Mercedes vê carro “para brigar”, mas descarta certeza de que quiques “desapareceram”

James Vowles, diretor de estratégias da Mercedes, apontou que a equipe encontrou um caminho, sim. Mas ainda não dá para dizer que o problema terminou

FÓRMULA 1 2022: VERSTAPPEN VENCE NA ESPANHA E ASSUME LIDERANÇA. FERRARI EM APUROS? | Paddock GP #288

A Mercedes não ganhou o GP da Espanha do último fim de semana, mas foi quem saiu mais feliz. O motivo foi ver o W13 ser, enfim, competitivo e se apresentar como um incômodo tanto para a Ferrari quanto para a Red Bull ao longo da corrida. Mesmo assim, a equipe prega a cautela. Sabe que achou o fio da meada, mas ainda não quer garantir que resolveu de uma vez por todas o problema dos quiques.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Quem afirmou foi o diretor de estratégias da Mercedes, James Vowles, num vídeo publicado pela própria equipe. Vowles garante que a Mercedes encontrou mesmo um caminho para evoluir o carro e se livrar do porpoising – os quiques -, mas é impossível afirmar que o problema não se apresentará novamente ao menos em alguma forma numa pista diferente.

“Tivemos uma de seis corridas em que o carro se comportou bem. Enfim, foi um carro apropriado para correr. Deu para mexer no setup, ajustar bastante e respondeu da maneira que era prevista. O mesmo não podia ser dito para o carro nas primeiras cinco corridas do ano”, falou. George Russell e Lewis Hamilton foram, respectivamente, terceiro e quinto colocados na Catalunha.

Russell carregou algumas mudanças no carro da Mercedes e travou bela batalha com Verstappen na Espanha (Foto: Reprodução/F1 TV)

“De qualquer maneira, temos de controlar nossas expectativas. É uma pista que se encaixa com nosso carro já há muitos anos. Temos muito a entender e aprender. Seria errado afirmar que o problemas dos quiques desapareceu”, disse.

“Ainda se vê também em nossos competidores, e tenho certeza de que elementos disso vão aparecer novamente conforme seguimos construindo nossa compreensão dessa estrutura que estabelecemos em Barcelona. O que posso dizer é que demos um passo definitivo na direção de entender o que colocamos na pista. Podemos crescer a partir daí. É diferente do que aconteceu nas primeiras cinco corridas”, reforçou.

“Temos pistas complicadas vindo aí, Mônaco e Baku, que vão arremessar desafios e surpresas em nossa direção. A diferença agora é que temos um carro bem mais próximo a quem vem à frente: um carro com o qual podemos lutar pelo campeonato”, afirmou.

Vowles tocou ainda na questão do superaquecimento do motor. Perto do fim da prova, tanto Russell quanto Hamilton receberam o aviso de que tinham de cuidar do carro porque a temperatura do motor representava um perigo real de abandono. Hamilton tirou bastante o pé e acabou cedendo a quarta colocação a Carlos Sainz.

“Nosso motor estava muito quente. Para dar algum contexto, a temperatura ambiente era de 37°C na corrida: era 36°C na largada e ainda piorou depois. É muito calor, algo incomum para praticamente todos os circuitos do calendário. Os pilotos tiveram de responder a isso cuidando do motor, colocando o carro em ar limpo e recuperando energia. Fizeram um ótimo trabalho levando o carro até o fim”, terminou.

A Fórmula 1 retorna já neste fim de semana, em Monte Carlo, com o GP de Mônaco. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.

POR QUE A FÓRMULA 1 2022 COMEÇA AGORA PARA A MERCEDES?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar