Na Garagem: Schumacher vence GP dos EUA disputado por apenas seis carros

Os 14 carros que tinham pneus Michelin só deram a volta de apresentação em Indianápolis em 2005 e recolheram na sequência. A falta de segurança dos pneus franceses provocou um dos maiores vexames da história da Fórmula 1 e uma corrida completamente esvaziada com apenas Ferrari, Jordan e Minardi presentes

Poucas vezes a Fórmula 1 e o automobilismo tiveram momentos tão melancólicos quanto naquele 19 de junho de 2005. Foi o dia em que o GP dos EUA foi realizado no circuito misto e que reunia trechos do oval do sagrado Indianapolis Motor Speedway, mas sem qualquer tipo de glamour. Michael Schumacher venceu aquele dia, mas, pegando o contexto tudo, virou nota de rodapé.

O que se viu na pista foi um dos maiores fiascos já vistos. Dos 20 carros do grid, 14 não puderam largar por falta de segurança e, assim, apenas Ferrari, Jordan e Minardi alinharam seus pilotos. Isso mesmo, foi a ‘Corrida dos Seis Carros’ ou, simplesmente, ‘GP da Vergonha’.

O cenário que levou a isso foi um tanto complexo. Era época de guerra dos pneus, de rivalidade entre Michelin e Bridgestone. Naquele ano, o asfalto de Indianápolis havia sido recapeado, a pista estava muito mais abrasiva e, por isso, a Firestone preparou compostos bem mais resistentes para a Indy 500. A Bridgestone, sabendo da situação, acompanhou a parceira japonesa e chegou ao GP dos EUA pronta. O que não aconteceu com a Michelin.

Jarno Trulli teria a pole no GP dos EUA de 2005 (Foto: Forix)

Os franceses dominavam completamente o campeonato com Fernando Alonso, da Renault, e Kimi Räikkönen, da McLaren, mas o fiasco em Indianápolis abalou as estruturas. Tudo começou na sexta-feira, em um forte acidente de Ralf Schumacher durante o segundo treino livre e resultou em uma investigação finalizada no domingo: com pneus que não resistiam à curva 1 do oval em alta velocidade, a Michelin simplesmente não teve como garantir segurança aos seus pilotos. Para piorar, 2005 era uma temporada com proibição de troca de pneus durante a corrida.

Falou-se em colocar uma chicane na curva; outras ideias que não seguiam o regulamento da FIA também foram colocadas, mas não adiantava, afinal, era necessária unanimidade e a Ferrari não estava nem um pouco disposta a abrir mão da grande chance de vitória que teve no ano. Sem saída, a Michelin precisou abrir mão da corrida e, entre outras coisas, da pole que Jarno Trulli havia registrado com sua Toyota.

“As equipes têm três opções: passarem mais devagar naquela curva, usarem pneus diferentes dos usados na classificação, o que é passível de punição, ou trocarem várias vezes os pneus nos boxes com a justificativa de que há risco para a segurança”, informou a FIA em um comunicado algumas horas antes da prova.

Os 14 pilotos de Renault, Williams, McLaren, Sauber, Toyota, BAR e Red Bull deram apenas a volta de apresentação, para que ficassem configuradas suas participações no GP, e se dirigiram aos boxes. Schumacher, Rubens Barrichello, Tiago Monteiro, Narain Karthikeyan, Christijan Albers e Patrick Friesacher largaram.

O pódio do inacreditável GP dos EUA de 2005 (Foto: Reprodução)

“Estou furioso com a estupidez que foi isso tudo. Os dias em que eu conseguia fazer as coisas acontecerem acabaram, tentei um milhão de saídas e achei que, quando estava todo mundo no grid, eu tinha conseguido. A gente tinha acabado de começar a construir uma boa imagem para a F1 nos EUA com TV e torcedores e tudo isso foi arruinado agora”, declarou um devastado Bernie Ecclestone, então chefão da categoria.

A corrida em si nem merece qualquer tipo de destaque, afinal, eram dois carros de ponta, dois carros de fim de grid e outros dois que viviam nas últimas colocações. Resumidamente, era impossível que Jordan brigasse com a Ferrari e improvável que a Minardi enfrentasse a Jordan. Para piorar, Monteiro era bem melhor que Karthikeyan, bem como Albers era claramente superior no duelo com Friesacher.

No fim, ao menos a Ferrari gerou algum entretenimento e uma certa briga entre Schumacher e Barrichello, que teve o alemão empurrando o brasileiro para fora na saída dos boxes, a única dose de polêmica na prova que foi bem modorrenta.

Mas o lance foi considerado normal e o alemão venceu, com Barrichello fechando a dobradinha na única vitória da Ferrari em 2005. Monteiro, em terceiro, fez o primeiro e até aqui único pódio português na F1. Karthikeyan, Albers e Friesacher fecharam o pelotão.

A vibração de Tiago Monteiro em seu único pódio (Foto: Jordan)

Na comemoração, se é que podemos chamar assim, latas e garrafas jogadas na pista e muita vaia pra um triste espetáculo no maior oval do mundo. Aliás, a corrida sequer foi transmitida na íntegra para o Brasil por meio da Globo, já que houve conflito de horário com um jogo da Seleção pela fase de grupos da Copa das Confederações: derrota de 0x1 para o México.

“As pessoas estão aí, vaiando, mas a gente não fez nada de errado. Fizemos nossa corrida, mas foi um dia estranho”, comentou Barrichello sobre a reação inflamada dos torcedores. No entanto, o brasileiro falou sobre uma ordem de equipe da Ferrari que veio quando pressionava Schumacher nas voltas finais.

“Estava acelerando o máximo que podia até que eles pediram que eu reduzisse o ritmo. Sou só um brasileirinho tentando lutar contra esse mundo muito grande. Estou guiando bem o carro, mas tenho de encarar muita coisa que eu não gosto”, afirmou Rubens, citando a frase que também entrou para a história.

Michael Schumacher e Rubens Barrichello no GP dos EUA (Foto: Ferrari)

As consequências do vexame foram gravíssimas para a categoria. Além da revolta dos fãs, o contrato com Indianápolis não foi renovado após 2007, e o Mundial só retornou ao país em 2012, em Austin, prova que segue acontecendo até hoje.

Já a Michelin cumpriu seu contrato até a temporada 2006 e depois se retirou. Desde então, não há mais ‘guerra de pneus’ na F1. A Bridgestone ficou no grid até 2010. A partir do ano seguinte, a Pirelli assumiu como a fornecedora única de pneus da principal categoria do automobilismo mundial.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube