Vettel critica UEFA por veto a apoio LGBTQIA+ em estádio: “Não ofendia ninguém”

A Alemanha pretendia apoiar a causa LGBTQIA+ antes da partida contra a Hungria, mas foi vetada pela UEFA. Sebastian Vettel não gostou da censura imposta pela entidade máxima do futebol europeu e reclamou sobre a decisão

Verstappen arrisca na estratégia e bate Hamilton: os melhores momentos do GP da França (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

Uma grande polêmica se instalou no futebol europeu nesta semana. A Alemanha quis iluminar o estádio de Munique com o arco-íris, símbolo da causa à causa LGBTQIA+, antes da partida contra a Hungria — país comandado por um primeiro-ministro de extrema-direita Viktor Orbán —, em jogo válido pela Eurocopa, para mostrar apoio à causa. A UEFA, entidade máxima do continente, porém, barrou a atitude. Qual a relação disso com a Fórmula 1? Pois bem, Sebastian Vettel se posicionou sobre o assunto.

Na última quarta-feira (23), a Hungria passou uma lei que proíbe falar sobre homossexualidade na escolas. A decisão foi tomada após a União Europeia se mostrar contra a medida por “violar os valores fundamentais, como dignidade humana, igualdade e respeito pelos direitos humanos”.

No GP da França, a Aston Martin estampou o arco-íris em seus dois carros para celebrar o Mês do Orgulho LGBTQIA+. Por isso, Vettel ficou bem incomodado com a decisão da UEFA de politizar uma causa humanitária.

SEBASTIAN VETTEL; ASTON MARTIN;
Vettel ficou bem incomodado com a decisão da UEFA (Foto: Aston Martin)

LEIA TAMBÉM
+Opinião GP: Mercedes prova do próprio veneno e põe Red Bull como força a ser batida
+WEB STORIES: A classificação da Fórmula 1 depois do GP da França, sétima etapa da temporada 2021

“Eu não sei todos os detalhes, mas vejo como desculpa colocar como mensagem política. Acho que é o caminho errado. Definitivamente não estava ofendendo ninguém e acho que é uma grande mensagem que eles amariam enviar, mas não foram permitidos”, disse o alemão.

“Acho que as instituições precisam repensar a abordagem ao censurar esse tipo de mensagem. Como eu disse, [a mensagem] é o caminho a ser seguido e eu não entendi [o veto]”, completou.

No início desta semana, Jean Todt, presidente da FIA, defendeu a presença da Fórmula 1 na Arábia Saudita por acreditar que esporte e política não devem se envolver. País do Oriente Médio é conhecido mundialmente por desrespeitar e violar os direitos humanos.

O arco-íris representou a mais nova iniciativa da F1, o #WeRaceAsOne (Foto: Divulgação)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Em 2020, a Fórmula 1 criou a iniciativa We Race as One, para mostrar reconhecimento de dois grandes problemas mundiais, a desigualdade e a Covid-19. O texto seguiu com o certame citando as homenagens feitas a todas as pessoas afetadas pelo novo coronavírus e como optou por colocar um arco-íris ao lado da frase, mostrando união das comunidades.

O lançamento do slogan, algo como Corremos como Um em tradução livre, aconteceu em junho do ano passado. Neste ano, porém, a categoria abandonou o arco-íris. A justificativa foi de que a plataforma vai se focar em três principais pilares: sustentabilidade, diversidade e igualdade e comunidade.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar