F1

Em apenas um ano e meio de carreira na F1, Maldonado já acumula 17 punições, aponta estudo

Em 31 GPs já disputados desde sua estreia na principal categoria do automobilismo, Pastor Maldonado acumula nada menos que 17 punições, sendo 12 só nesta temporada. O pupilo de Hugo Chávez vive jejum de pontos desde a inesperada vitória no GP da Espanha

Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré

A sorte continua sendo grande inimiga de Pastor Maldonado na temporada 2012 da F1. O venezuelano tinha a expectativa de conquistar um bom resultado no retorno das férias da categoria, no GP da Bélgica, e conseguiu emplacar um terceiro lugar no grid de Spa-Francorchamps. Mas aí entrou em cena a sina do jovem de Maracay: as punições. Primeiro, por ter bloqueado Nico Hülkenberg no Q1 em Spa. Depois, na corrida do último domingo (2), Pastor, por ter queimado a largada e por ter batido em Timo Glock no início da corrida, perdeu dez posições no grid do GP da Itália, no mítico circuito de Monza, no próximo fim de semana.

As punições sofridas por Maldonado vêm sendo a tônica da temporada do piloto que despontou como showman no GP da Austrália, surpreendeu o mundo do automobilismo ao vencer, de maneira dominante, o GP da Espanha, em maio, mas que desde o êxito em Barcelona não conseguiu somar um ponto sequer. Apesar de ser rápido e arrojado, Pastor já ficou marcado, ao lado de Romain Grosjean, como um piloto irresponsável e até perigoso. Talvez por isso a grande quantidade de punições.

Maldonado considera que seus erros cometidos em 2012 são normais (Foto: Divulgação)

Segundo estudo do Grande Prêmio, já são 17 as sanções sofridas por Maldonado em apenas 31 GPs — sendo 12 apenas nesta temporada —, ou um ano e meio de carreira como piloto de F1. Pela estatística, o piloto da Williams é punido uma vez a cada duas corridas, ou 54,8%. Se for considerada apenas 2012, o número é ainda mais espantoso: uma punição por corrida, contando que foram 12 etapas no Mundial de F1 até o momento.

Nesta sua curta trajetória na categoria mais desejada do automobilismo mundial, Pastor coleciona desafetos na mesma proporção das punições: só para citar alguns exemplos, estão Sergio Pérez, Lewis Hamilton e o próprio Glock. Só em Spa, no último fim de semana, foram três punições: pelo incidente com Hülkenberg na classificação, pela ‘queima’ da largada e pela batida no alemão da Marussia.

No entanto, nem todas as punições sofridas por Pastor são resultado de batidas ou imprudência nas pistas. Muitas delas foram motivadas por trocas de motor ou câmbio ao longo desta temporada e meia na categoria. Foi assim, por exemplo, no Bahrein, quando a Williams trocou o sistema de transmissão do seu carro, assim como no Canadá.

Mas as batidas do venezuelano são maioria na lista de punições. Uma corrida depois da vitória em Barcelona, Pastor foi punido ao bater no carro de Pérez no terceiro treino livre do GP de Mônaco. Em Valência, Maldonado tinha tudo para subir ao pódio, mas, ao tentar ultrapassar Lewis Hamilton e ganhar a terceira posição, o latino-americano tocou na McLaren do britânico, e a direção de prova acrescentou 20s no seu tempo de prova.

Pastor também se envolveu ao bater novamente em Pérez, dessa vez em Silverstone, e também em Paul di Resta, no GP da Hungria, além de ter sofrido reprimenda por ter bloqueado Heikki Kovalainen no Q1 do GP da China. No total da temporada, foram 12 punições, somadas às cinco de 2011, seu ano de estreia na F1. Confira a lista:

2011

GP da Turquia: excesso de velocidade no pit-lane, drive-through;
GP da Bélgica: provocou colisão no carro de Lewis Hamilton, perda de cinco posições no grid;
GP de Abu Dhabi: troca de motor, perda de dez posições no grid;
GP de Abu Dhabi: ignorou bandeiras azuis, drive-through;
GP de Abu Dhabi: ignorou bandeiras azuis pela segunda vez, stop-and-go de 30 segundos.

2012

GP da China: bloqueou Heikki Kovalainen durante Q1, reprimenda;
GP do Bahrein: troca de câmbio, perda de cinco posições no grid;
GP de Mônaco: infringiu Artigo 16.1 do Regulamento Esportivo da FIA (batida em Sergio Pérez), perda de dez posições no grid;
GP do Canadá: troca de câmbio, perda de cinco posições no grid;
GP da Europa: excesso de velocidade no pit-lane durante treino livre 3, multa de € 1,4 mil;
GP da Europa: provocou colisão no carro de Lewis Hamilton, acréscimo de 20s no tempo de corrida;
GP da Inglaterra: provocou colisão no carro de Sergio Pérez, multa de € 10 mil e reprimenda;
GP da Alemanha: excesso de velocidade no pit-lane durante treino livre 1, multa de € 1,2 mil;
GP da Hungria: provocou colisão no carro de Paul di Resta, drive-through;
GP da Bélgica: bloqueou Nico Hülkenberg na classificação, perda de três posições no grid;
GP da Bélgica: queima de largada, perda de cinco posições no grid do GP da Itália;
GP da Bélgica: provocou colisão no carro de Timo Glock, perda de mais cinco posições no grid do GP da Itália.