GUIA FE 2021: Saídas de Audi e BMW machucam, mas não são feridas mortais

Apesar do óbvio baque, abandono das duas fábricas não causa feridas mortais - a não ser que Fórmula E perca o caminho e faça tudo errado

A enorme interrupção da Fórmula E deu margem para muita coisa acontecer nos últimos seis meses, mas a notícia de maior peso foi negativa: os anúncios de BMW e Audi de que deixam a categoria no fim da temporada 2021. E é claro que estas notícias são negativas e preocupantes, mas não são feridas mortais. Ao menos não sozinhas.

GUIA DA FE 2021
➠ Fichas: equipes e pilotos
➠ Em ano crucial, Di Grassi e Sette Câmara são coadjuvantes
➠ Da Costa e DS Techeetah dominam. Alguém tem resposta?
Com regulamento igual, calendário vira grande novidade

Claro que a Fórmula E, como qualquer outro campeonato jovem, podem rolar ladeira abaixo em determinado momento. E que a queda pode ser desencadeada pela saída de ativos importantes é igualmente evidente. Só que, uma eventual despencada da Fórmula E dependeria de uma pane total após uma grande notícia negativa, o que não é o caso. A FE perde sem as duas, mas perde trabalhando para compensar.

Desde que a pandemia do novo coronavírus afetou gravemente o campeonato, a Fórmula E tomou medidas. Alejandro Agag chegou a afirmar que categorias sucumbiriam aos problemas financeiros causados pelo novo coronavírus, mas a FE não estaria entre elas. O campeonato agiu, cortou custos, algo que desejava há alguns anos justamente para evitar a dependência das grandes fábricas, sempre a uma reunião de tirarem o time de campo.

Mas cortar custos limita as possibilidades de desenvolvimento e puxa o freio de novidades tecnológicas. Dentro de um regulamento que vai para seu terceiro ano e do que já se sabe muito, é honesto que as fábricas concluam que podem aprender e criar mais sobre tecnologias híbridas em outras partes novas: os hipercarros do WEC, por exemplo, ou o Dakar.

Mesmo com saída marcada, BMW luta pelo título? (Foto: Fórmula E)

Portanto, deixar de contar com Audi e BMW é dolorido, mas a Fórmula E segue com uma penca de gigantes em seus quadros, agora gastando menos e, assim, evitando que a categoria se torne proibitiva para equipes independentes, como Virgin e Techeetah – antes do acordo com a DS.

Mesmo as futuras ex-parceiras não vão abandonar o campeonato de uma vez: ambas seguirão fornecendo trens de força, ainda que a BMW, inicialmente, por um ano apenas.

O ano que apenas começa será de definição sobre quem se compromete com a categoria na entrada do Gen3, terceira geração de carros, projetada para a temporada 2022/23. Quem se comprometer agora e deixar o grid no meio deste período – provavelmente de quatro anos, até 2025/26 – será sancionado por quebra de contrato. Sem valores definidos, difícil saber se a multa impedirá desertores, provavelmente não, mas é uma declaração de interesse.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Globo compra direitos de transmissão e faz da Fórmula E sua nova F1

Vender o peixe das inovações trazidas com o Gen3 são fundamentais para a sequência da Fórmula E, que precisa responder à novidades do WEC da mesma forma que o Mundial de Endurance foi capaz de fazer frente à ameaça elétrica – e como a própria FE já fez antes, depenando o formato do LMP1.

Caso consiga manter o controle do orçamento possível para tocar as equipes, a Fórmula E controla o grid, não o contrário. É muito importante que seja assim para jamais depender do humor corporativo das fábricas para saber se vive ou morre. Até porque controlar o orçamento, manter os custos em níveis racionais, faz com que novas fábricas possam pintar e render a equipes que perderam apoio em temos recentes.

A Andretti seguirá vivendo quando a BMW sair e, dizem, conta com interesse da Ford em assumi-la. A Hyundai é outra sempre citada entre as interessadas, assim como a McLaren já afirmou que entra no campeonato na jornada 2022/23. Há vida e futuro se tudo for tocado com a consciência mostrada nestes sete primeiros anos. A Fórmula E, ao menos em tese, preparou-se para evitar que qualquer revés destes tempos virassem feridas mortais.

O fato de acordos de mídia como a TV Globo no Brasil, porém, mostram que o mercado internacional acredita na categoria e tem enorme carinho com ela. Quem conta com benevolência assim do setor financeiro tem caminho muito curto para o sucesso. Perder BMW e Audi, portanto, não tem na Fórmula E o mesmo efeito que no DTM, nem sequer parecido.

https://open.spotify.com/episode/56EWZtjjXZerTSc5mEGdpr?si=dXJwGloaQQ6ZEGdY1gUInQ&nd=1

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube