Grosjean diz que correria em ovais da Indy apenas “se tivesse 25 anos e fosse solteiro”

Romain Grosjean chega à Indy neste ano, mas só em circuitos mistos e de rua. Ovais? No passado, talvez, mas agora o francês se vê distante dessa possibilidade

O acidente espetacular sofrido por GP do Bahrein continua marcando a vida do piloto, mesmo fora do grid da Fórmula 1. Agora na Indy, em uma mudança na carreira, o franco-suíço segue com lembranças de tudo que viveu no fim de novembro em Sakhir.

“É parte da minha vida e nunca será apagado. Eu estou preso no carro em chamas. Como você possivelmente pensa direito?”, disse em entrevista à CNN.

“Minhas mãos ficaram bem famosas. A lateral da mão direira quase não possui [ferimentos e queimaduras] e a esquerda tem um pouco mais. Ainda está dolorido e tenho muito trabalho para recuperar a mobilidade e ter certeza de que vou continuar. Não parece tão boa especialmente no vídeo [a mão direita]. Eu devo dizer que está muito pior nas imagens do que na vida real”, completou o ex-piloto da Haas.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Romain Grosjean queimou as mãos no acidente sofrido no Bahrein (Foto: F1)

Grosjean ainda detalhou os segundos que ficou sob as chamas do carro da Haas que se dividiu e explodiu após o impacto na barreira de proteção do circuito barenita. No momento, ele sofreu queimaduras nas mãos e em um dos tornozelos, escapando da morte por milagre.

“Nunca me desesperei, esse é o ponto. Se você pegar todos os detalhes, tudo deu certo para eu pular fora e se um desse errado, já era. Eu lembro de tudo, desde o momento que comecei a soltar meu cinto até as primeiras tentativas de pular fora quando fiquei preso e pensei que ficaria ali queimando, perguntando por onde começaria. Pelos pés? Pelas mãos? Pela cabeça? Seria dolorido ou não?”, pontuou.

“Em alguns momentos, você pensa que já era e aceita a situação, eu estava em paz, aceitando tudo. Mas em algum momento eu pensei em meus filhos e que não poderia deixar três crianças sem pai, então tentei uma última vez”, acrescentou Grosjean.

ROMAIN GROSJEAN; ACIDENTE; BAHREIN; HAAS; FÓRMULA 1;
Imagem inacreditável do carro de Romain Grosjean partido ao meio e pegando fogo no guard-rail em Sakhir (Foto: Reprodução)

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

O piloto de 34 anos ainda comentou a mudança para a Indy, onde vai competir em 2021 nos circuitos mistos e de rua, que o permite disputar a maior parte da temporada. A equipe Dale Coyne vai abrir o ex-F1.

“Se eu tivesse 25 anos e fosse solteiro, eu andaria nos ovais e não seria um problema, mas não posso aceitar agora por colocar minha família na mesma situação que passaram no Bahrein. Não quero que eles fiquem na frente da televisão e vejam um grande acidente perguntando se estou bem, se estou vivo. Quero ver minhas crianças, pegá-las na escola e brincar com elas, é o que me importa”, afirmou Grosjean.

“Eu ainda quero vencer, quero competir. É o destino e estou aqui falando sobre isso, gosto de correr e mal posso esperar por um novo desafio”, finalizou.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube