Ferrari aposta em ritmo de corrida para pegar Red Bull em Spa. Mas Verstappen é perigo

A Ferrari parece ter optado por priorizar a corrida, mas não escondeu a preocupação com a Red Bull. E tem razão: Max Verstappen foi tão soberano que sequer precisou de uma segunda volta para estabelecer o tempo mais rápido do Q3 em Spa. No entanto, terá de largar em 15º, mas, ainda assim, é uma ameaça real aos planos ferraristas na Bélgica

“Acho que nosso ritmo de corrida é melhor do que nosso ritmo de classificação.” É aí que está a confiança da Ferrari para o GP da Bélgica deste domingo. A frase foi dita por Carlos Sainz, ainda no parque fechado, logo depois de tomar conhecimento do espólio deixado por Max Verstappenhomem mais rápido do dia, o holandês precisou renunciar ao posto de honra por conta da punição que terá de cumprir pela troca do motor Honda. O atual campeão vai alinhar o RB18 #1 apenas na 15ª posição. O ponto aqui é que os italianos tinham de aproveitar a ocasião para tentar combater uma Red Bull fortíssima em Spa, especialmente porque também optaram por uma mudança de componentes na unidade de potência de Charles Leclerc. Assim, era uma obrigação colocar o outro carro vermelho no lugar mais importante do grid. E assim foi, mas não sem o drama habitual que parece inerente à garagem ferrarista.

E isso ficou estampado no rosto de Sainz ao fim da sessão deste sábado (27). Primeiro, porque não foi propriamente uma pole, mesmo que essa segunda vez à frente de todos vá para os livros de estatísticas. O problema foi a distância em termos de performance. Em nenhum momento nessa temporada, os taurinos – na verdade, Verstappen – foram capazes de impor tamanha diferença. Max sequer precisou de uma segunda tentativa no Q3 para cravar 1min43s665 – 0s632 melhor que Carlos.

Relacionadas


Daí a preocupação da dupla de Maranello.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Essa diferença abissal pode ser explicada de várias maneiras. Há quem aponte para a diretiva técnica quanto aos quiques e que passou a vigorar neste fim de semana. Não é segredo que a Ferrari precisou alterar a F1-75, especialmente quanto à configuração das suspensões e teve de enrijecer outros elementos do assoalho. É fato que ambos os pilotos se queixaram no equilíbrio do carro. Mas há também outra questão: a escolha de um acerto mais voltado para a corrida. Ou seja, um compromisso visando uma carga aerodinâmica maior – ainda que a Ferrari tenha testado diferentes conjuntos de asa. Essa razão justifica a melhor performance no setor intermediário do circuito, por exemplo.

Tem ainda um motivo mais simples: a própria pista de Spa. É uma verdade que o Red Bull 2022 gosta muito de circuitos de alta velocidade, com retas e trechos fluídos. Tanto que Max dominou o primeiro e o terceiro setores do traçado. Não há muita dúvida de que o RB18 se dá melhor nessas características do que a F1-75. Seja o que for, a verdade é que a equipe italiana parece ter perdido desempenho em classificação, mesmo que seja importante destacar que há uma diferença significativa em termos de performance em classificação entre Sainz e o colega Leclerc – recordista de poles na temporada. Agora, o ritmo de corrida dos ferraristas foi destaque na sexta-feira.

“Estou feliz por largar na pole, mas, obviamente, não tão feliz em ver a diferença para Max neste fim de semana e a diferença que a Red Bull tem sobre nós”, reconheceu o espanhol. “Precisamos continuar nos esforçando para ver por que a Red Bull é tão rápida nesta pista, mas largar da frente é bom e tentaremos vencer amanhã”, completou.

Portanto, a Ferrari está focada nas 44 voltas deste domingo, porque é imperativo que a vitória aconteça. “Há potencial, porque não nos preparamos para a classificação como normalmente fazemos, mas quando você vê a diferença para Max, é preocupante. Eles estão extremamente rápidos e tem sido o caso desde o começo do fim de semana. Não conseguimos explicar os motivos disso. Precisamos trabalhar. Vamos tentar o nosso melhor amanhã, mas eles aparentemente acharam algo neste fim de semana”, explicou Leclerc, que sai logo atrás de Verstappen, na 16ª colocação.

LEIA TAMBÉM
+Em 15º, Verstappen confia em Red Bull pra escalada na Bélgica
+Na pole, Sainz é cauteloso em diferença grande de Verstappen
+16º, Leclerc se preocupa em ritmo ‘inexplicável’ de Verstappen

Max Verstappen sai apenas em 15º neste domingo (Foto: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull Content Pool)

“Mas em ritmo de corrida, nossos dois carros parecem estar muito mais próximos — foi o caso ontem. Mas vamos esperar para ver. Uma diferença dessas na classificação… será estranho de ver se permanecer assim amanhã”, emendou o monegasco, que aposta em uma reviravolta amanhã.

De fato, a Red Bull priorizou também a velocidade final, muito embora tenha também tentado dar maior carga aerodinâmica ao RB18. Tal como sexta-feira, Verstappen foi capaz de colocar os pneus na janela correta, e isso provavelmente foi fundamental para a performance. Então, a ideia é reproduzir a combinação desses elementos. E dentro disso, Max se torna uma ameaça àqueles que planejam tirar proveito do festival de punições. É claro que o atual campeão terá trabalho. Está partindo de um bloco compacto e potencialmente arriscado.

Por outro lado, é sempre bom recordar a corrida feita pelo holandês na Hungria, onde partiu de décimo para a vitória. É claro que outros fatores ajudaram, como os erros de estratégia da Ferrari – não que isso não possa se repetir. Longe disso, hoje a equipe vermelha deu outra demonstração de confusão ao mandar Leclerc para a pista com pneus novos quando tinha apenas de dar o vácuo ao colega.

VEJA TAMBÉM
+Bélgica vê “pior primeira fila da história” e favorito largando em 15º, diz Victor Martins

Mesmo assim, Verstappen segue como ameaça. “Foi uma ótima classificação, mas tem sido assim por todo o fim de semana”, celebrou Verstappen, destacando o poderio da Red Bull no circuito belga. “”Os carros estão funcionando bem, é basicamente sobre encontrar o melhor acerto. E tudo deu certo na classificação”, ressaltou.

“Agora, temos que ir em frente, especialmente com o carro que temos. Seria uma pena não estar no pódio.”

E lá na frente, abre-se ainda uma chance de ouro para Sainz e Sergio Pérez, que dividem a primeira fila. Apesar da péssima volta final, o madrilenho foi capaz de impedir o avanço do mexicano, que acaba por decepcionar de novo, tendo em vista esse carro azeitado da Red Bull para Spa. De toda a forma, os holofotes estão sob os dois escudeiros que terão pela frente mais uma batalha estratégica e de acertos, com uma pitada de clima, uma vez que a previsão aponta para um dia mais quente.

Quem corre por fora é Fernando Alonso (terceiro), que tenta se redimir da chance deixada de lado no Canadá. A Mercedes também pode ser colocada nesse balaio, mas mais pelos créditos da temporada do que pela performance problemática deste sábado. Os prateados costumam conduzir uma mágica no domingo, então é esperar para ver.

GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e EM TEMPO REAL todas as atividades do GP da Bélgica de Fórmula 1. No domingo, a largada está marcada para as 10h [de Brasília, GMT-3].

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.