MotoGP

Márquez passeia em GP de poucas emoções e vence décima seguida em Sachsenring

Marc Márquez deu um verdadeiro passeio pelo parque neste domingo (7). Depois de uma largada mais apagadinha, o #93 se recompôs antes da primeira curva e disparou na frente sem sequer notar a presença da concorrência. Maverick Viñales ficou com o segundo posto, com o lesionado Cal Crutchlow em terceiro

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Não deu em Austin, mas deu em Sachsenring. Invicto na pista da saxônia desde os tempos das 125cc, Marc Márquez fez o esperado e venceu fácil o GP da Alemanha deste domingo (7). Foi a décima vitória seguida do piloto da Honda no traçado de Chemnitz ― a sétima contando apenas a classe rainha do Mundial de Motovelocidade ―, igualando o recorde de Valentino Rossi, que venceu uma dezena de vezes seguidas em Mugello.
 
Especialmente hábil em pistas anti-horárias, Márquez sequer notou a presença dos rivais. Quando as luzes se apagaram na reta de Sachsenring, os 91.131 espectadores viram o espanhol de Cervera titubear e perder a ponta para Fabio Quartararo, mas o #93 se recompôs ainda nos primeiros metros e tratou de se instalar no comando.
 
Maverick Viñales e Álex Rins ainda tentaram assombrar o líder do Mundial, mas sequer foram notados. Na sexta das 30 voltas da corrida, a vantagem do ponteiro já beirava a casa de 1s.
Marc Márquez (Foto: Honda)
Vencedor no GP da Holanda, Viñales ainda tentou resistir, mas não segurou Rins por muito tempo. Ao contrário do que mostraram os treinos livres, os dois sequer acompanharam um ao outro, já que se distanciaram bastante ainda no início da disputa.
 
Com 11 voltas para o fim, a situação ficou muitíssimo mais cômoda para Márquez, já Rins caiu na curva 11 e abandonou a disputa. Viñales, então, foi promovido ao segundo posto, mas tinha Cal Crutchlow colado atrás. Mesmo lesionado, o britânico vinha bem na prova.
 
Nas duas voltas finais, Crutchlow ainda tentou pressionar, mas facilitou o caminho de Viñales rumo ao segundo posto e ficou mesmo em terceiro.

Enquanto as coisas na ponta se definiram com facilidade, a briga pelo quarto posto era um pouquinho mais emocionante, primeiro por conta de uma escala de Joan Mir.
 
Com quatro voltas para o fim, Andrea Dovizioso passou Danilo Petrucci pela quarta colocação, com Jack Miller tomando o sexto posto de Mir. O #9 tentou atacar o companheiro de Ducati, mas acabou sendo ultrapassado por Jack na sequência.
 
Antes de abrir a última volta, Petrucci tomou o quarto posto de volta ao passar Dovizioso e recebeu a bandeirada com impressionantes 16s577 de atraso para Márquez. Miller acabou em sexto, com Mir em sétimo.
 
Depois de três abandonos, Rossi, enfim, completou a prova, mas não foi seu domingo de maior inspiração. O italiano ficou em oitavo, 1s524 à frente de Franco Morbidelli, o nono. Stefan Bradl completa o top-10.

Após a bandeirada, Márquez se jogou, literalmente, nos braços da torcida. O #93 até estourou um espumante e tratou de dar um banho no público que festejava com ele. 
 
Paddockast #24
A BATALHA: Indy x MotoGP



Saiba como foi o GP da Alemanha da MotoGP:
 
A última das classes a ir para a pista, a MotoGP teve de lidar com condições não muito favoráveis do tempo. Em Sachsenring, o céu seguia bastante fechado, apesar da tímida presença do sol, e a temperatura atingia os 19ºC, enquanto o asfalto batia 31ºC. O vento soprava a 13 km/h.
 
Marc Márquez conseguiu nada menos do que sua décima pole-position consecutiva na pista alemã, sendo sua sétima na classe rainha. Com isso, o piloto vai tentar alcançar sua décima vitória e tentar igualar o recorde de Valentino Rossi de vitórias consecutivas em uma pista – o italiano triunfou em Mugello.
 
Ainda, essa é a 57ª posição de honra do grid de largada para o espanhol em sua 117ª corrida na classe rainha, significando uma porcentagem de 48.7%. Se olhar para sua carreira inteira, é a 85ª, ou 43.5%.
 
Fabio Quartararo, mesmo após ter deslocado o ombro no terceiro treino livre, foi o segundo colocado da classificação, somando sua quarta primeira fila consecutiva. Caso vencer a corrida, pode se tornar o segundo piloto mais jovem a triunfar em uma prova da MotoGP.
 
Maverick Viñales é quem vem para completar a primeira fila do grid de saída alemã, conseguindo sua quarta primeira fila do campeonato. No ano passado, o espanhol terminou em terceiro a disputa.
 
Após ter que passar pelo Q1, sofrendo uma pequena queda, Valentino Rossi conseguiu apenas o 11º posto do grid. Isso significa que é o pior resultado em classificação na Alemanha desde 2011, quando pilotava pela Ducati e foi 16º.
 
Danilo Petrucci, que teve um dia difícil após sofrer uma forte queda, é quem sai de 12º em Sachsenring. Com isso, o italiano conseguiu sua pior colocação de largada desde o GP do Japão do último ano.
 
Enquanto isso, seu companheiro Andrea Dovizioso tem vida ainda mais difícil. Começando a corrida apenas em 13º, o #4 iguala seu pior desempenho em classificação desde o GP das Américas em 2019.
 
Para a corrida, a Michelin levou pneus duro e macio para chuva, enquanto os slick são assimétricos, disponíveis em duro, médio e macio.
As luzes se apagaram em Sachsenring, com Quartararo chegando a saltar para a ponta, mas perdendo ritmo e caindo para a sexta colocação. Márquez, sem grandes problemas, se manteve na ponta, seguido de perto por Viñales.
O titular da Yamaha, inclusive, começou a ameaçar o #93, chegando a dar uma investida, mas sem grande sucesso. Atrás da dupla vinha Rins, que acompanhava toda a ação de perto, com Miller no quarto posto. Crutchlow fechava o top-5.
 
Então, em uma reviravolta dos fatos, Quartararo se viu vítima de um golpe do destino. Pela primeira vez desde que chegou na classe rainha, o francês acabou caindo na curva 3 e abandonou a prova alemã.
Com 28 voltas para o fim, a ordem em Sachsenring era Márquez, Viñales, Rins, Miller, Crutchlow, Petrucci, Dovizioso, Morbidelli, Rossi e Mir. Enquanto isso, Zarco registrava o segundo tombo da prova.
 
O líder da classificação tentava escapar na ponta, mas o espanhol não conseguia se desvencilhar de Maverick. O #93 tinha um respiro de 0s521 na primeira colocação. Rins tinha uma desvantagem de 0s694.
 
O piloto da Suzuki então deu um bote certeiro em cima do adversário da Yamaha, conseguindo tomar para si o segundo posto. Com isso, o espanhol começou a caçada em cima de Márquez, apesar de já estar mais de 0s7 atrás.
Assim como em Assen, a dupla da Ducati acabou mais uma vez se encontrando na pista. Dovizioso estava na sexta colocação, enquanto via Petrucci, o sétimo, se aproximando de forma perigosa.
 
Com 23 giros para o encerramento da prova, Márquez já havia aberto 1s518 do restante do pelotão. Rins era o segundo, com Viñales completando o pódio. Crutchlow e Miller apareciam na sequência.
 
Quem era o sexto era Dovizioso, com Petrucci surgindo em sétimo. Morbidelli sustentava o oitavo posto, com Rossi e Aleix Espargaró completando o rol dos dez primeiros do momento.
 
Com o pentacampeão sumindo na frente, as brigas para se prestar atenção eram as de mais de trás do pelotão. O #35, por exemplo, começou a se aproximar do #12, vindo para tentar assumir o terceiro posto.
Restavam 17 voltas para a bandeira quadriculada e, enfim, Petrucci conseguiu superar Dovizioso para assumir a sexta colocação da corrida. O italiano começou então a tentar superar Miller, o quinto.
 
Mais para frente, Crutchlow seguia em sua jornada para ultrapassar Viñales. O inglês chegava a se aproximar do espanhol, mas sem sucesso em superá-lo.

Com 11 voltas para o fim, Rins teve um grande golpe de azar. O espanhol, que estava em segundo, acabou errando e passou reto na curva 11, indo para o chão, abandonando a prova e a chance de se tornar vice-líder.
 
Quem levou a melhor foi Viñales, que tomou a segunda colocação, e Crutchlow, que beliscou o degrau mais baixo do pódio. Mas o inglês queria mais, se aproximando cada vez mais do espanhol.
 
Mais para trás, Petrucci e Dovizioso vinham em quarto e quinto, respectivamente, com Mir, Miller, Morbidelli, Rossi e Aleix Espargaró completando os dez primeiros da corrida.
 
Quem vinha apresentando crescimento na parte final da disputa alemã era o #36 da Suzuki. Escalando o pelotão, superou o #4 da Ducati para tomar a quinta posição da corrida.

Márquez estava tranquilo na primeira colocação. Com três giros para o final, já tinha 6s586 de vantagem para o segundo colocado. Enquanto isso, o trio da ponta já havia aberto um respiro de mais de 10s para o restante do pelotão.
 
O final da disputa ainda reservou tempo para mais um abandono. Aleix Espargaró acabou indo ao chão e não chegou a cruzar a linha de chegada.
 
Enquanto isso, nas posições da ponta, Crutchlow acabou cometendo um erro quando estava ameaçadoramente perto de Viñales, abrindo um respiro de 1s266 para o espanhol, que vinha tranquilo para a segunda colocação.
 
Já mais para trás, a briga pela quarta posição estava mais animada, com diversos pilotos colados. Quem sustentava o posto era Petrucci, com Dovizioso colado no companheiro de equipe. Atrás da dupla estavam Miller e Mir.
 
Para a surpresa de absolutamente ninguém, Márquez foi o grande vencedor do GP da Alemanha, conseguindo seu décimo triunfo consecutivo em Sachsenring. Viñales e Crutchlow completaram o pódio.
 
Petrucci foi quem terminou em quarto, com Dovizioso recebendo a bandeira quadriculada em qunto. Miller foi o sexto, com Mir, Rossi, Morbidelli e Bradl completando os dez primeiros colocados da corrida.
 
Marc ainda reservou uma comemoração bastante especial no circuito alemão. O piloto estourou um champanhe e foi para os braços da galera, celebrando o triunfo no meio do público.

MotoGP 2019, GP da Alemanha, Sachsenring, Final:

1 M MÁRQUEZ Honda 41:08.276 30 voltas
2 M VIÑALES Yamaha +4.587  
3 C CRUTCHLOW LCR Honda +7.741  
4 D PETRUCCI Ducati +16.577  
5 A DOVIZIOSO Ducati +16.669  
6 J MILLER Pramac Ducati +16.836  
7 J MIR Suzuki +17.156  
8 V ROSSI Yamaha +19.110  
9 F MORBIDELLI SIC Yamaha +20.634  
10 S BRADL Honda +22.708  
11 T RABAT Avintia Ducati +26.345  
12 P ESPARGARÓ KTM +26.574  
13 A IANNONE Aprilia Gresini +32.753  
14 T NAKAGAMI LCR Honda +32.925  
15 K ABRAHAM Avintia Ducati +37.934  
16 H SYAHRIN Tech3 KTM +41.615  
17 F BAGNAIA Pramac Ducati +56.189  
18 M OLIVEIRA Tech3 KTM +57.377  
  A ESPARGARÓ Aprilia Gresini NC  
  A RINS Suzuki NC  
  J ZARCO KTM NC  
  F QUARTARARO SIC Yamaha NC  
         
VMR M MÁRQUEZ Honda 1:21.228 162.6 km/h
REC J FOLGER Tech3 Yamaha 1:21.442 162.2  km/h
MV M MÁRQUEZ Honda 1:20.195 164.7 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 20ºC | pista: 32ºC



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.