Retrospectiva 2021: Acosta supera obstáculos e faz por merecer título da Moto3

Competitiva e imprevisível como costuma ser, a Moto3 foi palco para o estreante Pedro Acosta brilhar. É verdade que o piloto espanhol enfrentou diversos obstáculos e um crescente Dennis Foggia na briga pelo título, mas nada o impediu de levantar a taça após a vitória em Portimão

A festa do título de Pedro Acosta no circuito de Portimão (Vídeo: MotoGP)

Numa categoria em que o mais previsível é a imprevisibilidade das motos, Pedro Acosta fez mágica para garantir o título da Moto3 em 2021: usou ao máximo seu talento para ser campeão. É verdade que, como em toda a história de superação, o espanhol teve um grande rival, Dennis Foggia, que foi crescendo na reta final do campeonato, mas ele conseguiu superar os muitos percalços da temporada e sagrar-se campeão com 17 anos.

A história de paixão de Acosta com as motos começou cedo, aos cinco anos. Fã dos grandes Casey Stoner e Kevin Schwantz, a trajetória até chegar à Moto3 foi significativa: venceu em Minibikes, MiniGP, MaxxiGP e PreMoto3. Além de partir para o campeonato de juniores da Moto3, em 2019, também competiu na Red Bull Rookies Cup, em que terminou em segundo em sua primeira tentativa e, no ano seguinte, foi campeão.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Portanto, sua história na Moto3 começou efetivamente nessa temporada. E que começo, diga-se. Logo na estreia, alcançou um pódio logo, ao ficar em segundo lugar. Só que mais tarde, em Doha, o espanhol teria uma das melhores atuações da categoria: largou dos boxes e foi ultrapassando um a um até cruzar a linha de chegada em primeiro lugar. A primeira das muitas vitórias que estariam por vir.

Pedro Acosta terminou a temporada com seis vitórias, uma pole e oito pódios (Foto: Ajo)

“Não estabeleci metas para a temporada. Antes da corrida, tivemos três dias de testes no Catar, o que me ajudou a conhecer a pista. O meu objetivo este ano é simplesmente me divertir e conhecer as pistas. Quero me concentrar em melhorar as coisas e corrigir erros para o próximo ano”, disse Acosta, em entrevista ao portal Motorsport.com.

RANKING GP
As notas dos pilotos da MotoGP na temporada 2021

Em Portimão e Jeréz, Acosta também triunfou e fez brilhar os olhos da Ajo com o desempenho. Mas, assim como todo jovem em fase de adaptação, ele oscilou, é verdade. Um grave acidente assustou a todos na Holanda, mas depois conquistou a Estíria. No fim do ano, o ritmo diminuiu, mas só teve um abandono na temporada toda.

O calcanhar de Aquiles para o piloto espanhol seria o italiano da Veloce, Dennis Foggia. Como um foguete, o piloto italiano, que compete na categoria desde 2018, foi grande impasse para o título do piloto espanhol. Isso porque Foggia, na reta final do campeonato, teve desempenho incrível. O #7 quase igualou o número de vitórias de Acosta: enquanto o espanhol fechou o ano com seis triunfos, Foggia chegou a cinco. E, por isso, as chances de título eram reais para Dennis no GP do Algarve, que merecia um ‘grand finale’ adiantado. E o teve.

Foggia foi grande rival de Acosta em 2021 (Foto: Veloce)

Foi Acosta quem largou da 14ª posição, fez excelente corrida de recuperação, brigou com Foggia, que ameaçava e oferecia disputa dura, mas abandonou por um toque de Darryn Binder. Acosta, porntanto, aproveitou para conquistar a vitória — a primeira e principal condição para se tornar campeão mundial em seu primeiro ano na categoria de motovelocidade.

Acosta completou a marca de oito pódios e uma pole-position ao longo de 17 corridas no ano, terminando entre o top-10 em 15 oportunidades. Além disso, tornou-se o primeiro piloto desde Loris Capirossi, no ano de 1990, a conquistar tal feito em seu ano de estreia, com 17 anos.

Assim, o jovem de Mazarrón passou de promessa em 2021. Virou realidade. Respeitando a linha de desenvolvimento, ele vai competir pela Moto2 em 2022. E com todo o talento e sabedoria, mostrou que é capaz de passar por obstáculos para, quem sabe um dia, também não possa ter um espacinho entre os grandes nomes do universo da motovelocidade.

LEIA TAMBÉM
Ducati segue no jejum, mas mostra força inédita na MotoGP e já assusta para 2022
Yamaha vence com Quartararo, mas precisa ficar alerta com deficiências para 2022
Suzuki estaciona sem comando de Brivio e faz temporada apagada na MotoGP 2021
Com Márquez mais ou menos, Honda sofre na MotoGP e busca rumo para 2022
KTM até vence, mas decepciona e fica abaixo da expectativa na MotoGP em 2021
Aprilia cresce com pódio, mas construção de dupla forte de pilotos é grande acerto
Por efeito ‘Drive to Survive’, MotoGP escolhe momento ideal para série no streaming

O QUE ESPERAR DE PETRUCCI NA NOVA AVENTURA NO DAKAR | GP às 10

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar