Hamilton volta a se queixar e diz que Mercedes não proporcionou igualdade de condições na disputa com Rosberg

Lewis Hamilton afirmou que as falhas de confiabilidade em 2016 o fizeram perder as oportunidades e que, por isso, não viveu sob igualdade de condições com o rival Nico Rosberg. O inglês também voltou a defender sua postura na decisiva prova em Abu Dhabi e garantiu que faria tudo de novo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Lewis Hamilton ainda tem muito por dizer sobre a temporada 2016. Derrotado por Nico Rosberg, o inglês questionou seus chefes, se queixou da forma como a Mercedes o tratou na decisão do título em Abu Dhabi e também já exigiu que a equipe prata não faça nenhuma mudança em seu grupo de mecânicos e engenheiros para a próximo campeonato. Apesar do desejo dobrado de voltar ao vencer, Hamilton mostra que ainda há algumas arestas a serem aparadas antes do GP da Austrália de 2017.

 
O britânico de 31 anos entende, na verdade, que não teve as mesmas oportunidades que o rival alemão na disputa pelo título, especialmente devido aos problemas de confiabilidade do motor Mercedes ao longo do ano. O piloto enfrentou falhas do MGU-H nos treinos classificatórios na China e na Rússia e ainda viu a unidade de potência estourar enquanto liderava o GP da Malásia, o que acabou por minar de vez suas chances. O inglês também perdeu pontos em largadas ruins, como na Itália e no Japão, além de um abandono na Espanha, depois de se envolver em um toque com Rosberg logo na primeira volta.
 
Assim, Lewis chegou a etapa final, em Yas Marina, com um déficit de 12 pontos com relação ao adversário. "O trabalho da equipe é proporcionar aos pilotos uma igualdade de condições. Infelizmente, não tive as mesmas oportunidades que Rosberg, porque houve falhas no nosso lado da garagem, enquanto do outro lado, não. Então, isso apenas enfatiza a importância de se tirar o máximo de cada oportunidade", disse o tricampeão em entrevista à revista norte-americana 'Time', que o descreveu como o 'maior piloto de sua geração'.
Hamilton inconformado com seu abandono (Foto: Reprodução/Facebook)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Em seguida, o inglês se volta para os acontecimentos em Abu Dhabi e se defende da estratégia adotada na prova derradeira da temporada. O britânico adotou uma tática ousada para tentar tirar o título do companheiro de time. Atrás na pontuação, Hamilton precisava vencer e ver o rival fora do pódio. Por isso, ao assumir a ponta da corrida depois de largar da pole-position, Lewis imprimiu um ritmo mais lento, na tentativa de fazer os demais adversários entrarem em uma disputa com Rosberg. 

 
Nas voltas finais, apesar dos protestos via rádio dos engenheiros da Mercedes, o tricampeão reduziu bastante o desempenho, forçando uma briga entre Nico, Sebastian Vettel e Max Verstappen. Mesmo assim, a tática não deu certo porque o alemão conseguiu se manter em segundo, garantindo o primeiro título na F1.
 
"Em última análise, era tudo o que eu podia fazer. Não fiz nada de perigoso. Não coloquei ninguém em perigo e faria tudo de novo, porque estamos aqui para lutar", afirmou o piloto. "Eu queria o título com cada célula de sangue do meu corpo."
 
Mas derrota serviu para aumentar o desejo de revanche. "Quando perdi o campeonato, a motivação de voltar a ganhar dobrou", disse Lewis.

GRANDE PRÊMIO MELHORES DO ANO 2016

A votação vai até o dia 22 de dezembro, e os vencedores serão anunciados em matérias especiais no GP. Participe da eleição dos Melhores do Ano.
 

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube