Sainz reitera confiança em ordens da Toro Rosso e diz que Verstappen “gosta de fazer o papel de bad boy”

Carlos Sainz não se mostrou muito irritado pela ordem de equipe desobedecida por Max Verstappen no GP de Cingapura e falou que o assunto foi resolvido internamente. Mas também disse que o holandês gosta de bancar o "bad boy" e que agora o conhece um pouco melhor

Max Verstappen gosta de fazer o papel de bad boy. Quem disse foi o companheiro do holandês na Toro Rosso, o espanhol Carlos Sainz, quatro dias depois de Max recusar-se a lhe ceder passagem após uma ordem de equipe no GP de Cingapura.

Todavia, Sainz garantiu que o ambiente dentro da Toro Rosso está tranquilo e que o episódio não vai fazê-lo mudar. Ele afirmou que pretende seguir se portando como um jogador de equipe e confiando plenamente nas instruções que receber.

Ele inclusive tratou de lembrar um caso em que deixou Verstappen passar, manobra pela qual o colega foi elogiado por ter sido "arrojado", e falou de como seu pai, o piloto de rali Carlos Sainz, tem sido mais discreto ao acompanhar sua carreira.

Carlos Sainz Jr. falou da polêmica com Max Verstappen (Foto: AP)

"Tudo está OK. Tudo foi conversado e esclarecido. Eu acho que não temos problemas um com o outro, e foi mais o Max e a equipe que tiveram mais o que acertar entre eles. Até onde sei, isso aconteceu, e tudo deve ser normal aqui", disse o espanhol de 20 anos.

"A minha abordagem não vai mudar. Agora eu sei mais sobre como o Max é. Ele gosta de fazer um pouco esse papel de bad boy, e eu meio que já sabia, mas agora ele demonstrou. Mas eu não vou mudar. Vou continuar confiando na equipe e, se derem alguma ordem, eu vou confiar", afirmou.
 
"Você sempre tem que mostrar algum egoísmo se é um campeão de verdade, mas, na minha opinião, o melhor que se pode fazer é escutar a equipe. Eu sou um cara de equipe e mostrei isso desde o começo. Toda vez que o time me pediu para fazer algo, eu disse sim. No fim das contas, eu confio nesses caras, na Red Bull, na Toro Rosso, e o meu futuro está nas mãos deles. Então eu sei que se eu der as costas, não vou a lugar algum. Eu acho que tenho me comportado, mas, quando eu precisar ser egoísta, eu vou ser. É só que até aqui eu não tive a oportunidade de mostrar porque confiei neles em todas as oportunidades", prosseguiu.
Sainz ainda citou que em três oportunidades já permitiu que Verstappen passasse por ele. "Na Malásia, no último stint, quando ele me ultrapassou, não foi uma ultrapassagem. Eu o deixei passar. E todos ficaram 'ooh, que grande manobra'. Eu o deixei passar. Depois, em Mônaco também, e teve uma outra que não lembro qual foi", completou.
 

O jovem piloto ainda foi perguntado a respeito de como seu pai tem acompanhado sua carreira, e elogiou. "Eu acho que o meu pai está fazendo um bom trabalho ao ficar um pouco de fora. Ele quer que eu tome conta de mim mesmo como um adulto", afirmou.

Não deixa de ser uma alfinetada no colega, já que Jos Verstappen tem sido figura constante no paddock e inclusive intercedeu em favor do filho quando Felipe Massa criticou Max pelo acidente do garoto com Romain Grosjean em Mônaco.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube