“Destruído”, Hamilton critica negacionismo de líderes mundiais: “Covid não é piada”

Lewis Hamilton saiu do carro completamente extenuado depois de fazer sua primeira corrida após vencer a Covid-19. O britânico se disse feliz por estar feliz, mas revelou estar bastante desgastado fisicamente e muito triste com a postura de políticos que negam ou minimizam o vírus

Lewis Hamilton voltou a correr neste fim de semana depois de vencer a Covid-19, vírus que paralisou o mundo, já ceifou mais de 1,6 milhão de vidas, sendo mais de 180 mil apenas no Brasil, e infectou um total de quase 72 milhões de pessoas no planeta. O heptacampeão mundial de Fórmula 1 e um exímio atleta, perdeu o GP de Sakhir de domingo passado e sofreu com os efeitos do novo coronavírus no corpo. Depois de chegar a Yas Marina aparentando estar bem mais magro, Lewis foi até dúvida para a corrida, mas o piloto da Mercedes conseguiu correr neste domingo (13).

Mas ao fim de 55 voltas e de uma prova bastante desgastante com duração de quase 1h40min, Hamilton desabafou. “Estou destruído! Não me sinto bem. Estou feliz e grato e vivo para lutar outro dia”.

Ciente do tamanho que tem, da sua importância e de ser dono de uma voz que ecoa muito além dos limites do esporte, Lewis demonstrou indignação com a maneira como muitas pessoas, principalmente líderes mundiais, lidam com o coronavírus, muitas vezes com desdém e com atitudes negacionistas.

Lewis Hamilton se mostrou muito abatido e ‘destruído’ neste domingo em Abu Dhabi (Foto: AFP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Da minha parte… O Covid não é uma piada”, avisou o piloto.

“Sabia que, em algum momento, seria difícil porque há pessoas que estão perdendo vidas, o que é grave. E achei estranho quando os líderes mundiais riram disso como se não fosse nada”, criticou Hamilton, que se mostrou feliz por vencer a doença que vem devastando o mundo neste triste 2020.

“Sou muito grato por estar aqui e não estou onde estive durante toda a temporada, mas consegui”, comentou.

Quando perguntado sobre a corrida e o desempenho da Red Bull de um Max Verstappen que foi imbatível ao longo de toda a prova, Hamilton destacou a evolução tanto do carro da equipe taurina como também de Alexander Albon, que chegou a ser criticado pelo heptacampeão ao longo de 2020. O anglo-tailandês até ensaiou uma pressão em cima de Hamilton nas voltas finais da prova, mas terminou em quarto.

“Não fiquei surpreso com o ritmo deles. Eles estavam 15s à frente, e não consegui andar perto. Então, parabéns ao Max. Isso mostra como o carro é bom e Alex estava bem atrás de mim, o que não foi o caso durante todo o ano, então isso mostra que eles avançaram, que Alex fez progressos e isso é muito bom para o esporte”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube