Novidade da F1 para temporada 2018, Halo preocupa equipes por preço que pode chegar até R$ 89,5 mil por unidade

O Halo chega à F1 na próxima temporada tendo em vista aumentar a segurança para os pilotos. E, claro, segurança vale qualquer valor, mas o custo do Halo é uma surpresa para as escuderias: entre R$ 48,5 mil e R$ 89,5 mil por cada unidade

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }


google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A estreia do Halo na Fórmula 1 está marcada para a temporada 2018, mas a preocupação com a implantação já está a toda velocidade. E uma nova questão se colocou para as equipes do Mundial recentemente: o preço da primeira proteção de cockpit da história dos monopostos da categoria. O custo será bem maior que o esperado.

 
De acordo com a revista alemã 'Auto Motor und Sport', três companhias submeteram projetos à FIA para que sejam permitidas a fornecer o Halo para as equipes da F1. Todas, evidentemente, construíram o projeto levando em conta as especificações divulgadas pelo órgão.
 
"Aqueles que se adequam às exigências podem depois vender o Halo para a F1, F2 e F-E", afirmou a revista. Mas essa nem sequer é a questão. Ainda segundo a publicação, um único Halo custará entre R$ 48,5 mil e R$ 89,5 mil.
O Halo na Mclaren de Stoffel Vandoorne (Photo: Xavi Bonilla / Grande Premio)
Um dos indivíduos que mais está pensando na implantação do Halo – por ser diretor-técnico da Force India -, Andy Green, admitiu que a peça está um tanto quanto salgada para os cofres não apenas pelo valor, mas pela quantidade que será necessária. 
 
"Será caro. Não apenas precisamos encomendar Halos para os carros, mas também para os testes de peso da FIA", lembrou. 
 
Vários pilotos estão testando o Halo e dando suas opiniões positivas e negativas sobre ele nos últimos tempos, bem como as equipes. Mas mesmo sem a proteção, a F1 volta à baila no próximo fim de semana com o GP da Malásia em Sepang. 
TORO ROSSO DEMOROU DEMAIS

REBAIXAMENTO SEGUIDO DE AFASTAMENTO DE KVYAT É TUDO, MENOS INJUSTO  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube