Confira declarações dos pilotos após sexta-feira de treinos livres do GP da Austrália, primeira etapa da temporada 2018 da F1

Lewis Hamilton liderou os dois treinos livres em Melbourne, indicando que a Mercedes segue dando as cartas na F1. Mas a Red Bull, principalmente com Max Verstappen, pode ser uma ameaça no GP da Austrália

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A sexta-feira (23) significou o fim de uma longa espera. Com os treinos livres do GP da Austrália, a temporada 2018 da F1 começou oficialmente. Mas ainda parece o fim de 2017 – Lewis Hamilton liderou as duas atividades e indicou que a Mercedes segue forte como de costume.
 
Ainda é muito cedo para fazer uma análise sobre o ano inteiro, mas na Austrália a equipe alemã parece ter vantagem tanto em voltas rápidas quanto em ritmo de corrida. A Red Bull está até mais próxima do que muitos poderiam esperar, mas parece fadada a defender o posto de segunda melhor equipe. A Ferrari esconde o jogo, mas surge em terceiro até aqui.
 
Logo atrás, a ‘melhor do resto’ foi uma incrível Haas. Depois de dois anos de domínio da Force India entre as equipes medianas, os americanos começaram com o pé direito e tiveram apresentações convincentes com Romain Grosjean, sexto mais rápido. Outra surpresa agradável é a McLaren, que dá pinta de poder brigar de igual para igual pelo quarto lugar no Mundial de Construtores.
Lewis Hamilton (Foto: Mercedes)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Renault, não tão forte em voltas rápidas, aparece um pouco atrás. O mesmo vale para a Force India até aqui.
 
Mas nem todo mundo começou tão forte assim. A Williams confirmou expectativas e apareceu consolidada na segunda metade da tabela de tempos. Já a Toro Rosso, tão cativante na pré-temporada, não correspondeu às expectativas e talvez seja melhor apenas do que a Sauber – essa sim, tão triste quanto de costume.

Confira declarações dos pilotos após os treinos livres da F1 na Austrália:

Lewis Hamilton, primeiro: Hamilton diz se animar com aproximação de rivais nos treinos na Austrália: "É desafiador tentar tirar o máximo do carro"

Max Verstappen, segundo: Atrás só de Hamilton na sexta-feira em Melbourne, Verstappen pede “dois ou três GPs” antes de avaliar ordem de forças

Valtteri Bottas, terceiro: "O TL1 foi complicado para mim. Tivemos um problema na suspensão e também com o sistema de combustível, então foi difícil ter uma boa noção. Não acho que seja o caso de se preocupar, foi só uma coisa que descobrimos na sessão. No TL2 o carro esteve bem melhor, mas ainda podemos encontrar mais velocidade. Preciso agradecer a todos na equipe porque estamos bem nesse momento, então é um bom começo. É bom voltar à pista e competir"

Kimi Räikkönen (Foto: Ferrari)

Kimi Räikkönen, quarto: "Tudo pareceu um pouco diferente na comparação com os testes, mas isso é normal quando se vem para um lugar diferente. A pista em si está bem melhor do que ano passado em termos de aderência. O asfalto está cheio de folhas de árvores, mas isso não afeta a pilotagem. Não é fácil achar um bom acerto, mas o começo do dia não foi tão ruim. Tentamos coisas para melhorar aqui e ali, mas ainda estamos pensando em qual é o melhor caminho para seguir. É uma história normal, ainda mais no começo do ano"

Sebastian Vettel, quinto: Vettel diz que “há mais por vir” da Ferrari, mas destaca proximidade entre ponteiros na Austrália: “É uma boa notícia”

Romain Grosjean, sexto: Grosjean e Magnussen se animam com Haas após boas voltas nos treinos de Melbourne: “Temos um bom conjunto”

Daniel Ricciardo, sétimo: Prejudicado por bandeira vermelha em volta com ultramacios, Ricciardo quer chuva na Austrália: "Nos dá mais chance"

Fernando Alonso, oitavo: Alonso lamenta problemas no TL1, mas vê possível sábado de chuva como chance de "maximizar" desempenho na Austrália

Kevin Magnussen, nono: Grosjean e Magnussen se animam com Haas após boas voltas nos treinos de Melbourne: “Temos um bom conjunto”

Kevin Magnussen (Foto: Haas)

Stoffel Vandoorne, décimo: "Hoje foi um dia muito bom. Perdemos um pouco de tempo de pista nos primeiros 45 minutos do TL1, mas tivemos um stint muito bom depois disso e aprendemos algumas coisas sobre o carro, o que era o mais importante a ser feito depois dos testes de inverno. Os problemas que tivemos não eram grandes, acertamos tudo rapidinho. Foi um dia bem produtivo, estou ansioso para testar tudo com o acerto deste sábado para ver onde realmente estamos. Acho que estamos em situação razoável e o carro me dá impressões positivas. Tudo está funcionando como deveria, queremos seguir em frente com isso para aumentar a performance. O mais importante era fazer nosso programa todo e fizemos. Estou animado com a chance de ter a classificação no molhado. Estamos em um grupo apertado com outras equipes e esas condições deixariam tudo mais difícil para todos. Espero que a gente saia bem dessa"

Carlos Sainz Jr., 11º: “Foi um dia calmo e direto ao ponto para mim, e isso foi ótimo para a primeira sexta-feira do ano. O pelotão intermediário está muito apertado, então é difícil dizer onde vamos estar amanhã. Mas precisamos trabalhar melhor o ultramacio, já que não conseguimos uma volta limpa hoje. As condições climáticas foram ótimas, mas amanhã pode ser um desafio”

Sergio Pérez, 12º: “Conseguimos muita coisa hoje. Trouxemos muitas peças novas para o carro e era importante aprender tudo rápido. É sexta-feira e acho que ainda podemos achar mais ritmo antes da classificação. Essa sempre foi uma força nossa como equipe e precisamos trabalhar para compreender os dados. Disse durante os testes que as equipes estão muito mais próximas e, se você olhar os tempos, certamente é o caso. Precisamos de uma classificação perfeita. Um erro pequeno e você vai aparecer lá atrás”

Nico Hülkenberg, 13º: “Tivemos uma quantidade decente de trabalho para enfrentar, mas também um carro confiável para fazer tudo. Não fiquei tão feliz com o equilíbrio do carro com pouco combustível, mas a sensação foi muito boa quando fizemos a simulação de corrida. Ainda precisamos achar um meio termo. Diria que ainda virá um bom ritmo quando deixarmos o carro do jeito que quero. É só questão de melhorar no geral em várias áreas”

Nico Hülkenberg (Foto: Renault)

Lance Stroll, 14º: “Acho que foi um dia positivo, pensando nos tempos de volta e tudo. Se você for me perguntar, acho que estamos em uma posição decente. Não sabemos como os outros estão em termos de combustível e também não sabemos a configuração de motor de cada carro. É uma interrogação. Parece que o carro está um pouco melhor do que nos testes”

Esteban Ocon, 15º: “Para um primeiro dia de temporada, acabou sendo um dia normal. Tínhamos muitas coisas para testar no carro, mas tudo deu certo. A questão era aprender e entender as direções que precisamos tomar com esse novo pacote. Já demos um passo adiante na comparação com os testes, mas é óbvio que ainda precisamos afinar o acerto. A sessão da tarde foi um pouco frustrante por causa da bandeira vermelha e porque parecia que sempre estava preso no tráfego. Mas amanhã é o que conta, então vamos nos certificar de que estamos prontos”

Brendon Hartley, 16º: "Perdemos tempo de pista pela manhã, mas compensamos o tempo perdido com uma boa segunda sessão. Controlar os pneus será um grande tópico para todas as equipes, mas conseguimos boas informações tanto para stintis longos como para curtos. Parece que estamos na batalha do meio do grid, mas ainda há o que melhorar para a classificação"

Pierre Gasly, 17º: "Primeira sexta do ano, foi bom voltar ao carro e começar a temporada, enfim. Testamos várias coisas para a classificação e para a corrida, mas não temos certeza de como o tempo estará nos dois dias – ao menos parece que  vai chover. Vamos ver como vai ser, ao menos fizemos vários testes e agora precisamos analisar os pontos positivos e os negativos. Acho que sábado será bem apertado no meio do grid, então precisamos estar bem, pode fazer muita diferença em relação ao grid de largada"

Pierre Gasly (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Sergey Sirotkin, 18º: “As duas sessões foram ok. Fiz coisas diferentes, mas também coisas normais para entender a pista. Não é fácil, mas é o esperado. Tudo parece diferente do que vimos em Barcelona, mas acho que estamos ok. Você ganha confiança de volta em volta, de curva em curva. Muitas coisas são novas e preciso aprender. O Q3 é a meta óbvia, mas o pelotão intermediário está apertado. Não vai ser fácil, mas o trabalho perfeito pode nos colocar lá”

Marcus Ericsson, 19º: “Foi um dia positivo. Completamos muitas voltas enquanto testávamos diferentes tipos de compostos. A gente segue evoluindo na compreensão do carro, construído em cima do que conseguimos nos testes. Ainda temos muito trabalho até chegar onde queremos e a sessão de hoje foi boa para a sequência do fim de semana. De qualquer forma, é bom voltar a correr”

Charles Leclerc, 20º: “Tive um dia produtivo. Muitas coisas que estão acontecendo são novas para mim e já posso perceber que aprendi muito desde a manhã. É minha primeira vez pilotando em Albert Park e foi empolgante. Basicamente trabalhamos para achar o melhor acerto no carro e andamos com diferentes tipos de pneus. Já estava mais confortável no TL2. Fico ansioso para voltar amanhã”
 

"RECOMEÇA A BRIGA"

MERCEDES COMEÇA TEMPORADA AINDA À FRENTE DA FERRARI

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube