Mercedes retoma normal e abre fim de semana na frente na Espanha. Red Bull prefere mistério

Ao que parece, a Mercedes enfim entendeu o poderoso carro que construiu e vem em vantagem depois dos primeiros treinos livres na Espanha. Já a Red Bull surge tranquila demais para quem terminou longe da ponta da tabela

Lewis Hamilton conquistou a vitória 97 na F1: assista aos melhores momentos do GP de Portugal (Foto: GRANDE PREMIO com Reuters)

A sexta-feira (7) de treinos livres na Espanha lembrou muito as últimas temporadas em que a Mercedes surge imediatamente forte e acaba com qualquer previsão de equilíbrio. De fato, a equipe alemã se impôs ao comandar as duas sessões e deixou a impressão de ter uma liderança folgada. Lewis Hamilton fechou o dia com o melhor tempo em 1min18s110, apenas 0s139 mais rápido que o companheiro, Valtteri Bottas. A esquadra da estrela não levou nenhuma grande novidade para Barcelona, mas deixou claro o bom trabalho feito para compreender os segredos do difícil W12. Tanto é verdade que conduziu os dois pilotos em configurações aerodinâmicas diferentes – assim como já havia feito em Portugal, na semana passada. Sendo assim, há um significativo passo à frente.

O ritmo de classificação da dupla dos carros pretos foi muito veloz, especialmente o do heptacampeão, mesmo com mais downforce. O inglês se queixou muito menos de instabilidade e disse que “o equilíbrio é semelhante ao que tínhamos na última corrida. Está perto, mas parece que temos um ritmo decente”. Os tempos de volta comprovaram também a eficiência do W12 com os três compostos levados pela Pirelli e que fazem parte da gama mais dura: C1 (duro/branco), C2 (médio/amarelo) e o C3 (macio/vermelho).

Por isso, o desempenho de corrida chamou a atenção. Em cima dos vermelhos, Hamilton andou na média em 1min23s3, sendo o mais rápido. Bottas e Sergio Pérez foram capazes de andar muito perto das marcas do britânico. Já com os médios, os registros foram ainda melhores, na casa de 1min22s9, contra 1min23s0 do companheiro Bottas.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Lewis Hamilton foi superior na sexta-feira (Foto: Mercedes)

Diante disso, a Mercedes entra no fim de semana em vantagem. “Acho que foi a nossa melhor sexta-feira até agora. Foi muito encorajador”, afirmou o chefe da Mercedes, Toto Wolff.

Por outro lado, a Red Bull não viveu um dia tão impressionante. A equipe austríaca sequer figurou perto da liderança na segunda sessão do dia e ainda viu Max Verstappen cometer pequenos erros durante os treinos. O holandês foi apenas o nono colocado, enquanto Pérez terminou logo atrás, em décimo. A diferença entre eles foi de pouco mais de 0s1. Só que a distância para Hamilton foi considerável: 0s6.

Portanto, o desempenho (a falta de) dos taurinos causa estranheza, especialmente em um momento de grande equilíbrio técnico entre as duas adversárias. É improvável que a Red Bull tenha andado para trás em apenas sete dias, sobretudo em um circuito que costuma atender bem a todo o tipo de exigência. Então, parece possível dizer que os austríacos escondem algo. E há outros indícios.

O primeiro deles vem de Verstappen. É bem verdade que o tempo que o colocou em nono foi feito com os pneus médios, mas isso só aconteceu porque ele errou durante a simulação de classificação e perdeu um jogo de pneus macios. Também certo dizer que a volta era muito boa – estava a apenas 0s1 pior que os carros pretos. Na sessão matutina, Max já havia acompanhado bem os rivais em cima da borracha vermelha.

LEIA MAIS
+Hamilton aprova ritmo da sexta-feira e vê Mercedes mais equilibrada que em Portugal
+Verstappen minimiza nono lugar na sexta-feira e ressalta Red Bull “competitiva”

Max Verstappen na pista de Barcelona (Foto: Red Bull Content Pool)

Além disso, ninguém se mostrou especialmente preocupado com o déficit de tempo notado na tabela. “No geral, acho que tivemos um dia muito bom e o carro parece competitivo. Eu espalhei um pouco na Curva 10 na minha volta rápida no segundo treino livre, mas não tenho nada grave a reportar em ambas as sessões”, disse o holandês.

“O quão competitivos estaremos amanhã sempre será uma questão que marca a sexta-feira, mas da nossa parte estamos bem contentes. É claro que você sempre quer evoluir e ir melhor, então temos de ter certeza de que estaremos competitivos amanhã.”

O ritmo de corrida foi pior que o da Mercedes, também é verdadeiro, mas tanto Max quanto Sergio trabalharam muito mais para entender o desgaste dos compostos em corrida. É uma preparação diferente, sem dúvida.

Então, a folha de tempos ainda pode enganar. Em uma pista de difícil ultrapassagem, a classificação será fundamental e, diante do que se viu nesta sexta-feira, a briga será apertada, ainda que Hamilton ocupe com justiça o posto de homem a ser batido.

Fórmula 1 volta a acelerar em Barcelona na manhã deste sábado para o terceiro treino livre, às 7h (de Brasília). Já a classificação que vai definir o grid de largada da quarta etapa da temporada está marcada para 10h. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar