Dovizioso diz ‘saber o que tem que fazer’ para brigar por título na MotoGP, mas que “repetir 2017 não será suficiente”

Andrea Dovizioso viveu o melhor ano da carreira em 2017, terminando com o vice-campeonato e levando Marc Márquez até a última corrida na briga pelo título. Mas o piloto da Ducati tem noção de que apenas repetir o desempenho não será suficiente para se manter no topo na nova temporada

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Andrea Dovizioso teve o ano dos sonhos de sua carreira em 2017. Lutou pelo título da MotoGP até a corrida derradeira, terminou com o vice-campeonato e pressionou o gênio Marc Márquez até o limite. Mas tem noção da realidade: o ano muda, a qualidade precisa aumentar. E ele sabe que apenas repetir o que foi feito nos últimos meses não o garante na briga pelo topo novamente.

Durante a apresentação da nova moto da Ducati para a temporada 2018, Dovi comentou sobre suas expectativas para o novo ano e mostrou ter consciência do que precisa fazer – muita coisa, aliás.

"Há muitos pilotos agora (com chance de título) e no passado não era assim. Isso significa que é muito mais duro conseguir o título. Para vencer, você sempre precisa terminar as corridas no pódio, ou no máximo no top-5. Temos que nos manter no mesmo nível durante toda a temporada e isso será muito complicado. O que fizemos no último ano não será suficiente, assim como o que Márquez fez para ganhar o título em 2017 não será o suficiente", opinou o italiano.

Andrea Dovizioso (Foto: Ducati)

Aos 31 anos, o experiente piloto analisa o momento como o qual se mostra mais 'inteligente' sobre a principal categoria do motociclismo.

"Me sinto no lugar certo e consciente, diferentemente de outras situações no passado. Sei muito bem o que preciso fazer e o nível em que nossos rivais e suas motos estão. Nos encontramos em uma situação sem precedentes", seguiu.
 

Mas, se se enxerga em seu melhor momento, crê que pode superá-lo: "Descobri no último ano que não há limites."

"É errado dizer que um piloto tem limites. Não é o caso para nenhum. Outro erro que cometem, incluso a mídia, é achar que um piloto que tem resultados parecidos por muitos anos alcançou seu limite. É errado. É possível fazer melhor, mudar. É difícil, mas não impossível", afirmou.

E completou citando seu próprio caso, já que vinha sendo um piloto de meio do grid até a última temporada, quando atingiu seu auge até aqui: "Eu provei isso."

#GALERIA(8265,166846)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube