Hamilton julga ‘injusta’ troca de telemetria entre companheiros de equipe e cutuca: “Se não faz sozinho não é bom suficiente”

Lewis Hamilton tem uma opinião bastante direta sobre dividir a telemetria entre companheiros de equipe. Segundo o piloto britânico, não é justo que outro piloto tenha acesso aos dados do colega, pois ele tem que descobrir os limites e os melhores modos de pilotagem com seu próprio esforço

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Lewis Hamilton gosta de trabalhar em equipe, ‘pero no mucho’. O piloto revelou que não acha justo que as informações da telemetria sejam compartilhadas entre companheiros de equipe.
 

“Dou minhas voltas, faço meus deveres e o outro piloto pode ver tudo. Pedi para a minha equipe. Não quero ver a telemetria de meus companheiros. Acredito que não é justo que eu possa estudar seus dados”, explicou.
 
“Por exemplo, quando pilotamos, escolhemos os pontos de freada, os pneus, todas essas coisas que ajudam a fazer uma curva mais rápida. E o outro piloto provavelmente pode fazer mais ou menos como você”, continuou.
Lewis Hamilton durante a classificação deste sábado em Abu Dhabi (Foto: Mercedes)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“No entanto, com esses dados, pode simplesmente te copiar. ‘Ah, ele freia cinco metros mais tarde aqui, vou então começar a frear cinco metros mais tarde também’. Isso é algo que não gosto, pois permite que estejamos mais próximos. É algo que me encantava no kart, pois era algo que não se podia fazer e só se brilhava o talento”, seguiu.
 

O piloto inglês completou sua linha de pensamento dizendo que pilotos jovens chegam na F1 hoje em dia já pilotando bem por terem acesso a telemetria de seus companheiros mais velhos, e pouco aprendem sozinhos.
 
“Acredito que deveria ser algo assim: ‘me contrataram, pois sou o melhor, estudei muito, ganhei em cada categoria em que estive, e não deixei de melhorar’. Eles deveriam sair e descobrir as coisas por si mesmos, sem ajuda”.
 
“Você poderia pegar um jovem piloto da F3, coloca-lo no simulador e fazê-lo seguir as minhas linhas. E de vez em quando provavelmente ele conseguiria. Mas era algo que deveria descobrir sozinho. Tem que encontrar o próprio limite, esse é o desafio de ser piloto”, explicou.
 
“Quando entro em um carro novo vejo qual é o seu limite. E se não posso fazê-lo por mim mesmo, então não sou suficientemente bom e não mereço estar aqui. E existem alguns pilotos que não fazem”, encerrou.

PADDOCK GP #65 RECEBE PIPO DERANI E FAZ PRÉVIA DO eP DA ARGENTINA DE F-E

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube