Indy abre temporada 2020 com treino acidentado e liderança de Dixon

Três acidentes, trocas recorrentes de liderança e grid equilibrado: a Indy que tão bem conhecemos voltou. A primeira sessão de 2020 terminou com liderança de Scott Dixon, superando Colton Herta por pouco nos instantes finais

Foi um longo período de abstinência para fãs da Indy, que completaram nove meses sem atividades oficiais. Tudo chegou ao fim na tarde deste sábado (6): no único treino livre para o GP do Texas, pilotos e equipes correram contra o relógio para fazer todos ajustes necessários. Depois de três acidentes em duas horas, não foi tão fácil. Mesmo assim, Scott Dixon conseguiu tempo bom o suficiente para abrir a temporada 2020 em primeiro na tabela de tempos.

Dixon precisou suar para liderar a sessão. A liderança passou por diversas mãos nos minutos finais. Não por acaso: foi justamente na hora final, sem acidentes e com bandeira verde predominante, que pilotos e equipes conseguiram forçar mais o ritmo. Marco Andretti, Zach Veach e Colton Herta foram os outros a liderar a sessão, isso antes da volta definitiva do campeão da Indy.

Scott Dixon voltou fazendo o que faz de melhor: liderando de surpresa (Foto: IndyCar)

A volta de Dixon foi de 24s001, consideravelmente melhor que o 24s169 de Herta, segundo. O top-5 teve ainda Pato O’Ward, na estreia da McLaren, em terceiro, além de Veach e Andretti respectivamente em quarto e quinto.

Tony Kanaan, único brasileiro na pista, abriu a temporada de despedida da Indy com performance tímida. Pela Foyt, o brasileiro conseguiu o 19° melhor tempo, 0s5 mais lento que Dixon.

A sessão serviu para matar as saudades da Indy, mas nem todo mundo aproveitou por completo. Após apenas 11 voltas nos primeiros 15 minutos, Rinus VeeKay perdeu a traseira e bateu com relativa força entre as curvas 3 e 4. Foi a primeira bandeira amarela da temporada, e que seria seguida pelo companheiro de equipe e patrão Ed Carpenter. O veterano rodou sozinho e deu sorte de não bater com força. A trinca de pancas ficou completa com Ryan Hunter-Reay, que perdeu controle na reta oposta.

Saiba como foi o treino livre da Indy no Texas

A atividade começou precisamente às 14h (de Brasília). Sob o calor de 33°C de Fort Worth, o oval do Texas abria os trabalhos na temporada 2020 da Indy. Pilotos e equipes não perderam tempo: seriam apenas duas horas para tirar o atraso e deixar tudo em ordem para o treino classificatório e a corrida, ainda neste sábado (6).

Dentro dos primeiros 15 minutos de treino livre, apenas três pilotos buscaram voltas competitivas: Rinus VeeKay, Jack Harvey e Pato O’Ward. O primeiro foi o mais rápido, colocando o #21 da Carpenter no topo da tabela de tempos, anotando 25s056. Parecia um bom sinal, mas não foi bem assim: VeeKay teve a questionável honra de causar a primeira bandeira amarela. O holandês perdeu a traseira entre as curvas 3 e 4, acertando o muro externo com a lateral do carro. Foram dez minutos de paralisação na atividade, tempo necessário para recolher o bólido.

Apenas quatro carros voltaram para a pista de imediato, incluindo a dupla da McLaren: O’Ward e Askew. Mas quem melhorava tempo era outro: o estrante Álex Palou, que subia para a segunda posição com tempo de 25s146. Era 0s1 mais lento que VeeKay, o líder acidentado. Com todos pilotos de ponta ainda esperando nos boxes, parecia inevitável que o tempo despencaria com o passar do tempo.

Foi só após 40 minutos de sessão que a maioria dos pilotos começou a andar para valer. Surgia um novo líder: Conor Daly, com a inesperada Carlin. 24s696 foi o tempo do #59. Era bom, mas também não seria suficiente: Felix Rosenqvist foi um pouco mais rápido e chegou a 24s614. Atrás de Rosenqvist e Daly, o top-5 contava ainda com Simon Pagenaud, Santino Ferrucci e Marco Andretti.

E as mudanças na tabela de tempos seguiam. Colton Herta, Scott Dixon, James Hinchcliffe e Ryan Hunter-Reay melhoraram, tomando de assalto o top-4. O tempo de Herta, de 24s419, seguia distante dos 23s5 alcançados no GP de 2019.

Único brasileiro presente, Tony Kanaan começava sua última temporada na Indy de forma tímida. Retomando a pintura icônica da 7 Eleven, o brasileiro começava a jornada em 17°, com tempo 0s5 mais lento que o do líder Herta.

E foi aí, precisamente ao fim da primeira hora de treino, que outra Carpenter viu a pista ao contrário. Dessa vez foi o próprio Ed Carpenter quem rodou, mas com uma dose de sorte: depois de perder controle na saída da 4, o americano passou pela grama do infield e deu sorte de não acertar nenhuma barreira com força. O carro #20 parecia precisar apenas de pequenos ajustes antes retornar à pista, ao contrário do #21 de VeeKay.

Depois de mais 10 minutos sem atividades, tudo voltou ao normal no Texas. Com bandeira verde, nada menos do que 18 carros deixaram os pits de imediato. Zach Veach foi apressado e superou Herta na primeira oportunidade, anotando tempo 0s010 melhor. E que bom que o piloto da Andretti teve pressa, porque levou apenas mais um minuto até Ryan Hunter-Reay perder controle na saída da curva 2, tocar o muro e rodar na reta oposta. O campeão da Indy, com carro danificado, foi a terceira vítima do treino.

A sessão recomeçou com 40 minutos restando na contagem regressiva. E, uma vez mais, com líder novo: chegou a vez de Dixon, primeiro a entrar na casa de 24s3. E seguia claro que havia mais potencial a ser extraído dos carros. Isso se os acidentes parassem mesmo, porque Marcus Ericsson quase passou reto na curva 1, precisando segurar o carro de última hora para evitar nova pancada.

Ryan Hunter-Reay, Indy, Texas, Acidente
Acidente de Hunter-Reay interrompeu TL1 no Texas (Foto: Reprodução)

Só que a bandeira verde não foi garantia de tempos em franca evolução. Os pilotos se preocupavam mais em estudar os carros e a pista, claramente traiçoeira. Os carros derrapavam facilmente ao passar pelas partes mais altas do asfalto, cobertas por produto que ajuda a trazer mais aderência em corridas da Nascar. Dessa vez, todavia, o efeito era quase oposto.

Foi só com 20 minutos para o fim que se viu progresso. Marco Andretti subiu para a liderança com um tempo mais convincente: 24s195. Newgarden e Pagenaud mostravam uma Penske ainda forte, fechando o top-3. Dixon caía para quarto, com o companheiro Rosenqvist em quinto.

Veach, que chegou a aparecer em sétimo, voltou a virar o jogo: tempo de 24s191, superando Andretti por margem quase mínima. A briga pela liderança envolvia os dois mais Herta, que virou líder com 10 minutos restando.

E foi aí que houve uma verdadeira demonstração de força de uma equipe de ponta. A Ganassi, através de Dixon, tomou a liderança com 2 minutos restando, confirmando a liderança na abertura de 2020.

Indy 2020, GP do Texas, treino livre 1:

1S DIXONGanassi Honda24.00160
2C HERTAAndretti Honda24.169+0.16849
3P O’WARDMcLaren Chevrolet24.187+0.18696
4Z VEACHAndretti Honda24.191+0.19053
5M ANDRETTIAndretti Honda24.195+0.19453
6T SATORLL Honda24.244+0.24351
7J NEWGARDENPenske Chevrolet24.303+0.30276
8S PAGENAUDPenske Chevrolet24.313+0.31267
9G RAHALRLL Honda24.318+0.31766
10F ROSENQVISTGanassi Honda24.397+0.39688
11C KIMBALLFoyt Chevrolet24.418+0.41761
12W POWERPenske Chevrolet24.428+0.42781
13M ERICSSONGanassi Honda24.441+0.44053
14A PALOUDale Coyne Honda24.445+0.44482
15O ASKEWMcLaren Chevrolet24.484+0.48381
16A ROSSIAndretti Honda24.485+0.48450
17J HINCHCLIFFEAndretti Honda24.498+0.49762
18E CARPENTERCarpenter Chevrolet24.551+0.55050
19T KANAANFoyt Chevrolet24.552+0.55161
20C DALYCarlin Chevrolet24.556+0.55570
21R HUNTER-REAYAndretti Honda24.609+0.60814
22S FERRUCCIDale Coyne Honda24.613+0.61264
23R VEEKAYCarpenter Chevrolet25.056+1.05511
24J HARVEYMeyer Shank Honda25.260+1.25988

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube