MotoGP

Quartararo diz que sofreu com braço operado em “ótima corrida” na Holanda

Faio Quartararo conseguiu mais um ótimo resultado na temporada da MotoGP. Na Holanda, o piloto conseguiu conquistar o pódio ao cruzar a linha de chegada em terceiro, e após a corrida, revelou que o braço operado dificultou bastante as coisas durante a disputa

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
O final de semana de Fabio Quartararo na Holanda teve um desfecho positivo, mas não foi nada fácil. Terminando a corrida em Assen em terceiro, o francês revelou que seu braço recém-operado trouxe incomodo durante a prova.
 
Há algumas semanas, o titular da SIC teve de passar pela mesa de operação para tratar de um arm-pump em seu antebraço direito. Entretanto, com rápida recuperação, acabou retornando rapidamente para as pistas e não chegou a perder nenhuma corrida do calendário.
 
Inclusive, no GP da Catalunha, mostrou ótimo desempenho, conseguiu a pole-position e conquistou seu primeiro pódio na MotoGP. Em Assen, a performance mais uma vez foi vista e além de sair da posição de honra do grid mais uma vez, voltou a figurar no top-3.
 
Ao comentar sobre a prova, disse que “foi realmente uma ótima corrida. Entre outras coisas, fui capaz até mesmo de tomar a liderança nas primeiras voltas. É algo incrível para mim, desde que costumava assistir esses campeonatos quando criança e sonhava em ser como eles”, contou.
Fabio Quartararo (Foto: SIC)
“Obviamente estou satisfeito com o pódio, mesmo que tenha sofrido por conta do meu braço durante a corrida, e o vento certamente não ajudou as coisas. Mas consegui me manter com o grupo dos melhores”, reconheceu.
 
O #20 chegou a brigar com Maverick Viñales e Marc Márquez em determinado momento da prova, mas acabou perdendo rendimento em relação a dupla ponteira. “Dei meu máximo no início, já que queria ficar junto do grupo da ponta”, pontuou.
 
“Éramos apenas alguns pilotos, então foi mais fácil de controlar a situação comparado com outras corridas. Essa foi minha estratégia, mas infelizmente sofri. Meu ritmo em Barcelona estava melhor e, naquela ocasião, quatro pilotos acabaram caindo. Mas o que importa é que voltei ao pódio”, seguiu.
 
Por fim, o piloto explicou a influência que o braço teve em seu resultado final. “Talvez não conseguisse vencer como Maverick, mas poderia ter sido mais rápido. Certamente, esse resultado me dá mais confiança. Como disse, muito ruim que não tinha força em meu braço. Teria conseguido o pódio, mas talvez fosse capaz de brigar com Viñales e Márquez”, encerrou.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.