Surpresa com durabilidade, Pirelli projeta desenvolver pneus supermacios ainda mais moles para temporada 2016

Paul Hembery disse que a Pirelli tem sido conservadora em algumas das escolhas de pneus nesta temporada e que, por isso, planeja adotar uma postura mais agressiva em 2016 para voltar a entregar corridas com duas a três paradas por piloto. Uma das chaves é a mudança na composição dos pneus supermacios

Envolvida no processo seletivo em que disputará com a Michelin o direito de ser a fornecedora de pneus da F1 entre 2017 e 2019, a Pirelli também concentra parte do seu trabalho em um futuro mais próximo. Para a próxima temporada, a fornecedora de Milão planeja adotar uma mudança mais agressiva na escolha dos compostos para cada uma das 21 corridas do calendário, dedicando uma atenção maior aos pneus duros e, principalmente, aos supermacios, que devem ser ainda mais moles em 2016.

Os pneus ‘vermelhos’ são usualmente adotados pela Pirelli em circuitos urbanos, como Mônaco, Cingapura e também o de Montreal. No Principado, o composto supermacio apresentou problemas de superaquecimento para alguns pilotos. No entanto, o que mais chamou a atenção é que a borracha se mostrou muito durável, o que proporcionou, à maioria dos competidores, uma estratégia de apenas uma parada.

E isso é tudo o que a Pirelli não quer para 2016, explica Paul Hembery, diretor-esportivo da fornecedora italiana.

A composição dos pneus supermacios deve ser mais agressiva em 2016 (Foto: AP)

“Ainda estamos esperando para desenvolver algumas ideias que podemos abordar, certamente, os pneus mais duros, que já precisam ser modificados, e um produto que pode ser usado nos circuitos de rua. Talvez quatro circuitos — Canadá, Mônaco, Cingapura, por exemplo, onde você precisa de um pneu mais macio do que o que atualmente temos com o supermacio”, comentou o britânico.

Além dos três circuitos urbanos citados por Hembery, a Pirelli também levou os pneus supermacios para o GP da Áustria deste ano, muito por conta do alto downforce que o traçado de Spielberg costuma exigir.

O engenheiro britânico não escondeu a surpresa pela durabilidade dos pneus mesmo com a limitação de testes ao longo da temporada, mas prometeu que vai trabalhar para voltar a cumprir a meta de entregar uma corrida com duas ou três paradas por piloto.

“Tenho que dizer que estamos satisfeitos — e um pouco surpresos — com os resultados que tivemos. Tivemos tantas limitações de teste, ou nenhum teste, e queríamos garantir que teríamos menos tendência para a formação de bolhas, e alcançamos isso”, comentou.

“Olhando para trás, provavelmente fomos um tanto conservadores em algumas das escolhas, por isso não estamos batendo a meta daquilo que nos é pedido, o que é uma corrida com duas ou três paradas, por piloto, e é isso que esperamos resolver para a próxima temporada”, assegurou Hembery.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube