Valsecchi reclama que não recebeu “salário de garçom” previsto no contrato com Lotus

Terceiro piloto da Lotus em 2013, o italiano Davide Valsecchi revelou que não recebeu os salários que estavam previstos no contrato com o time de Enstone

Como se Davide Valsecchi já não estivesse insatisfeito o bastante com a Lotus pelo time ter escolhido Heikki Kovalainen para os dois últimos GPs de 2013, ele também não recebeu o salário referente ao trabalho como terceiro piloto durante o Mundial. A revelação foi feita pelo próprio piloto ao site italiano ‘F1Passion.it’.

Campeão da GP2 em 2012, o italiano não conseguiu uma vaga como titular na F1 e assinou para ser reserva da Lotus. Quando a equipe precisou substituir Kimi Räikkönen, contudo, ele não foi chamado para vestir o macacão e correr nos GPs dos EUA e do Brasil. Valsecchi não deve seguir na função em 2014.

Räikkönen, aliás, também deixou Enstone reclamando de falta de pagamento.

Davide Valsecchi passou o ano de braços cruzados nos boxes da Lotus (Foto: Lotus)

“De acordo com meu contrato, meu salário era como o de um garçom. Eles ainda não me pagaram”, contou. Ele, porém, mantém a esperança de receber o dinheiro: “Estou certo de que, assim que estiverem em uma posição para fazê-lo, vão quitar sua dívida.”

Apesar da insatisfação demonstrada nas últimas semanas, Valsecchi fez questão de reiterar que também tem muito a agradecer pela chance que ganhou da Lotus.

“Sou muito grato à Lotus por ter me escolhido como terceiro piloto sem pedir nada em troca. Não posso reclamar. Tente arranjar um emprego de terceiro piloto sem pagar um euro! Estamos falando de um time que pode vender a vaga por, pelo menos, dois ou três milhões”, encerrou.

Em outra entrevista recente, Valsecchi declarou que deseja voltar a vestir macacão e capacete na temporada 2014.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube