Magnussen explica retorno à Fórmula 1: “Não sabia que estava com tanta saudade”

Kevin Magnussen retorna à categoria após um ano fora para substituir Nikita Mazepin na Haas, e explicou os motivos de voltar para a Fórmula 1 em 2022

AO VIVO: O DIA 1 DA PRÉ-TEMPORADA DA FÓRMULA 1 2022 NO BAHREIN | Briefing

Kevin Magnussen está de volta à Fórmula 1 depois de apenas um ano fora. O dinamarquês substitui o russo Nikita Mazepin na Haas para 2022, e já irá participar dos testes de pré-temporada no Bahrein. Magnussen revelou ao site da revista inglesa Autosport alguns detalhes sobre sua saída da categoria em 2020, e afirmou que as temporadas brigando no final do pelotão tiraram o encanto da Fórmula 1 para o piloto.

“Quando eu saí da F1, acho que poderia ter ficado em outra equipe, mas seria complicado com vários patrocinadores. Eu realmente não tinha a motivação, fiquei sem por andar atrás. Isso só tinha acontecido por dois anos, anteriormente corria no meio do grid e era bem divertido. Mas esses dois anos foram difíceis do ponto de vista emocional”, relembrou Kevin Magnussen.

“Então eu saí, fui correr em outros lugares e conquistei pódios, pole-positions e vitórias, e foi ótimo. Eu estava aproveitando, e aí o Guenther me ligou e arruinou tudo! Eu podia sentir no meu estômago que queria fazer isso. Eu não sabia que estava com tantas saudades, mas quando recebi a oportunidade disse ‘yeah’”, brincou o dinarmaquês.

 ▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Kevin Magnussen se reencontrou com velhos conhecidos no Paddock (Foto: Haas)

Kevin correu por quatro temporadas com a equipe americana, até perder a vaga para a dupla de novatos composta por Nikita Mazepin e Mick Schumacher. O ex-piloto de McLaren e Renault também deu detalhes da negociação, revelando que estava de férias quando foi chamado por Guenther Steiner.

“Guenther me ligou uma semana atrás, e eu estava prestes a ir para os Estados Unidos de férias com a minha família antes de Sebring. Eu decidi ir, porque não sabia se realmente teria a oportunidade. Cheguei em Miami e Gunther ligou de volta e disse ‘vamos nessa’, então voltei”, explicou Magnussen.

Kevin iria competir no Mundial de Endurance com a Peugeot e também na IMSA com a Ganassi, mas abriu mão dos compromissos na hora para voltar à Fórmula 1.

“Tinham muitas pendências para resolver, claro. Eu tinha contrato com a Peugeot, e também com a Ganassi, para correr em Sebring nas 12 horas no próximo final de semana. Mas ele foi super legal de me deixar romper o negócio”, disse o agora piloto da Haas.

CADILLAC DPI; IMSA; SPORTSCAR; GANASSI; KEVIN MAGNUSSEN; RENGER VAN DER ZANDE;
Kevin Magnussen iria para mais uma temporada no IMSA (Foto: IMSA)

Os detalhes do contrato de Magnussen com a equipe de Steiner não foram divulgados, mas é sabido que o vínculo é de mais de um ano, algo que definitivamente agradou o dinamarquês.

“Não foi algo que coloquei como requisito, mas fiquei feliz, porque não faria sentido voltar para apenas um ano. Eu testei, não é algo novo para mim. Voltar direito, com o Gunther me mostrando o quão motivado o time está, sinto que estão em um bom momento, era algo muito empolgante. Eu realmente queria isso, posso sentir”, afirmou o piloto de 29 anos.

A Haas volta às pistas nesta sexta-feira (11), para a possível reestreia de Magnussen. O GRANDE PRÊMIO acompanha a cobertura da pré-temporada da Fórmula 1 no Bahrein AO VIVO e em TEMPO REAL. A análise acontece no Briefing assim que as atividades em pista acabarem.

A SINA DO PRIMEIRO VENCEDOR NA TEMPORADA DA FÓRMULA 1 (DESDE 2017)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar