Por chuva torrencial em Austin, F1 decide adiar para manhã de domingo treino classificatório do GP dos Estados Unidos

O clima, como previsto pela meteorologia, não melhorou na região do Circuito das Américas. O temporal que marcou a sexta-feira também deu as caras desde o começo deste sábado na capital do Texas e não deixou outra alternativa para a direção de prova. Depois de seguidos adiamentos, a FIA transferiu o treino classificatório para a manhã de domingo, às 9h locais (12h de Brasília), cinco horas antes da largada do GP dos EUA

O furacão Patrícia diminuiu sua intensidade na costa oeste do México, mas ainda determina o clima muito hostil no Texas, palco de um até agora atípico fim de semana de GP dos Estados Unidos. Depois de uma sexta-feira marcada por chuvas torrenciais, sobretudo no período da tarde, o sábado (24) não amanheceu muito diferente. Conforme já previsto pela meteorologia, o tempo não melhorou e segue tendo como principal marca o temporal na região do Circuito das Américas, em Austin. Assim, mesmo depois de ter seguido em frente com a realização do terceiro treino livre — que teve a liderança de Lewis Hamilton —, a direção de prova, após uma interminável espera de três horas, optou por adiar a classificação para domingo pela manhã, às 9h locais (12h pelo horário brasileiro de verão), cinco horas antes da largada da 16ª etapa da temporada 2015.

A decisão foi tomada depois de a direção de prova entender que não havia condições seguras o bastante para que a classificação fosse realizada. O fato é que o terceiro treino livre aconteceu, mas com chuva forte desde sempre. E, no fim da sessão, o aguaceiro aumentou ainda mais e impediu qualquer melhora nos tempos de volta.

Este era o cenário durante o tempo em que a classificação em Austin foi adiada (Foto: Reprodução/F1)

Na parte da tarde, a chuva estava ainda mais forte do que na manhã, um dilúvio, na prática. De modo que a FIA determinou uma sequência de adiamentos. Foram cinco ao todo, cada um de meia hora de duração, postergando o começo da sessão para 15h30, horário local, 18h30 (horário brasileiro de verão). Nesse meio tempo, a FIA veio a público para determinar que, se até às 16h locais as condições climáticas não melhorassem, a sessão classificatória finalmente seria adiada para as 9h de domingo. Era uma espera interminável por um desfecho mais do que esperado, já que a chuva seguia persistente e cada vez mais forte. Quase bíblica.

Sem ter o que fazer, as equipes entraram na galhofa. Como na Williams, por exemplo, e na Force India, quando um dos mecânicos tirou onda e dançou break no paddock. Na Red Bull, teve tempo até mesmo para que os mecânicos comemorassem o aniversário de um dos membros do time, com direito até a bolo. Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat também entraram na dança da chuva em Austin, gerando uma imagem épica. Mais surreal ainda foi ver os pais Verstappen e Sainz vestidos com o macacão da Toro Rosso e dentro dos carros dos filhos Carlos e Max nos boxes. Até que foi uma tarde bem divertida em Austin considerando todo o contexto.

Que imagem! Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat dançam no paddock em Austin (Foto: Red Bull/Getty Images)

Mas na prática, os seguidos adiamentos eram uma tentativa inútil de tentar cumprir os compromissos com a TV e tentar realizar a classificação ainda no sábado. Inútil, porque não havia mesmo a menor perspectiva de melhora do clima em Austin. Além do temporal, o vento também era muito forte, e todo esse cenário se convertia em algo muito perigoso para os pilotos, em que pese a quantidade de pessoas presentes para tentar acompanhar a sessão.

Levando em conta todo o quadro climático local, a FIA reconheceu mesmo que não havia a menor condição de segurança para os pilotos. Assim, depois das últimas voltas do safety-car para checar as condições da pista — que até estava um pouco melhor do que no começo da tarde, a organização resolveu mesmo adiar para 9h locais de domingo a realização do treino classificatório do GP dos Estados Unidos, repetindo assim o que aconteceu no GP da Austrália de 2013, o último da F1 que teve a classificação realizada no mesmo dia da corrida.

Mais rápido do terceiro treino livre, Hamilton pode até curtir o restante do sábado no cinema (Foto: Reprodução/F1)

Os espectadores, que aguardaram com fervor pela presença dos carros na pista, não esconderam a insatisfação com o adiamento da classificação para a manhã de domingo. Muitos deles vaiaram a decisão da direção de prova, num cenário que remete há dez anos, no 'GP dos seis carros', quando a F1 foi muito vaiada naquela corrida realizada em Indianápolis.

Mesmo sem ter controle algum da situação, os pilotos procuraram se desculpar perante os espectadores: “Para os fãs que ficaram presos em torno da chuva hoje, muito obrigado! Não posso controlar o tempo, mas todos vocês terão o valor do seu dinheiro amanhã”, disse Ricciardo por meio do Twitter. Em coletiva de imprensa, Kvyat brincou: "Espero que vocês tenham gostado da dança com Ricciardo". Em seguida, o russo falou sobre o que espera para o domingo. "Não é um problema ter a classificação e a corrida no mesmo dia. É preciso estar concentrado", declarou o jovem piloto da Red Bull.

Bernie Ecclestone, ao lado do responsável pelo Circuito das Américas e também do prefeito de Austin, convocou todos os espectadores que estavam nas arquibancadas a descerem para o pit-lane e ficarem mais perto dos pilotos e das equipes, também como uma forma de compensar o dinheiro gasto e o dia praticamente sem ação na pista neste sábado.

O lado bom do adiamento da classificação é que os fãs puderam ficar mais próximos dos pilotos (Foto: F1/Twitter)

Assim, Hamilton, por exemplo, terá um inesperado dia de folga e poderá aproveitar a sequência do sábado para assistir a um filme. E, em contrapartida, o britânico pode até mesmo garantir a pole-position se o treino classificatório não ocorrer nem mesmo no domingo. Até porque a previsão para amanhã também não é das mais amigáveis. A meteorologia local aponta para risco de inundações em Austin pela manhã, mesmo diante da perda de força do furacão Patrícia na região.

A última vez que a F1 enfrentou um cenário parecido foi no fim de semana do GP da Austrália de 2013. Devido às fortes chuvas em Melbourne, a direção de prova acabou por adiar o treino classificatório e aloca-lo na programação de domingo pela manhã, poucas horas antes da largada. Em teoria, caso a situação climática contrarie as previsões em Austin e melhore um pouco, a F1 poderá adotar expediente parecido.

De qualquer forma, se a direção de prova determinar a não-realização do treino classificatório, vão valer todos os resultados do terceiro treino. Assim, Hamilton largaria na pole-position e teria ao seu lado Nico Hülkenberg, terceiro lugar na sessão, mas segundo no alinhamento considerando a punição imposta a Sebastian Vettel, uma vez que a Ferrari trocou seu motor para a sequência do fim de semana. O terceiro lugar seria de Valtteri Bottas, que dividiria a segunda fila com o surpreendente Carlos Sainz Jr., que corre pela primeira vez em Austin.

Daniil Kvyat partiria do quinto lugar e teria ao seu lado na terceira fila não Kimi Räikkönen, sétimo colocado na sessão da manhã, mas seu companheiro de Red Bull, Daniel Ricciardo. Nico Rosberg puaria para o sétimo posto do grid, enquanto Felipe Massa fecharia a quarta fila. Sergio Pérez e Romain Grosjean completariam o top-10. Com as punições, Vettel sairia apenas em 12º lugar, enquanto Felipe Nasr, 19º e penúltimo colocado no terceiro treino, ganharia a posição de Will Stevens e largaria em 18º lugar.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

3 horas de espera pra nada: classificação da F1 é adiada para domingo em…

Posted by Grande Prêmio on Sábado, 24 de outubro de 2015

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube