Grid da MotoGP não vê mudanças entre favoritos, mas promove embate entre irmãos na temporada 2014

Sem mudanças nas equipes favoritas, Honda e Yamaha, o grid da MotoGP volta os olhos ao embate entre os dois irmãos Pol e Aleix Espargaró, além da estreia de Cal Crutchlow na Ducati

MotoGP adota centralina padrão em 2014
Márquez enfrenta situação inédita no segundo ano na MotoGP
MotoGP tem Honda favorita, Rossi forte e intruso Aleix Espargaró


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A formação do grid da MotoGP viu uma movimentação discreta, mas interessante para a temporada 2014, embora as duas principais equipes tenham mantido suas duplas. Marc Márquez e Dani Pedrosa, na Honda, e Jorge Lorenzo e Valentino Rossi, na Yamaha, vão disputar o último ano de contrato com suas respectivas empregadoras neste campeonato. Daí, a ausência de mudanças. Ou melhor, citando um velho ditado: não se mexe em time que está ganhando.

Aqui vale um pequeno adendo: apesar da falta de novidades no bloco da frente, a 'silly season' do Mundial promete ser das mais quentes neste ano, justamente porque os quatro fantásticos estarão livres no mercado para negociar.

Jorge Lorenzo, Dani Pedrosa, Marc Márquez e Valentino Rossi (Foto: Yamaha)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Dito isso, vamos às principais alterações.

A Ducati, a outra esquadra de fábrica do Mundial, promoveu uma troca importante, dentro da meta de voltar à briga com as duas adversárias japonesas. A equipe italiana decidiu dispensar o campeão de 2006, Nicky Hayden, e trouxe para o seu lugar o arrojado e veloz Cal Crutchlow.

O inglês, que defendeu a satélite Tech 3 até 2013, nunca escondeu o objetivo de correr por um time de fábrica, mas o sonho de alcançar a Yamaha ficou muito difícil, devido aos vínculos de Lorenzo e Rossi, mas também por conta da preferência da cúpula de Iwata pelo jovem Pol Espargaró. Situação que gerou até mesmo certa mágoa por parte do britânico com os nipônicos.

Assim e sem muita opção no mercado, Crutchlow optou por assumir o risco de domar a Desmosedici GP14 ao lado do antigo colega Andrea Dovizioso, que vai para o segundo ano com a marca de Borgo Panigale.

Pelos lados do time de Hervé Poncharal, quem assumiu a M1 de Cal foi de fato o campeão da Moto2. Embora tenha tido um início de campeonato conturbado no ano passado na classe intermediária, o piloto conseguiu reverter a briga pelo título a seu favor e convenceu a Yamaha de que é digno de um lugar na equipe. 

O título, que veio depois do acerto com a montadora dos três diapasões, apenas comprovou toda a aposta da esquadra nipônica. Pol terá a seu lado Bradley Smith, que vai para o segundo ano na categoria rainha, embora tenha vivido uma estreia bem complicada em 2013. A promoção do caçula de Aleix ainda vai criar uma situação das mais inusitadas no Mundial.

Irmãos Aleix e Pol Espargaró nos testes em Losail (Foto: Getty Images)

KTM reafirma força e vê Miller como favorito ao título na Moto3
Moto2 se renova com astros da Moto3 para temporada 2014

Amoroso, o Espargaró mais velho sempre se mostrou muito protetor, amigo, conselheiro. Sempre ao lado do irmão mais novo nas vitórias e nas derrotas, em torcida quase desesperada no pit-lane, agora vai se deparar com o fato de ter de dividir o grid com Pol e trocar o papel de torcedor por concorrente.

Falando nele, Aleix deu um passo corajoso para 2014. Depois de vencer com Aspar os dois últimos campeonatos dentro do regulamento CRT, o piloto de 24 anos escolheu defender a Forward e sua parceira Yamaha. A decisão parece ter sido das mais acertadas. O conjunto técnico é competitivo.Tanto que na pré-temporada o espanhol foi o grande destaque e tem tudo para liderar o campeonato Aberto do Mundial. O catalão ainda terá a companhia do veterano Colin Edwards. 

A Aspar, por outro lado, encerrou o vínculo de anos com a Aprilia e resolveu se juntar à Honda, com a versão de produção da moto japonesa. Com a saída de Aleix, Jorge Martínez foi atrás de Hayden. O norte-americano terá ainda como companheiro o japonês Hiroshi Aoyama, que estava na Avintia e que agora substitui Randy de Puniet. O francês vai se dedicar aos testes com a Suzuki.

As motos satélites da Honda, operadas pela Gresini e LCR, também não vão mudar de dono. Álvaro Bautista e Stefan Bradl seguem titulares. A esquadra de Fausto Gresini, entretanto, ainda vai promover a estreia de Scott Redding, vice-campeão da Moto2 no ano passado. O inglês vai pilotar a versão de produção da Honda.

Andrea Iannone permanece com a Ducati da Pramac em 2014 (Foto: Getty Images)

A Pramac Ducati vai continuar com Andrea Iannone, enquanto o colombiano Yonny Hernández conseguiu se firmar na equipe e garantir uma nova chance de permanecer no Mundial. A Avintia permaneceu com Héctor Barberá e chamou o novato Mike di Meglio.

Outro que estreia é Broc Parkes na Paul Bird ao lado de Michael Laverty. Danilo Petrucci será o único representante da Ioda no grid. Na Cardion AB, Karel Abraham segue sozinho e pilotando uma Honda de produção.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube