Ecclestone admite que morte inesperada de Whiting “me magoou mais do que de qualquer piloto”

Bernie Ecclestone sentiu muito a morte de Charlie Whiting. Muito próximo do diretor de provas, já tendo trabalhado com ele na Brabham, o ex-chefão da F1 admitiu que ficou mais magoado com a partida do dirigente do que de qualquer piloto

Bernie Ecclestone ficou bastante chateado com a morte de Charlie Whiting. O antigo chefão da Fórmula 1 afirmou que se sentiu mais triste com a partida do diretor de provas do que de alguns pilotos que teve próximo durante sua vida.
 
O dirigente morreu na última quarta-feira [quinta-feira no horário da Austrália], em Melbourne, cidade que recebeu a primeira etapa da temporada da F1. O dirigente sofreu uma embolia pulmonar e tinha 66 anos.
 
Charlie e Bernie tinham um relacionamento bastante próximo. Eles chegaram a trabalhar juntos na Brabham, com Whiting assumindo o cargo de chefe de mecânicos e exercendo papel fundamento nos títulos de Nelson Piquet em 1981 e 1983.
 
Em uma homenagem transmitida pela ‘Sky Sports F1’ antes da transmissão da prova australiana, Ecclestone admitiu que foi muito difícil de aceitar a repentina morte do amigo. “Tenho isso acontecendo comigo, pois fui muito próximo de muitos pilotos que se foram nos anos 70”, falou.
A homenagem a Charlie Whiting em Melbourne (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

“Respeito muito essas pessoas com que tive uma relação… fiquei mais magoado sobre Charlie. Com pilotos é como se houvesse uma expectativa de que alguma coisa vai acontecer, já aconteceu tantas vezes, não é um grande choque. Mas quando é com alguém normal… é quando é tudo diferente”, seguiu.
 

Whiting esteve envolvido com a FIA por 42 anos – começou na federação em 1988, quando assumiu o papel de delegado-técnico da corporação com a bênção de Bernie. Em 1997, então, tornou-se diretor de provas.
 
Agora, a corporação tem a difícil função de achar um substituto, algo que Ecclestone acredita que não vai ser fácil. “Acredito que a palavra é impossível, mais ou menos. Ele viu, escutou e fez tudo isso. Fez isso tudo como trabalho de um só homem”, explicou.
 
“É encontrar uma pessoa que possa fazer o que Charlie fez. Se você tem três ou quatro pessoas fazendo o que ele fez, não funciona. Ninguém realmente sabia o que Charlie era ou o que fazia. Fez tantas coisas, e ninguém realmente sabia e ficariam surpresas se soubessem as coisas que ele fez”, encerrou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar