F1

Kvyat adota cautela em treino 'anti-Red Bull' e explica problema com clichê: “Acidentes acontecem”

O russo Daniil Kvyat não teve a estreia dos sonhos pela Red Bull e foi obrigado a ir para a pista em Jerez sem a asa dianteira, que havia quebrado. Assim, o russo não pode marcar tempo

Warm Up, de Jerez de la Frontera / RENAN DO COUTO, de Jerez de la Frontera / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Daniil Kvyat viveu um momento curioso nessa segunda-feira (2) de testes em Jerez. O jovem piloto foi mandado para a pista sem a asa dianteira, que havia quebrado. O fato não deixa de ser curioso, já que logo a marca que dá asas não conseguiu prover ao russo uma reserva. Além disso, a ausência da asa também prejudicou o trabalho de testes da Red Bull.

Kvyat falou das dificuldades de guiar sem a asa e garantiu que o time austríaco teve o processo de testes um pouco atrasado pelo incidente.
 
“Eu tive de ser bem cuidadoso. Claro que tinham alguns pontos da pista em que eu não podia acelerar da maneira como eu gostaria. Nós não pudemos testar tudo, então foi bom, mas não tão bom quanto se tivéssemos a asa, claro”, disse.
 
Pela limitação, o russo foi perguntado se a Red Bull conseguiu testar algum componente. De acordo com Kvyat, o motor foi aprovado nesse segundo dia em Jerez.
 
“Pudemos ver que o motor funcionou bem, por exemplo. Mas ainda há algumas coisas que nós precisamos testar nos próximos dias”, explicou.
A Red Bull não tinha asa dianteira reserva e treinou mesmo assim em Jerez (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
O piloto foi lacônico ao definir o incidente que atrapalhou seu dia.
 
"Não foi a coisa ideal, mas acidentes acontecem”, falou.
 
Red Bull informou em nota que a nova asa deve chegar a Jerez na noite desta segunda-feira, não atrapalhando, então, os planos de Daniel Ricciardo para amanhã.
DE NOVO NA FRENTE

Sebastian Vettel, pelo segundo dia seguido, foi o mais rápido dos testes de pré-temporada da F1 em Jerez de la Frontera. O alemão, que agora defende a Ferrari, anotou uma volta em 1min20s984 ainda pela manhã na Andaluzia e não foi mais superado. Um excelente início para seu relacionamento com a Scuderia.
 
E como se repetir o líder já não fosse o bastante, a F1 também viu a Sauber outra vez na segunda posição. Desta vez, com o estreante brasileiro Felipe Nasr. Fazendo seu primeiro treino com a equipe suíça, o campeão da F3 Inglesa de 2011 colocou pneus macios na parte da tarde para saltar de quarto a segundo, com um tempo na casa de 1min21s867 — exatos 0s833 mais lento.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.
AINDA NÃO DÁ

A Williams não está andando com o combustível da Petrobras em seus carros e não tem uma previsão de quando vai começar a fazê-lo.
 
Quando a parceria da estatal brasileira com a equipe inglesa foi anunciada, no início da temporada 2014 da F1, disseram que o combustível da Petrobras deveria retornar à categoria com a Williams em 2015. Desde então, a marca da companhia aparece nos carros devido a um acordo promocional.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO. 
VETTEL NA CABEÇA

A Red Bull surpreendeu a todos ao aparecer com o RB10 envolto numa pintura provisória camuflada em preto e branco para o primeiro dia de testes coletivos de pré-temporada neste domingo (1), em Jerez de la Frontera. O chefe da equipe, Christian Horner, explicou de onde veio a ideia do camuflado, mas sem entregar quando e de que forma o carro ficará quando a pintura oficial chegar.
 
Segundo Horner, a pintura foi inspirada num dos muitos capacetes utilizados por Sebastian Vettel enquanto na equipe: o vestido pelo tetracampeão no GP da Itália de 2014. E completou dizendo que é impactante e dificulta na hora de gente de fora da equipe tentar recolher informações detalhadas.

Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO.