F1

Construtor de motores nas décadas de 1980 e 1990, Hart morre aos 77 anos no Reino Unido

O engenheiro britânico Brian Hart forneceu motores para Toleman, Jordan, Footwork, Minardi e Arrows, e trabalhou com os brasileiros Ayrton Senna e Rubens Barrichello
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 O então piloto da Toleman na pista inglesa de Brands Hatch, 1984 (Foto: Getty Images)

Morreu na tarde deste domingo (5) o engenheiro inglês Brian Hart.  Após alguns anos como piloto em categorias menores – como a F3 e a F2 Europeia –, Hart ganhou fama pelos motores que forneceu a equipes na F1.

Em 1981, o britânico iniciou sua trajetória na categoria na Toleman, onde teve destaque por desenvolver um bom trabalho mesmo com o baixo orçamento da equipe. Em 1984, ainda na equipe do Reino Unido, Hart trabalhou com o então estreante Ayrton Senna, que conquistou três pódios na temporada, com direito a um segundo lugar em Mônaco. Em 1985, em seu último ano pela escuderia, Hart viu o piloto italiano Teo Fabi cravar a pole-position em Nürburgring.
Hart forneceu motores para a Toleman de Ayrton Senna. (Foto: Getty images)
Longe da F1 por oito anos, Hart retornou em 1993, na Jordan. Porém, os bons resultados vieram somente em 1994, quando Rubens Barrichello terminou em terceiro o GP do Pacífico e conquistou a pole em Spa-Francorchamps.

Em 1995, com o acordo entre Jordan e Peugeot, os motores Hart passaram a ser utilizados pela Footwork, onde esteve também, na temporada seguinte, sem muito brilho. Os últimos trabalhos do engenheiro foram na Minardi, em 1997, e na Arrows, em 1998 e 1999 -motores que foram batizados com o próprio nome da escuderia.