F1

Hamilton faz estratégia da Mercedes funcionar para vencer na Hungria. Vettel é 2º após toque com Bottas

A Ferrari não conseguiu dar o troco na Mercedes após o revés na classificação. Em uma corrida marcada por estratégias e consumo de pneus, Lewis Hamilton e Mercedes não deram qualquer chance a Sebastian Vettel e Ferrari. Kimi Räikkönen completou o pódio
Warm Up, de Hungaroring / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
 Lewis Hamilton (Foto: AFP)
Em um GP da Hungria definido pela estratégia e pelo consumo de pneus, a Mercedes soube jogar melhor. Largando da pole-position, Lewis Hamilton administrou a corrida deste domingo (29), superando tanto o desgaste de pneus quanto a ameaça de Sebastian Vettel para vencer pelo segundo fim de semana seguido.
 
Para triunfar no Hungaroring, Hamilton teve um grande aliado: Valtteri Bottas. O finlandês fez um belo trabalho defensivo e, mesmo com pneus macios gastos, retardou a ultrapassagem de Vettel o máximo possível. Mas a corrida do finlandês foi pelo ralo com seis voltas para o fim: quando Sebastian finalmente ultrapassou, Valtteri tentou dar o troco – e causou um toque. O piloto da Ferrari escapou ileso, enquanto o da Mercedes danificou a asa.
 
Kimi Räikkönen lucrou em cima do incidente e terminou em terceiro. Bottas ainda terminaria em quinto após se envolver em outro toque, agora com Daniel Ricciardo, quarto. O finlandês da Mercedes errou a freada na curva 1 e atingiu a lateral do australiano. Seguindo instrução da equipe, Valtteri cedeu posição no fim para evitar uma punição.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)

Pierre Gasly foi o melhor ‘do resto’ e terminou em sexto. A zona de pontos ainda contou com Kevin Magnussen, Fernando Alonso, Carlos Sainz Jr. e Romain Grosjean completaram a zona de pontos.

O resultado amplia a vantagem de Hamilton sobre Vettel no Mundial de Pilotos. O britânico encerra a primeira parte da temporada com 24 pontos de vantagem sobre o alemão. No Mundial de Construtores, a Mercedes lidera a Ferrari com folga de 10 pontos.

A prova teve três abandonos – todos por problemas mecânicos. Max Verstappen e Charles Leclerc ficaram pelo caminho ainda nas primeiras voltas, enquanto Stoffel Vandoorne quebrou na reta final, quando parecia encaminhar um raro resultado na zona de pontos.
 
Passado o GP da Hungria, a F1 parte para as férias de agosto. A próxima corrida, o GP da Bélgica, é somente em 26 de agosto.
 
Saiba como foi o GP da Hungria de F1
 
Depois de um sábado de chuva e mais chuva, o domingo foi essencialmente o contrário: o sol estava forte e o clima, quente. Era a confirmação daquilo que a Mercedes temia – condições que favoreciam a Ferrari.

A estratégia da corrida começou a se desenhar de imediato. Hamilton, Bottas e Räikkönen largariam de ultramacios, enquanto Vettel optou pelos macios.
 
A largada foi tranquila para a Mercedes, que seguiu com Hamilton e Bottas em primeiro e segundo. Logo atrás, Vettel subiu para terceiro, mesmo que usando pneus menos aderentes que Kimi. Verstappen, Gasly, Magnussen, Sainz, Hartley e Hülkenberg – com bela largada – fechavam o top-10. Mais atrás, Ricciardo quase estragou uma corrida de recuperação ao tocar com mais força na traseira de Ericsson.
 
O primeiro abandono veio ao fim da primeira volta, quando Leclerc sofreu uma quebra e recolheu para os boxes.
A largada, com Lewis Hamilton em primeiro (Foto: AFP)

Na frente, Hamilton encaixava volta mais rápida atrás de volta mais rápida. O britânico precisava escapar para não dar chance à estratégia diferente de Vettel, que ficava preso atrás de Bottas.
 
Quem também tinha problemas para ultrapassar era Ricciardo. O australiano terminou a primeira volta em 14º e precisou tentar três vezes até conseguir superar Vandoorne e subir para 13º. Mas não era de todo ruim. Afinal, o carro ainda estava funcionando normalmente, ao contrário do de Verstappen, que perdeu potência, forçando um abandono imediato.
 
A quebra de Verstappen colocava Gasly em quinto. Magnussen, Sainz, Hartley e Hülkenberg também ganhavam posições, enquanto Grosjean entrava na zona de pontos.

Ricciardo entrou na zona de pontos na volta 11, quando passou Grosjean. O australiano tirava proveito da zona de DRS da reta principal, encaixando manobras na curva 1 com certa tranquilidade. Na volta 13, a vitíma foi Hülkenberg. Na 14, Hartley, subindo para oitavo.
 
Räikkönen foi o primeiro piloto de ponta a visitar os boxes. O finlandês colocou macios na volta 15, talvez com a expectativa de pressionar a Mercedes. A equipe alemã reagiu, chamando Bottas para fazer o mesmo na 16. Enquanto isso, Hamilton empilhava voltas mais rápidas, indicando que o pit-stop estava próximo.
Sebastian Vettel foi segundo (Foto: AFP)
Esse ímpeto do Hamilton não durou para sempre. O britânico logo começou a perder vantagem para Vettel, que diminuiu a vantagem de 8s6 para 6s5 em sete voltas. Mesmo assim, a Mercedes não dava sinais de que faria um pit-stop.
 
Mais atrás, Ricciardo seguia fazendo ultrapassagens. Na altura da volta 24, o australiano já tinha passado até Magnussen, tendo apenas Gasly dentre os pilotos do pelotão intermediário adiante. A briga seria pelo quinto lugar.

Hamilton veio aos boxes na volta 26, colocando pneus macios. Em teoria, a Mercedes não faria mais paradas, seguindo com o composto por 44 voltas. O problema é o desgaste seria acentuado na reta final da corrida.
 
Logo atrás, Ricciardo completou a parte fácil da recuperação ao passar Gasly e subir para quinto. O australiano agora estava 7s atrás de Räikkönen, isso com cada um teoricamente precisando fazer mais uma parada.
 
A corrida estava mudando rapidamente. Na altura da volta 33, a situação favorecia a Ferrari: Vettel não permitia a aproximação de Hamilton, inclusive expandindo a vantagem de 13s para 14s. Logo atrás, Räikkönen colava em Bottas na briga pelo terceiro lugar.
Kimi Räikkönen completou o pódio (Foto: Pirelli)
Na volta 39, Räikkönen partiu para o segundo pit-stop do dia, voltando a colocar macios. Na 40, Vettel veio – e teve um pequeno revés. O alemão teve uma parada lenta e voltou logo atrás do Bottas. Agora o finlandês poderia agir como escudeiro de Hamilton, que começava a sofrer com desgaste mais acentuado.
 
E assim aconteceu. Vettel até ensaiou uma ofensiva nas duas primeiras voltas, mas sem sucesso. Depois, Bottas começou até mesmo a abrir vantagem sobre o alemão, que também precisava pensar em administrar o desgaste. Em questão de poucas voltas, a corrida começou a ficar com jeitinho de Hamilton, que agora tinha condições perfeitas para administrar os pneus e evitar problemas no fim.
 
Mais atrás, quem também fez a estratégia de pneus funcionar foi a McLaren. A equipe, que começou a prova fora da zona de pontos, cresceu muito ao retardar a primeira parada. Foi assim que Alonso e Vandoorne subiu para oitavo e nono. Mas o belga não iria muito além: na volta 51, o carro quebrou, causando um breve acionamento do safety-car virtual.

Era uma oportunidade para novas paradas, mas que ninguém aproveitou. A corrida entrava em um momento de maior calma: Bottas seguia segurando Vettel, que não parecia reagir.
Daniel Ricciardo terminou em um honesto quarto lugar (Foto: Pirelli)

A mudança só veio na volta 64: Vettel finalmente passou Bottas na saída da curva 1. Na curva 2, o finlandês tentou dar o troco de qualquer jeito, e falhou. Valtteri errou a freada, atingindo a traseira de Sebastian. A asa dianteira do finlandês quebrou, enquanto o alemão teve sorte ao escapar ileso.
 
Bottas caiu para quarto e perdeu muito ritmo. O finlandês logo virou alvo de Ricciardo, que tentou a ultrapassagem. Mas foi vítima de outro toque de Valtteri. Depois do incidente, o australiano herdou o quarto lugar.
 
Com duas voltas restando, mais nada mudaria: Hamilton confirmou uma vitória importante, com Vettel e Räikkönen completando o pódio.

F1 2018, GP da Hungria, Hungaroring, Final:
 
1 L HAMILTON Mercedes 70  voltas  
2 S VETTEL Ferrari +17.123  
3 K RÄIKKÖNEN Ferrari +20.101  
4 D RICCIARDO Red Bull Tag Heuer +46.419  
5 V BOTTAS Mercedes +50.000  
6 P GASLY Toro Rosso Honda +73.273  
7 K MAGNUSSEN Haas Ferrari +1 volta  
8 F ALONSO McLaren Renault +1 volta  
9 C SAINZ JR Renault +1 volta  
10 R GROSJEAN Haas Ferrari +1 volta  
11 B HARTLEY Toro Rosso Honda +1 volta  
12 N HÜLKENBERG Renault +1 volta  
13 E OCON Force India Mercedes +1 volta  
14 S PÉREZ Force India Mercedes +1 volta  
15 M ERICSSON Sauber Ferrari +2 voltas  
16 S SIROTKIN Williams Mercedes +2 voltas  
17 L STROLL Williams Mercedes +2 voltas  
18 S VANDOORNE McLaren Renault   NC
19 M VERSTAPPEN Red Bull Tag Heuer   NC
20 C LECLERC Sauber Ferrari   NC