação para a segunda metade da temporada.”

Vitaly Petrov, 19º: “No geral, este final de semana foi uma lição valiosa para a gente. Na corrida, o carro se comportou muito diferente do treino classificatório, então precisamos olhar os dados para saber o que aconteceu. É um pouco estranho, porque definitivamente tínhamos melhorado ao longo do final de semana, mas na corrida não estava a mesma coisa. Nós testamos alguns acertos diferentes e sabemos o que funcionou e o que não deu certo. Quando tivermos tempo para olhar toda a informação da corrida de hoje, vamos entender o que aconteceu e teremos certeza de que aprenderemos algo para o restante da temporada.”

“De positivo, eu acho que a equipe trabalhou bem neste final de semana e estou realmente ansioso para as férias de verão. Espero que todos no time tenham um descanso merecido e então estarei esperando a hora de retornar para a segunda metade da temporada.”

Marussia:

Charles Pic, 20º: “Eu estou muito feliz em estar terminando a primeira metade da minha temporada de estreia na F1 dessa maneira e poder alcançar as metas que coloquei para mim mesmo. A corrida não começou tão bem porque novamente tive uma largada ruim, então precisamos olhar isso e resolver esse problema para Spa e as etapas seguintes, já que esse é um fator que pode nos ajudar a progredir em uma corrida.  Depois disso, o ritmo de prova foi muito bom, e eu estou feliz que nosso desempenho em relação a Caterham está muito mais visível, particularmente porque tive uma boa batalha com Petrov.”

“Agora vamos para as férias de verão, onde vou ter a oportunidade de refletir sobre a temporada até agora e pensar no que eu posso fazer na segunda metade. Eu gostaria de agradecer não só meu engenheiro e meus mecânicos, mas também toda a equipe por uma estreia muito feliz na F1. Não está sendo fácil para o time, mas nós realmente estamos progredindo. Eu desejo a todos um bom descanso nessas férias e estou ansioso para o retorno no GP da Bélgica.”

Timo Glock, 21º: “Mais uma corrida para esquecer, assim como Hockenheim. Eu não tive ritmo no carro nem equilíbrio desde o começo. Apesar disso, eu ainda estava rápido nas duas primeiras voltas, mas voltei a sofrer com a instabilidade na parte traseira. Eu perdi o carro na frenagem e não consegui recuperar. Acabei rodando, voltando atrás das HRT e novamente tive sérios problemas com o equilíbrio. Eu não sei qual é o problema no momento, mas acho que é um bom momento para as férias. Agradeço toda a equipe pelo trabalho duro em tentar resolver os problemas do carro e desejo a eles boas férias. Eu espero poder voltar e aproveitar uma boa segunda metade da temporada juntos.”

HRT:

Pedro de la Rosa, 22º: “Foi uma corrida dura, mas muito boa. Estava muito quente, mas tínhamos um bom ritmo. Nós fomos para uma estratégia de duas paradas, começando com o composto médio, depois médio novamente e terminando com o macio. No final, eu estava perseguindo Glock e ele estava travando pneu o tempo todo, mas a corrida terminou antes que eu pudesse ultrapassá-lo. As bandeiras azuis também não ajudaram nesse momento e eu não pude fazer a passagem. No geral, eu estou feliz, mas foi uma corrida de sobrevivência.”

“Para a segunda metade da temporada, nós temos algumas atualizações planejadas, as quais eu espero poder nos ajudar a dar o passo à frente que precisamos para superar a Marussia. Agora precisamos descansar alguns dias para retornar com as baterias recarregadas.”

Narain Karthikeyan, abandonou: “Eu fiz uma boa largada, mantendo o ritmo de Pedro e andando na frente de Glock, depois da rodada dele. Mas após a primeira parada, ele estava muito rápido com pneus macios, como eu estava com os médios, ele me ultrapassou. Também foi muito complicado prestar atenção nas bandeiras azuis, especialmente porque havia muitas delas. Faltando cinco voltas para o final, o carro começou a esterçar para a direita, e isso foi piorando. Então, saindo da curva 3,  a direção quebrou e precisamos ver exatamente o que aconteceu. Foi uma corrida complicada, mas precisamos continuar trabalhando para melhorar quando retornarmos das férias de verão.”

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube