F1

Norris vê Sette Câmara como “cara certo” para ajudar McLaren e valoriza treinos na F1: “Ajudam muito”

Lando Norris, aos 19 anos, será titular da McLaren em 2019. E com pouco tempo de pista com um F1, ele conta que todo treino livre que consegue fazer com o carro laranja já ajuda muito nos preparativos para a próxima temporada. Além disso, comenta sobre o atual companheiro de equipe na F2 e que seguirá o mesmo caminho que ele no ano que vem: o brasileiro Sérgio Sette Câmara
Warm Up / FELIPE NORONHA, de São Paulo
 Lando Norris (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)



Os horários de entrevista dos pilotos no paddock da F1 são apertados: usualmente, as equipes marcam 10 minutos de conversa e os repórteres se amontoam - seja na sala de cada time, seja ao redor dos boxes. Os pilotos mais experientes sabem que serão minutos com muita gente ao redor e diversas questões - mas os novatos ainda não chegaram nessa parte da profissão.

Lando Norris, por exemplo, foi escalado pela McLaren na sexta-feira de GP do Brasil para dar entrevistas para as televisões presentes em Interlagos. Mas nenhuma quis falar com o jovem. Foi quando o GRANDE PRÊMIO aproveitou a brecha e chamou o jovem de 19 anos para uma exclusiva. E, nela, o britânico comentou alguns pontos do que ele espera da F1 em 2019, quando será titular.

O ponto principal é o tempo de pista com um carro de F1 que ele teve neste ano. Em algumas etapas, a McLaren tirou Fernando Alonso do primeiro treino livre e colocou Norris para se acostumar com os nuances da sua futura categoria. No Brasil não foi diferente, e ele comentou sobre o quanto aprende nestas ocasiões.
Lando Norris (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
"Muito!", disse. "Acredito que ao final de cada TL1 existem algumas coisas que não pude tentar, traçados diferentes, ou pontos de frenagem, coisas assim, por causa do pouco tempo que tenho. Mas fazendo o que fiz posso voltar ano que vem sabendo muito mais", explicou.

"E aí poderei tentar essas coisas citadas de cara. Posso assistir Fernando e Stoffel (Vandoorne) e ver o que eles fazem. É uma grande ajuda, te prepara muito. Posso ir para o ano que vem sabendo o que é bom, sabendo o que é ruim, sem demorar uma sessão inteira para me acostumar com as coisas", completou.

Também pensando em 2019, ele analisou a presença de Sérgio Sette Câmara como piloto de testes da equipe da qual será titular. E elogiou o atual companheiro, já que correm juntos na Carlin, na F2, nesta temporada.

"Eu acho que ele é uma grande adição à equipe. Trabalhei muito próximo a ele nesse ano na F2 e ele é uma boa adição. É um ótimo cara, nos damos muito bem e um forçou o outro a ser melhor durante esta temporada, ele é um piloto muito bom", analisou.
Lando Norris (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Norris, inclusive, vê o brasileiro como "o cara certo" para os testes que a McLaren necessita: "E o jeito com que ele dá os feedbacks para a equipe, o quão preciso ele é, o torna uma ótima adição para a equipe. Pilotando por esta equipe, e dando os tipos de feedback que ele dá, tenho certeza que ele ajudará a melhorar as coisas. E qualquer coisa que possamos fazer para melhorar em diferentes áreas, creio que ele é o cara certo para isso."

Por fim, Norris ainda comentou o elogio recebido por parte de Charles Leclerc, que um dia antes, em entrevista acompanhada pelo GP nos boxes da Sauber, havia citado o britânico como um dos bons nomes jovens que surgem na F1.

Ele revelou até que apenas recentemente teve contato com o monegasco - e de uma forma usual para os jovens: Instagram: "Que legal da parte dele. Eu não o conheço muito bem, honestamente. Acho que nos falamos pela primeira vez no Instagram, há cerca de uma semana."

"Então não conheço Charles tão bem. Mas que simpático o que ele disse. Ele é um piloto muito bom, estou ansioso para pilotar contra ele ano que vem", concluiu Norris.

Ele será companheiro de Carlos Sainz na McLaren em 2019, em equipe completamente renovada com as saídas de Alonso, que deixa a F1, e de Vandoorne, que vai para a Fórmula E.