Pole de Hamilton dá recado a Verstappen em sexta que cumpre promessa da Fórmula 1

Empurrado por 90 mil torcedores em Silverstone, Lewis Hamilton provou que não pretende desistir com facilidade da disputa do título. A pole que não é pole é um indicativo e um aviso a Max Verstappen. Ainda tem briga. A sexta-feira também se desenrolou de forma interessante, com uma classificação antecipada e pouco ainda a dizer sobre o que esperar das corridas do fim de semana

Hamilton superou Verstappen na frente de uma torcida apaixonada para liderar a classificação do GP da Inglaterra (Foto: Vídeo: Reuters)

Foi diante de uma Silverstone assustadoramente lotada que Lewis Hamilton protagonizou um dos melhores desempenhos em classificação dos últimos anos. O inglês não começou o dia favorito – muito longe disso –, mas encontrou em uma Mercedes ajustada o caminho para domar a Red Bull e Max Verstappen – ao menos por ora. A conquista, que seria a 101ª pole de sua carreira, tem muitos significados e é realmente uma pena que não conste nos livros de estatística. Hamilton ficou impressionado, como poucas vezes, com o próprio ritmo e, não fosse um erro no giro final, teria sido mais rápido mesmo, como disse o chefe Toto Wolff. A atuação primorosa também um recado claro aos adversários: ainda há briga.

E tanto é verdade que o heptacampeão foi para o simulador nesta manhã de sexta-feira (16), na Inglaterra, aproveitando a mudança nos horários de treino e classificação. A ideia foi entender um pouco mais o pacote de atualizações que a Mercedes entregou. Os engenheiros focaram em alterações na área dos bargeboards, as peças que ficam entre as rodas dianteiras e as entradas de ar, na lateral do carro. O trabalho ali é para melhorar o direcionamento do fluxo de ar. O complemento das novidades esteve no assoalho, que foi revisado, como parte do objetivo de reduzir o arrasto e garantir velocidade de reta – o que acabou acontecendo.

É possível dizer que o conjunto novo deu certo. Hamilton liderou a lista de velocidades máximas, e o W12 não apareceu tão difícil de guiar quanto há duas semanas. É um passo importante da Mercedes na luta contra a Red Bull, que segue muito forte, embora tenha sofrido com alguns pontos neste primeiro dia de atividades inglesas.

De qualquer jeito, a pole que não é pole é um sinal de força e de combate. Afinal, a Mercedes e Hamilton não partiam da posição de honra do grid desde o GP da Espanha, lá em maio. E desde então, passaram a enfrentar diversos problemas com o equilíbrio geral do carro, desgaste dos pneus e falta de velocidade. Agora, a equipe parece ter retomado a mão com uma interessante solução que muda o projeto aerodinâmico inicial do carro.

“A Red Bull estava muito veloz no treino livre, mas ficamos focados em nosso trabalho e em tentar nos aproximar. Fiquei no simulador hoje de manhã usando como um treino de classificação, porque foi a primeira vez que tivemos a manhã livre. Passei o tempo ali para dar absolutamente tudo que podia e não deixar pedra sobre pedra”, seguiu.

“A primeira volta foi ótima; a segunda parecia até melhor, mas perdi a traseira na entrada da última curva e fiquei com o coração na boca depois de cruzar a linha. Mas dava para ver a torcida e lembrava muito da minha primeira pole aqui, em 2007”, completou Lewis, se referindo à volta final do Q3, em que cometeu um pequeno erro e não pode melhorar seu tempo.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Max Verstappen não quis dar muita atenção ao segundo lugar do grid (Foto: Red Bull Content Pool)

Verstappen segue favorito, entretanto, porque a Red Bull continua muito forte. A equipe austríaca foi surpreendida com uma mudança de clima e da direção dos ventos, o que provocou um desequilíbrio no carro de Max. O holandês se queixou demais que o RB16B saia de frente, e isso comprometeu o desempenho na classificação. Ainda assim, apenas 0s075 o separa de Lewis na primeira fila.

“Precisamos apenas olhar para nós mesmos. Acho que o carro em si estava se comportando muito bem, mas saindo muito de frente. Eu realmente não pude atacar nenhuma curva, apenas tentando segurar a frente”, disse o líder do campeonato. “Uma sensação um pouco estranha para guiar. Então, é o que é. Estamos bem perto então está tudo bem”, minimizou.

LEIA TAMBÉM
+Pontuação extra, pneus e horários: tudo sobre a corrida sprint da F1
+Hamilton festeja com retorno ao primeiro lugar: ‘É um feito dos fãs’
+Verstappen culpa falhas com carro, mas ignora: ‘Não significa nada’

Então, não dá muito para reclamar. A classificação foi uma das melhores desta temporada 2021 porque soube misturar as forças. Valtteri Bottas respirou aliviado com o terceiro posto do grid, não muito distante do companheiro de equipe. E Charles Leclerc tirou um coelho de Maranello ao colocar o carro vermelho na quarta posição – Silverstone não é uma pista que particularmente agrada a SF21.

A McLaren guarda o melhor para a corrida, mas parte em uma posição interessante, com Lando Norris à frente de Daniel Ricciardo, enquanto George Russell é a segunda melhor história do dia de hoje. De novo com a Williams, foi capaz de avançar ao Q3. Mas ainda terá de driblar um ritmo que cai em corrida. Carlos Sainz e Fernando Alonso fecham o top-10 espanhol.

Lewis Hamilton vai largar da posição de honra do grid (Foto: AFP)

E na esteira disso tudo, está esse novo formato de fim de semana e de formação do grid para o GP. Há ainda certa desconfiança quanto à eficácia em termos práticos. Mas não dá para negar que foi um dia dos mais interessantes. Fazer a sexta-feira valer algo concreto para a competição parece ser o caminho. As equipes tiveram de mudar estratégia de trabalho para tirar o máximo de um único treino, além da classificação que já dá um toque de imprevisibilidade ao restante das atividades.

Neste momento, por exemplo, não tem como apontar ritmo de corrida ou tática. A condição de liberdade da escolha de pneus trouxe abriu um leque de diferentes possibilidades. Então, por ora, a Fórmula 1 cumpre a promessa de tornar tudo mais atrativo. E o público nas arquibancadas da Inglaterra fala por si.

E amanhã? Hamilton responde: “Vai ser uma corrida dura”.

A programação do sábado compreende o treino livre 2, marcado para 8h (de Brasília), enquanto a corrida de classificação, a primeira da história da F1, tem largada prevista para 12h30.

O GP da Inglaterra propriamente dito, o principal evento do fim de semana, no domingo, acontece às 11h. Tudo com transmissão dos canais do Grupo Bandeirantes e também do serviço de streaming F1 TV Pro.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar