Vettel decide deixar Fórmula 1 e anuncia aposentadoria para fim da temporada 2022

Aston Martin anunciou, no começo da manhã desta quinta-feira (28), que Sebastian Vettel deixará o grid da Fórmula 1 no fim do ano

PORSCHE COMPRA RED BULL? LECLERC É VÍTIMA OU CULPADO NA F1 2022? | TT GP #62

Uma das carreiras mais impactantes e representativas da história do Mundial de Fórmula 1 está próxima do fim. A Aston Martin anunciou, na manhã desta quinta-feira (28), que Sebastian Vettel vai se aposentar da categoria no final da temporada 2022. Após mais de uma década e meia e aos 35 anos de idade, Vettel fica no retrovisor.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

É verdade que a possibilidade de deixar a Fórmula 1 não é exatamente uma novidade. Meses atrás, quando participou do programa ‘Question Time’, da BBC, para falar de assuntos fora a carreira na F1, Sebastian disse que o fato de ser um ativista do movimento contra as mudanças climáticas no planeta fazia com que questionasse o futuro na F1. Aliado ao fato de que a Aston Martin deu um passo atrás em 2022 comparado a 2021 e que a briga por vitórias não estava sequer no radar e o final do contrato vinha em dezembro, as condições estavam postas.

Semana passada, entretanto, Vettel afirmou que havia “clara intenção de continuar” na F1 e renovar com a Aston Martin. A própria equipe, por meio do chefe Mike Krack, afirmara anteriormente que esperava “contar com Vettel por muito tempo”. Agora, antes da abertura oficial do GP da Hungria, a confirmação de que a equipe terá outro piloto a partir do ano que vem.

Sebastian Vettel é tetracampeão mundial de F1 (Foto: Aston Martin)

“Tive o privilégio de trabalhar com muitas pessoas fantásticas na Fórmula 1 ao longo dos últimos 15 anos — é gente demais para mencionar e agradecer”, disse Vettel. “Ao longo dos últimos dois anos, fui um piloto da Aston Martin e, embora nossos resultados não tenham sido tão bons quanto eu esperada, está muito claro para mim que tudo que uma equipe necessita está sendo posto no lugar no mais alto nível para os próximos anos”, seguiu.

“Eu realmente curti trabalhar com pessoas tão boas. Todos — Lawrence, Lance, Martin, Mike, os executivos, os engenheiros, mecânicos e o restante da equipe — são ambiciosos, capazes, especialistas, comprometidos e amigáveis, e desejo a eles todo o melhor”, declarou. “Espero que o trabalho que fizemos no último ano e que continuo fazendo neste ano seja útil no desenvolvimento de uma equipe que vai vencer no futuro, e vou trabalhar o mais duro que puder de agora até o fim do ano com essa meta em mente, dando, como sempre, o melhor de mim nas últimas dez corridas”, assegurou.

“A decisão de me aposentar foi difícil de tomar, e passei muito tempo pensando nisso. No fim do ano, quero passar mais tempo pensando no que farei a seguir. Está muito claro para mim que, sendo pai, quero passar mais tempo com a minha família. Mas hoje não é hora de dizer adeus. Ao invés disso, é hora de dizer obrigado — a todos — especialmente aos fãs, sem os quais o apoio apaixonado a Fórmula 1 não existiria”, encerrou.

O pessoal da Aston Martin também se manifestou. “Quero agradecer Sebastian do fundo do meu coração pelo grande trabalho que ele fez pela Aston Martin no último ano e meio. Deixamos claro para ele que gostaríamos que ele continuasse com a gente no próximo ano, mas, no fim, ele fez o que achava certo para ele e a família dele, e, claro, respeitamos isso”, afirmou Lawrence Stroll, dono da Aston Martin. “Ele guiou algumas corridas fantásticas para nós e, nos bastidores, a experiência dele e o conhecimento dos nossos engenheiros foram extremamente valiosos. Ele é um dos melhores de todos os tempos da Fórmula 1, e foi um privilégio trabalhar com ele”, seguiu.

“Ele continuará correndo conosco até o GP de Abu Dhabi de 2022, que será o 300º GP dele. Vamos dar a ele uma despedida incrível”, assegurou.

WEB STORY
▶️ Sebastian Vettel: uma carreira em números

Sebastian Vettel foi campeão quatro vezes seguidas pela Red Bull, de 2010 até 2013 (Foto: Red Bull Content Pool)

“Sebastian é um super piloto — rápido, inteligente e estratégico — e, claro, vamos sentir falta dessas qualidades. No entanto, nós todos aprendemos com ele e esse conhecimento que ganhamos graças ao trabalho com ele vai continuar beneficiando a equipe muito depois da aposentadoria dele”, ponderou o chefe Mike Krack. “A Aston Martin é um grande projeto, com potencial ilimitado e o trabalho de base que Sebastian fez no ano passado e ainda está fazendo este ano, é crucial”, reconheceu.

Por mais que não tenha sido um dos principais pilotos do grid na ‘Era Drive to Survive’, que trouxe tantos novos fãs ao Mundial, a carreira de Vettel é uma das mais impressionantes de todos os tempos nos mais de 70 anos de F1.

Desde que entrou no grid e estreou no GP dos Estados Unidos de 2007, já na parte final da temporada, então com 20 anos, Vettel disputou 289 corridas e terá mais 11 pela frente. Assim, chegará aos 300 GPs. Neste período, venceu 53 corridas, foi a 122 pódios, anotou 57 poles e conquistou quatro títulos mundiais. Números de um peso-pesado histórico.

Sebastian está empatado com Alain Prost como tetracampeão mundial, atrás apenas de outros três pilotos com mais conquistas; é o mais jovem da história a fazer pole e vitória no mesmo fim de semana (21 anos e 73 dias, GP da Itália de 2008) e o mais jovem da história a fazer pole, vitória e volta mais rápida (21 anos e 353 dias, GP da Inglaterra de 2009). É, junto de Nigel Mansell em 1992, o piloto com mais vitórias partindo da pole num mesmo ano (nove, 2011). Vettel é o terceiro piloto com mais vitórias e mais voltas lideradas, o quarto com mais poles e o sétimo com mais corridas na história.

Apesar do começo na BMW, Vettel fez apenas oito corridas na temporada a primeira cedido pela Red Bull, mas as outras sete já na Toro Rosso. No ano seguinte, 2008, começou nos quadros do time B dos energéticos e brilhou. Mesmo com muitos abandonos no fim do ano, soube trabalhar para colocar a equipe nos trilhos e fazer uma segunda metade do ano mágica, com direito a vencer o GP da Itália, com pole e tudo.

A Red Bull era o destino óbvio, e assim foi para 2009. Foi quando tudo mudou para si e para a equipe dos energéticos, que deu salto imponente no grid e deixou as gigantes Ferrari e McLaren para trás. O título não veio por conta do fenômeno Brawn GP, mas a Red Bull estava bem posicionada. Vettel foi vice-campeão mundial e surgiu favorito para 2010.

Aí, sim, começou um dos momentos mais dominantes de qualquer piloto na história da F1. No ano em que completaria apenas 24 de idade, Vettel soube como brigar. Com cinco vitórias no ano, incluindo em três das quatro últimas corridas, bateu Fernando Alonso por pouco para conquistar o título mundial Vettel. Dominou em 2011 para ser bi e teve novamente de lidar com Alonso pelo tri, em 2012. Em 2013 não houve disputa: Vettel foi tetra e ainda fechou a temporada com nove vitórias seguidas – dez nas últimas 11, 11 em 13 e 15 vitórias ao todo.

Sebastian Vettel passou seis temporadas na Ferrari e se tornou o terceiro maior vencedor de GPs da marca (Foto: Ferrari Media)

Com a chegada da ‘Era Híbrida’, em 2014, a ordem de forças mudou e a ascensão da Mercedes foi meteórica, com o domínio de Lewis Hamilton e Nico Rosberg. Vettel parecia desanimado durante o ano e, em outubro, definiu que iria para a Ferrari no ano seguinte. Durante os seis anos que se seguiram, defendeu a cor vermelha.

Logo em 2015, quando a Ferrari passava por uma reconstrução após as saídas de Luca di Montezemolo, Stefano Domenicali e Alonso, Vettel venceu três vezes. A partir de 2017, as coisas mudaram. A Ferrari saltou e se colocou em condições de desafiar a Mercedes, com Vettel começando os campeonatos de 2017 e 2018 de maneira muito forte e liderando por vários momentos sobretudo na metade inicial daqueles anos. Os dois campeonatos têm lances importantes que demarcam a saída de Sebastian da briga: o acidente com Max Verstappen na largada do GP de Singapura de 2017 e a escapada da pista no GP da Alemanha de 2018. Hamilton levou a melhor nos dois casos.

Após o erro na Alemanha, que veio justamente depois de uma vitória na Inglaterra, onde Hamilton sempre reinou, Vettel não se recuperou. O fim daquela temporada foi ruim, enquanto Charles Leclerc chegou no ano seguinte e se tornou rapidamente o queridinho da equipe, que novamente mudara de chefe e presidente, com a saída de Maurizio Arrivabene e o afastamento e morte de Sergio Marchionne. Mesmo sem o sonhado título, Vettel venceu 14 corridas pela Ferrari o que coloca o alemão atrás somente de Michael Schumacher e Niki Lauda.

A saída foi anunciada para o fim de 2020, mas ainda antes do campeonato começar. A Aston Martin, que retornava à F1 como marca após de quase 60 anos, aproveitou e assinou com Vettel. No primeiro ano, o tetracampeão foi ao segundo lugar no GP do Azerbaijão e alcançou o mesmo resultado na Hungria, mas, nesta segunda, foi desclassificado por uma infração técnica relacionada à quantidade de combustível entregue na inspeção. Um problema da equipe. A expectativa era ter um time mais forte em 2022, mas não aconteceu. A Aston Martin regrediu e pensa em como sair das últimas posições neste ano e nos próximos. Algo difícil mesmo com os planos ousados, com direito a nova fábrica e túnel de vento, mais funcionários e a tradição da marca.

Uma carreira nada menos que gloriosa, de maneira inegável. Avesso às redes sociais, nos últimos anos, Vettel aumentou a maneira como tratava questões sociais, sempre nos circuitos, aproveitando a plataforma da F1. Neste período, defendeu questões climáticas e a defesa das abelhas, espécie que sofre ameaça global de extinção – algo que mudaria o ecossistema do planeta, já que são as responsáveis pela polinização -, pelos direitos da comunidade LGBTQIA+ e antiguerra após a invasão da Rússia na Ucrânia, além do antirracismo. Agora, terá mais tempo para tratar de outros assuntos.

O GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e EM TEMPO REAL todas as atividades do fim de semana do GP da Hungria.

LEIA TAMBÉM
“Lenda e carreira notável”: Fórmula 1 celebra Vettel após anúncio de aposentadoria
# Hamilton declara amor e diz que Vettel “deixa esporte melhor do que encontrou”

# Vettel fala de filhas e ações pelo clima ao justificar saída da F1: “As metas mudaram”
# Schumacher agradece a “inspiração” Vettel e se diz “ansioso” por últimos GPs juntos na F1

LECLERC PRECISA APRENDER A SE PERDOAR APESAR DE ERRO NA F1 2022
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar