Indy

Antigo dono da Newman-Haas na Indy e lenda do automobilismo norte-americano, Carl Haas morre aos 86 anos

Carl Haas fundou, ao lado de Paul Newman, uma das mais famosas equipes do automobilismo norte-americano: a Newman-Haas, multicampeã na finada CART. Haas sofria há anos de Mal de Alzheimer
Warm Up / VITOR FAZIO, de Porto Alegre / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
 Bruno Junqueira ao lado dos chefes Carl Haas (esq) e o ator Paul Newman (Foto: Getty Images)
Carl Haas, antigo dono da tradicional Newman-Haas na Indy, morreu no último dia 29. A notícia, confirmada apenas nesta quinta-feira (7) pegou os fãs do automobilismo de surpresa: trata-se de um dos grandes nomes da história da CART e da Indy. Haas sofria de Mal de Alzheimer há anos, mas não existe confirmação sobre a causa da morte.
 
A grande aventura da vida de Haas foi na antiga CART, categoria que deu base ao que hoje é a Indy. Junto de Paul Newman, Carl criou a Newman-Haas, uma das equipes mais marcantes do certame.

Com seu indefectível charuto apagado, o dirigente contratou verdadeiras lendas para pilotar seus carros: Mario Andretti, Michael Andretti, Nigel Mansell, Christian Fittipaldi e Cristiano da Matta foram apenas alguns deles – da Matta, aliás, levou seu título na CART em 2002 pilotando para a Newman-Haas. Outros brasileiros que também pilotaram pela esquadra foram Roberto Moreno e Bruno Junqueira.
Mario Andretti, Paul Newman, Nigel Mansell e Carl Haas (Foto: Getty Images)

A lista de agraciamentos recebidos por Carl Haas é vasta. O jornal ‘USA Today’ o definiu como “um dos homens mais poderosos da história do automobilismo”. A Associação Americana de Imprensa do Automobilismo deu o prêmio “Pioneiro do Automobilismo”. A cereja no bolo foi a introdução ao Hall da Fama do Automobilismo Americano, em 2008.

A jornada de Haas no automobilismo nos EUA começou ainda em 1952, quando ele deu os primeiros passos como piloto, vencendo dez corridas em Milwaukee. O jovem Carl ainda competiu com modelos da Ferrari, da Porsche e da Jaguar naquela época. Em 1955, também ganhou uma das provas que inaugurou o famoso circuito de Road America, onde mais tarde faria parte do conselho administrativo, ajudando no crescimento do esporte norte-americano. 
 
Haas deixou as pistas como piloto nos primeiros anos da década de 1960 para se dedicar à própria equipe, além de outros negócios ligados ao esporte a motor – como a importação de peças. Em 1967, se tornou um importador exclusivo da Lola Cars e ajudou na ascensão da fabricante, formando com a marca uma equipe na F1, em 1985. 
 
Durante os anos 70, o norte-americano de Chigaco competiu em diversos campeonatos, incluindo Can-Am e Super Vee. E comandou campeões de F1 como Jackie Stewart e Alan Jones, além de nomes como Patrick Tambay e Jacky Ickx. 

Carl Haas também comandou uma equipe de F1. Ao lado de Teddy Mayer, o americano criou a Lola Haas – que nada tem a ver com a escuderia que estreou neste ano. Com Alan Jones ao volante, os resultados foram medíocres. Carl se aventurou na Nascar por oito temporadas, tendo como sócio Travis Carter.

Em 40 anos dedicados ao esporte, as equipes de Haas venceram 16 campeonatos nas mais diversas categorias e venceram mais de 140 corridas. Carl vivia com a esposa, Bernadette, em Lake Forest, Illinois, e morreu "em paz" em sua casa.
PADDOCK GP #36 ANALISA FIM DE SEMANA DE POLÊMICAS NA F1 E NA F-E