F1

Na Garagem: Venda para BAR sela fim da campeã mundial Tyrrell após 29 temporadas no grid da F1

Equipe que marcou época nos anos 1970, a Tyrrell foi vendida para a British America Tobacco há 20 anos e deixou de existir oficialmente em 2 de novembro, quando a negociação foi oficializada e anunciada. O lendário Ken Tyrrell deixou o esporte por conta da alta dos custos da F1
Warm Up / FERNANDO SILVA, de Sumaré
 Jackie Stewart no GP da Itália de 1973 (Foto: F1)
A histórica equipe britânica Tyrrell Racing saiu de cena da F1 há exatos 20 anos. Em 2 de novembro de 1988, a escuderia fundada por Ken Tyrrell foi oficialmente vendida por £ 30 milhões à empresa British America Tobacco, que por sua vez criava a British America Racing, a BAR, liderada por Jacques Villeneuve, Craig Pollock, Rick Gome e Adrian Reynard. Era o fim de uma equipe que marcou época nos anos 1970 com direito ao título Mundial de Construtores em 1971 e do de Pilotos em 1971 e 1973, com Jackie Stewart.
 
Os números expressivos indicam o quanto a Tyrrell foi vitoriosa na F1. Ao todo, em 430 GPs em 29 temporadas, a equipe conquistou 23 vitórias, 14 poles, 20 voltas mais rápidas, 77 pódios e nada menos que oito dobradinhas, além dos títulos já citados. É a décima equipe com mais vitórias na história da F1.
 
Sir Jackie Stewart foi o maior dentre os vencedores, com 15 triunfos em 39 corridas, seguido por Jody Scheckter, com quatro vitórias em 45 GPs. Michele Alboreto — dono da última vitória do time, em 1983, com o patrocínio da Benetton —, Patrick Depailler e François Cévert também subiram ao topo do pódio representando a escuderia britânica.
A última vitória da Tyrrell foi no GP dos EUA de 1983, em Detroit, com Michele Alboreto (Foto: Forix)
Entre os 45 pilotos que correram pela Tyrrell na F1, destacam-se também nomes como Jean Alesi, Stefan Bellof, Jos Verstappen, Andrea De Cesaris, Jonathan Palmer, Mika Salo, Martin Brundle, Philippe Streiff, Jean-Pierre Jarrier, Ronnie Peterson e Ukyo Katayama. O japonês foi o segundo piloto com mais largadas pela Tyrrell, 64, só atrás de Depailler, com 80. Ricardo Rosset, com 11 GPs disputados, foi o único brasileiro a representar oficialmente a equipe britânica.
 
A trajetória da Tyrrell também foi marcada por um projeto revolucionário. O P34 foi desenhado pelo engenheiro Derek Gardner, que projetou um carro bem diferente dos padrões da época e aproveitou a liberdade que havia à época para desenhar um modelo com quatro pneus menores à frente e proporcionar um maior ganho aerodinâmico com a melhora do fluxo de ar direcionado à asa traseira. 
 
O modelo foi à pista em parte da temporada de 1976 e empurrou a equipe durante todo o ano seguinte. A única vitória do P34 foi com direito a dobradinha: Scheckter triunfou no GP da Suécia de 1976, com Patrick Depailler em segundo. Foi, também, a única vez na história que a F1 viu a vitória de um carro de seis rodas.
 
O sucesso na década de 1970 não se consolidou nas temporadas seguintes. De uma equipe postulante a vitórias e títulos, a Tyrrell passou a viver de alguns brilharecos aqui e ali. 
 
Claro, houve bons momentos neste tempo, como em 1989, quando a escuderia promoveu a estreia de Jean Alesi. O francês logo virou uma sensação da F1 e teve exibições exuberantes, como nos GPs dos Estados Unidos e de Mônaco de 1990. O que valeu uma incrível disputa entre Williams e Ferrari pelo seu ‘passe’. No fim das contas, após ter chegado a assinar com a Williams, a escuderia de Grove entrou em contato com a Ferrari, que o contratou.
O brasileiro Ricardo Rosset fez parte da Tyrrell na última temporada da história da equipe (Foto: Forix)
A decadência da equipe ficou deflagrada na sequência dos anos 1990, quando passou a depender em grande parte do dinheiro trazido pelos seus pilotos. Foi assim que Katayama acumulou 61 GPs entre 1993 e 1996, levando patrocínio de empresas como a Epson e a marca de cigarros Mild Seven.
 
A temporada 1997 veio como uma espécie de último suspiro da Tyrrell, que tinha uma dupla razoável para a época, formada por Mika Salo e Jos Verstappen, porém tinha um carro, o 025, cheio de problemas e que não permitiu aos pilotos conquistar resultados minimamente decentes. 
 
Em 1998, com um projeto igualmente ruim, o 026 empurrado pelo motor Ford Cosworth, e com Ricardo Rosset e Tora Takagi, não havia muito para onde ir. O brasileiro, inclusive, sequer conseguiu se classificar para cinco corridas daquela temporada: Espanha, Mônaco, Alemanha, Hungria e a última da equipe, o GP do Japão que coroou Mika Häkkinen como novo campeão mundial.
 
No anúncio oficial que marcou o fim da Tyrrell, seu fundador justificou a medida como inevitável por conta dos custos já proibitivos da F1 e também pela falta de competitividade apresentava nos últimos anos. “Essa é a decisão mais difícil que já tive de tomar. Acredito que seja a correta. Os custos para se competir na F1 escalaram drasticamente e a Tyrrell não fica satisfeita por andar no fim do grid. Nosso espírito competitivo é grande demais”, disse Ken Tyrrell, que morreu em 25 de agosto de 2001.
 
O que pouca gente poderia imaginar é que o fim da Tyrrell foi o embrião de uma equipe que viria a dominar a F1. Não necessariamente a BAR, que nasceu em 1999 com proposta ousada e projeto liderado por Adrian Reynard e pintura ousada dos cigarros 555 e Lucky Strike. O carro daquela temporada não deu certo, mas depois o time engrenou a partir de 2000, quando firmou parceria com a Honda como fornecedora de motores — em 1999 quem fabricou os propulsores foi a Supertec, que preparou os motores Renault à época.
 
Neste tempo, entre 2000 e 2005, foram nada menos que 15 pódios conquistados (12 com Jenson Button, dois com Villeneuve e um com Takuma Sato), duas poles (as duas com Button), o vice-campeonato do Mundial de Construtores e terceiro no Mundial de Pilotos, com Button, em 2004. No fim de 2005, a equipe foi comprada pela Honda, que assumiu de vez a operação e passou a injetar muito dinheiro, aproveitando sua condição de montadora, que contratou Rubens Barrichello, de saída da Ferrari, para formar dupla com Button. 
 
A equipe comprou a estrutura de Brackley e chegou a conquistar uma vitória, com Button no GP da Hungria de 2006, mas o investimento em si não deu tão certo quanto os japoneses queriam, com poucos bons resultados. Ao fim de 2008, a Honda tirou o time de campo e chegou a deixar Button e Barrichello desempregados. Aí Ross Brawn, que era o chefe de equipe da Honda nos últimos anos, adquiriu o espólio e fundou a Brawn GP, iniciando a história mais surpreendente e inacreditável da F1 em anos.
 
Uma equipe que estava falida renasceu com um projeto de chassi muito bom e ganhou o reforço do ótimo motor Mercedes. A união de fatores, além da força da dupla Barrichello e Button, fez furor na pré-temporada, ainda que ficasse sob a sombra do descrédito para muitos. Mas a performance se confirmou com um título irretocável de Button e do Mundial de Construtores em 2009.
A sensação Brawn GP, campeã em 2009, é 'descendente' da Tyrrell (Foto: Brawn GP)
A conquista da Brawn GP representou seu fim pouco depois, já que a Mercedes colocou em prática seu objetivo de voltar à F1 como equipe depois de deixar a categoria no fim dos anos 1950 para ser apenas fornecedora de motores a partir de 1994. 
 
A marca alemã assumia a estrutura de Brackley e se reforçava com a construção da fábrica de motores em Brixworth. Com Nico Rosberg e Michael Schumacher, que foi reconduzido à F1 depois de três anos de aposentadoria, a escuderia prateada foi crescendo de forma gradual, deu um passo significativo quando contratou Lewis Hamilton para substituir Schumacher e se estabeleceu como a grande potência da F1 a partir de 2014, quando nasceu a nova Era Turbo da F1 com os motores híbridos V6. Daí em diante, foram quatro títulos do Mundial de Construtores — até agora — e cinco do Mundial de Pilotos, sendo um com Rosberg e quatro com Hamilton, o último deles conquistado no último domingo (28) no GP do México.
 
Uma história vitoriosa que teve sua origem não na Mercedes dos tempos de Fangio na década de 1950, mas com a não menos lendária Tyrrell Racing.