Em reunião do Conselho Mundial, FIA discute melhorias para tornar decisões dos comissários “mais justas e coerentes”

A intenção da FIA é fazer com que as decisões dos comissários partam de uma premissa mais lógica e sem tanta subjetividade, tornando as atitudes mais simples, justas e coerentes, buscando abordar as ocorrências de maneira semelhante, evitando ao máximo a variação de interpretação corrida após corrida

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Terminada a temporada 2016 do Mundial de F1, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) realizou a reunião do Conselho Mundial do Esporte na última quarta-feira (30) em Viena, na Áustria. Além de definir o calendário de todas as competições chanceladas pela entidade, foi discutido também formas de tornar as decisões dos comissários da F1 mais coerentes, justas e menos subjetivas, adotando uma espécie de padrão para evitar inconsistência e interpretações distintas sobre o mesmo tema. Muitas decisões dos comissários foram criticadas ao longo do ano, como, por exemplo, no fim do GP do México, e nos muitos embates envolvendo Max Verstappen.

 
Chefe dos delegados da FIA, Garry Connelly falou sobre os objetivos da entidade para evitar que as decisões sejam tão contestadas ao torná-las mais justas. Uma das ideias é juntar o corpo dos comissários de forma permanente para analisar as decisões tomadas ao longo do ano de forma a garantir que as ocorrências e os pilotos sejam tratados de maneira igualitária.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A FIA vai buscar formas de tornar as decisões dos comissários da F1 mais justas e coerentes (Foto: Reprodução)
Em entrevista veiculada pelo site norte-americano ‘Motorsport.com’, Connelly disse que a reunião do Conselho Mundial resultou em muitos debates sobre como melhorar as decisões dos comissários e corrigir um dos pontos de críticas da F1 nos últimos tempos.
 
“Estamos revisando muitas regras e estudando como podemos trabalhar com a FIA para ordenar o texto, de forma a nos permitir tomar decisões mais rápido. Falamos muito sobre como podemos conseguir uma melhor consistência”, comentou.
 
“Acredito que são necessárias mais reuniões e mais revisões de decisões anteriores, de modo que todos possamos entender como cada painel de comissários está tratando uma situação em particular, especialmente quando é necessário que os comissários tomem uma decisão subjetiva, por exemplo, uma condução perigosa. É uma questão bastante subjetiva”, salientou Connelly. “Obviamente, essas são decisões que se tomam coletivamente, mas a compreensão de como elas podem se tornar mais consistentes é muito valiosa”, disse.
 
O chefe dos delegados da FIA põe como exemplo o trabalho realizado pela Federação Alemã, no qual “os comissários se reúnem por videoconferência para analisar incidentes ocorridos e discutir as decisões tomadas. Pensamos que seria bom fazer o mesmo a cada três ou quatro corridas”.
 
Outro ponto abordado por Connelly diz respeito aos circuitos. O delegado da FIA entende que são poucos os circuitos que hoje em dia ainda permitem que o piloto passe reto pela área de escape e ainda tenha vantagem ao retornar à pista. Mas a ideia é tornar a missão dos pilotos mais difícil neste aspecto.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Agora existem provavelmente somente 11 ou 12 curvas em todo o campeonato onde existem o potencial de cortar caminho de uma forma muito óbvia pela área de escape. Há soluções que podem ser adotadas para evitar esses casos, como a aplicada na curva 1 de Monza, onde, se eles sofrem uma punição natural quando saem pela área de escape, levando mais tempo para voltar à pista que se estivessem passando por ela. Isso faz com que isso se torne muito mais fácil para os comissários para realizar o trabalho na pista”, disse Garry.

 
“O tema é que as regras dizem que um piloto pode voltar à pista sempre e quando o faça com segurança e sem obter uma vantagem duradoura. A palavra duradoura, é, novamente, muito subjetiva. Significa uma duração de 500 m, até à curva seguinte, às próximas curvas ou toda a corrida? Essa subjetividade se elimina se o circuito se modificar ou se desenhar para acabar com a vantagem imediata ao piloto que passe por fora da pista”, concluiu.
 
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube