Vettel vê Hamilton abandonar e brilha com vitória na noite de Cingapura. Massa termina em oitavo

Sebastian Vettel brilhou em Cingapura neste domingo (23). O piloto viu o rival Lewis Hamilton abandonar e não deu chances. Felipe Massa foi o oitavo

► As imagens deste domingo da F1 em Cingapura
 Massa se irrita com manobra "não muito legal" de Senna

A decepção com a perda da pole neste sábado deu lugar a um enorme sorriso no rosto de Sebastian Vettel neste domingo. O piloto da Red Bull fez a sua parte na noite de Cingapura, tentou pressionar o rival Lewis Hamilton e, contando com a sorte de um problema mecânico do inglês, cruzou na frente a linha de chegada da pista asiática neste domingo (23).

Seb não teve vida fácil, é verdade. Isso porque Jenson Button, o segundo colocado, tentou buscar a vitória até onde deu, mas, no fim, o triunfo já tinha mesmo dono. Fernando Alonso, também se beneficiando da sorte costumeira, levou a F2012 de número 5 ao terceiro posto do pódio, ampliando ainda mais sua liderança no campeonato.

 

Vettel se emocionou com a vitória que o põe de volta à briga pelo título (Foto: Red Bull/Getty Images)

Entre os brasileiros, Felipe Massa salvou o dia na administração dos pneus e com uma pilotagem arrojada durante a corrida toda. Prejudicado por um furo ainda no início, o ferrarista não se intimidou e conseguiu um ótimo oitavo posto. Bruno Senna não completou.

Confira como foi o GP de Cingapura neste domingo

A largada da F1 aconteceu neste domingo sob uma temperatura de 29 graus na noite de Cingapura. E o início foi limpo, com o pole Lewis Hamilton partindo seguro na frente, sem dar muito bola para o sempre supreendente Pastor Maldonado. Saindo em segundo, o venezuelano ainda tentou manter a vice-liderança, mas foi rapidamente superado por um esperto Sebastian Vettel, que pulou na frente logo na segunda perna da primeira chicane, sem dar muita chance ao piloto da Williams.

 

(Foto: Red Bull/Getty Images)

Um pouco mais atrás, Jenson Button surgiu em terceiro, também deixando Maldonado para trás. Fernando Alonso não largou tão bem, mas fez o suficiente para manter o quinto lugar, à frente de Paul di Resta e Mark Webber. Romain Grosjean, mais calmo agora depois da suspensão da FIA, ficou em oitavo, enquanto Nico Rosberg tratou de superar o companheiro de Mercedes, Michael Schumacher, já na primeira parte da volta inicial da corrida. Kimi Räikkönen, Nico Hülkenberg, Sergio Pérez, Daniel Ricciardo e Jean-Éric Vergne completavam o top-15. Bruno Senna, depois de sair em 22°, surgia em 17°.

Quem enfrentou problemas na largada foi Felipe Massa, que partia em 13°. Na confusão da primeira chicane, o brasileiro da Ferrari teve um pneu furado e precisou ir aos pits. Massa se livrou dos pneus vermelhos supermacios e já calçou os macios. Outro que teve de tomar o caminho dos pits depois da primeira volta foi Vitaly Petrov.

Após uma volta inicial agitada, Hamilton já tentava abrir vantagem para Vettel, que, por sua vez, virava o giro mais rápido da corrida. No fim do pelotão do top-10, Schumacher se sacudia para domar o ímpeto de Räikkönen, que se defendia de Hülkenberg.

Aí a asa móvel foi liberada, mas nenhuma ultrapassagem foi registrada na seletiva pista asiática. Enquanto isso, Massa tirava proveito dos novos pneus macios para assinalar as voltas mais rápidas da corrida. O esforço do brasileiro era nítido, já que ocupava a pobre última colocação do pelotão.

Lá na frente, Hamilton comandava a corrida com uma diferença de 1s7 para Vettel, que já tinha quase cinco de vantagem para Button. Maldonado era o quarto, com três segundos de distância para Alonso. Aí Webber, o sétimo, foi o primeiro entre os pilotos do top-10 a visitar os pits, evidenciando o bárbaro desgaste de pneus. O australiano mudou para os compostos macios e voltou à pista apenas em 20°. Isso tudo na nona volta. No giro seguinte, Vettel cometeu um pequeno erro na chicane na perseguição a Lewis, o que permitiu ao inglês aumentar a diferença para 2s7. E foi quando a Red Bull chamou o atual campeão para troca de pneus.

Button, que já vinha tirando a perigosamente a diferença para Seb, assumiu o segundo posto. O alemão, apesar do pit-stop limpo, voltou em 12°, bem no meio da briga entre Pérez e Hülkenberg. Na passagem seguinte, foi a vez do líder do campeonato, Fernando Alonso, parar. O espanhol também voltou em 12°, calçado agora com os pneus amarelos. O desgaste dos vermelhos era evidente e não demorou para Hamilton também vir aos boxes. Lewis parou e retornou à pista na volta 13, mas atrás de Button e Maldonado, que ainda permaneciam com os supermacios.

O venezuelano da Williams também não ficou muito mais na pista e logo foi aos pits, seguido por Räikkönen. Enquanto isso, Jenson voava na ponta, tentando abrir o máximo de distância antes do primeiro pit-stop. Um pouco mais atrás, Vettel, que já surgia em terceiro, cravava o melhor giro da prova, com 1min54s941. Na mesma volta 15, Button também foi aos pits. E aí a corrida viu a primeira grande ultrapassagem do domingo: Maldonado não quis perder tempo com Hülkenberg e foi para cima do alemão da Force India na curva 6, em uma arrojada manobra por fora. A disputa valia a quinta posição.

Duas colocações atrás, Alonso seguiu o exemplo de Pastor e superou rapidamente Pérez, para assumir o sexto posto. Aí, passada a primeira rodada de pits, a ordem da corrida foi retomada, com Hamilton em primeiro, seguido por Vettel e Button. Maldonado, Hülkenberg. Alonso, Pérez, Di Resta, Webber e Rosberg completavam os dez primeiros. Senna era o 14°, enquanto Felipe lutava com Charles Pic pela 18ª posição.

Um dos únicos, ao lado de Hülkenberg, sem parar para troca, Pérez foi perdendo facilmente posições quando a corrida se aproximava da 18ª passagem. Webber, Rosberg, Grosjean acabaram superando o mexicano, que, sem mais o que fazer na pista, teve de ir aos boxes. O alemão da Force India seguiu o piloto da Sauber e também decidiu finalmente mudar os calçados.

Enquanto a disputa na frente seguia morna, Räikkönen azucrinava a vida de Schumacher. Mais atrás, Massa seguia para os pits, para o segundo pit-stop do dia.

E quando a corrida parecia totalmente nas mãos de Hamilton, o carro da McLaren apresentou um problema com a caixa de câmbio, na volta 23. O inglês surgiu lento pela pista urbana asiática e, sem muito que fazer, encostou o MP4-27 na área de escape. Vettel, então, assumiu a ponta, seguido ainda por Button e Maldonado. Alonso já pulava para quarto, à frente de Di Resta e Webber.

 

Hamilton vê sua McLaren rebocada e suas esperanças de título diminuídas (Foto: Red Bull/Getty Images)

Na sequência, os boxes viram uma pequena movimentação na Williams com o segundo pit-stop de Bruno Senna, que voltou à pista com pneus supermacios. Na passagem 29, foi a vez de Maldonado chamar os mecânicos da equipe de Grove de volta aos pits. Alonso seguiu o venezuelano e entrou na mesma volta. Ambos saíram juntos do pit-lane, mas usando pneus diferentes. Enquanto Pastor optou pelos supermacios. Fernando continuou com os macios.

Alonso e Maldonado voltaram à pista em sexto e sétimo, respectivamente, atrás do grupo que tinha Di Resta na liderança, à frente de Rosberg e Grosjean. Buscando uma chance de alcançar o pódio, o espanhol da Ferrari ficou apenas observando a briga que Maldonado travava com o francês da Lotus, que, por sua vez, perseguia Nico e Paul. Os três da frente, claro, ainda não tinham visitado os boxes pela segunda vez na prova.

Aí, na volta 33, Narain Karthikeyan tratou de obedecer à tradição e foi responsável pela entrada do safety-car na pista de Cingapura. O indiano bateu, e a bandeira amarela foi inevitável. Com a interrupção, Vettel, Button, Di Resta, Rosberg, Maldonado e Schumacher aproveitaram para trocar os pneus.

Neste meio tempo, enquanto o carro de segurança comandava a corrida, a direção de prova autorizou Pedro de la Rosa e Pic a recuperarem uma volta de desvantagem para o líder, enquanto a Williams avisava a Maldonado sobre um problema hidráulico. Fim de prova para o venezuelano. Não teve jeito. Melhor para Alonso, que se viu em terceiro, atrás do líder Vettel e de Button.

Depois de quase bater em Seb, Jenson alinhou seu McLaren atrás do Red Bull do alemão para a relargada, que aconteceu na 38ª volta da corrida. A movimentação foi grande, com todo mundo buscando posições.  Sebastian, que nada tinha a ver com isso, tratou de pular na ponta e se distanciar do britânico.

Mais atrás, porém, Schumacher perdeu o ponto de freada e encheu a traseira do carro de Vergne, que, por sua vez, tentava superar Pérez. A luta entre os dois era pela nona posição. Michael vinha em 11°, com Räikkönen logo atrás. O acidente convocou o safety-car de volta à pista. E a permanência do carro de segurança ainda foi ampliada por um problema com Petrov, que ficou parado no meio da pista. Logo depois que a TV reprisou o acidente de Schumacher, a direção de prova informou que o incidente será investigado depois da corrida.

Enquanto isso, Webber aproveitou para fazer o terceiro pit-stop e foi acompanhado por Pérez. Os dois voltaram em 12° e 14°, respectivamente.

O reinício da corrida foi autorizado no 43° giro. E, de novo, Vettel escapou na frente, deixando Button em segundo e Alonso em terceiro. Mas a diversão da corrida ficou um pouco mais trás, com a disputa entre Senna e Massa pelo nono posto. Calçado com pneus vermelhos, Felipe foi para cima do compatriota, que chegou a endurecer a briga, com uma fechada de porta, mas o ferrarista não se intimidou e conseguiu a ultrapassagem na sequência. Embora a direção de prova tenha investigado, não houve ações contra a luta entre os dois.

Livre de Senna, Massa passou a infernizar Ricciardo e não demorou em superar o australiano da Toro Rosso. O alvo do brasileiro passou a ser, então, Grosjean que vinha em sétimo, tentando buscar Räikkonen. Lá na frente, Button colocava as manguinhas de fora para tentar buscar Vettel na parte final da corrida, enquanto Alonso parecia já acomodado com o terceiro lugar.

Button ainda tentou, no fim, alcançar Vettel, mas não foi possível. O líder do campeonato apenas lutou para se manter em terceiro, diante da ascensão de Di Rresta, que fechou mesmo em quarto. Antes, porém, da corrida atingir as duas horas de duração, Webber se viu em um incidente com Kamui Kobayashi. Depois da última parada, o australiano tentou recuperar o máximo de posições e, nesta escalada, acabou se envolvendo em algumas disputadas mais duras.

No fim, Mark terminou mesmo fechando o top-10, que teve Ricciardo em nono, Massa em oitavo, Grosjean em sétimo, com Räikkönen em sexto. Rosberg ainda completou em quinto. Antes da bandeirada, a Williams viveu um segundo revés com Senna, que não pôde completar a prova também.

Com o resultado de hoje, Alonso permanece na liderança com 194 pontos. O segundo lugar agora é de Vettel, com 165. Räikkönen pulou para terceiro, empurrando Hamilton para quarto. A próxima etapa da F1 acontece no dia 7 de outubro, em Suzuka, no Japão. 

Depois da prova, vieram as tradicionais punições. Schumacher vai perder dez posições no grid de largada no Japão pelo acidente com Vergne. E Webber teve acrescido a seu tempo de corrida 20 segundos por ter passado, segundo os comissários, Kobayashi por uma área de escape.

F1, GP de Cingapura, Marina Bay, final:

 

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube