Rossi comprova performance, renova com Yamaha por duas temporadas e garante permanência na MotoGP até os 41 anos

Por meio de uma série de tweets que exaltam a carreira de Valentino Rossi, a Yamaha anunciou nesta quinta-feira (15) que renovou o contrato do #46 por mais dois anos. Assim, o time de Iwata completa o line-up para os próximos dois campeonatos e garante a presença do multicampeão no grid até, pelo menos, os 41 anos

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Valentino Rossi não vai deixar a MotoGP tão cedo. Nesta quinta-feira (15), às vésperas do GP do Catar, a Yamaha anunciou a renovação do contrato do multicampeão por mais dois anos, o que garante a permanência do #46 no grid até, pelo menos, os 41 anos.
 
A renovação do vínculo entre Rossi e Yamaha não chega como surpresa, já que o italiano tinha admitido sua intenção de seguir com a marca dos três diapasões por mais dois anos durante a bateria de testes coletivos do Catar. Antes disso, o piloto de Tavullia tinha dito que gostaria de comprovar sua performance ao longo das primeiras corridas do ano antes de definir seu futuro, mas a atuação nos testes já dava um indicio da continuidade.
Valentino Rossi não vai deixar a YZR-M1 tão cedo(Foto: Yamaha)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A maneira com que o anúncio foi feito, no entanto, é que foi diferente. Por meio de uma série de tweets exaltando a história de Rossi no Mundial e na Yamaha, a montadora de Iwata confirmou a permanência do italiano no time.
A última mensagem da série convidava o leitor a acessar o site http://www.vr46plus2.yamahamotogp.com/, onde a confirmação do contrato estava escondida atrás de uma lista de feitos do #46.
 
Valentino chegou a Yamaha em 2004 e, depois de sete anos com o time, partiu para a Ducati em busca de um desafio 100% italiano. O fracasso do projeto em Borgo Panigale viu o #46 ‘voltar para casa’ em 2013. 
 
“Ele é o piloto mais bem sucedido na história da Yamaha (56 vitórias, 43 segundos lugares, 35 terceiros lugares na Yamaha, conquistados em 206 corridas)”, escreveu a marca. “Ele é o piloto que conquistou o maior número de vitórias na classe rainha com uma Yamaha (11 vitórias em 2005)”, seguiu.
 
O anúncio desta quinta confirma, também, o line-up da Yamaha para 2019 e 2020, já que Maverick Viñales teve o contrato renovado antes mesmo da apresentação da YZR-M1 deste ano.
Diretor da Yamaha, Lin Jarvis exaltou o comprometimento de Rossi com o esporte, sublinhou que foi fácil chegar a um acordo com o multicampeão e reconheceu que agora cabe ao time dar as ferramentas para que 2018 seja uma boa temporada.
 
“A confirmação da extensão do acordo entre Valentino e a Yamaha por mais dois anos é uma ótima maneira de iniciar a temporada 2018, que começa oficialmente na sexta-feira no Catar”, disse Jarvis. “A notícia pode não ser uma grande surpresa, porque Valentino já tinha deixado claro que ele queria continuar a correr, mas a reconfirmação com certeza chegar como uma boa notícia para seus milhões de fãs ao redor do mundo”, seguiu.
 
“Foi muito fácil chegarmos a um acordo ― como equipe de fábrica, precisamos de um piloto top capaz de vencer e com o comprometimento total que é preciso para fazer isso. Apesar de seus muitos anos no esporte e de seus 39 anos, Vale está tão comprometido hoje quanto sempre esteve e não há dúvidas de que ele ainda é um piloto top, como visto recentemente com sua segunda colocação no último teste da pré-temporada aqui no Catar. Agora, é nosso trabalho como equipe e fábrica dar a ele a melhor YZR-M1 possível para deixá-lo lutar por vitórias em corridas e sucesso no campeonato”, reconheceu. “Ter Maverick e Valentino confirmados para 2019-20 nos permite simplesmente focar toda nossa energia na temporada 2018 e sermos competidores fortes em cada GP da MotoGP. Promete ser uma temporada de alta competitividade e, assim como todos os fãs, nós na Yamaha estamos verdadeiramente empolgados em ir correr na noite de domingo em Losail”, completou.
Rossi reconheceu que não vai ser fácil competir com 40 anos, mas ressaltou que não lhe falta motivação para o desafio. Além disso, o italiano frisou que correr com a YZR-M1 e estar com seus mecânicos e engenheiros é o que o faz sentir-se bem.
 
“Quando assinei meu ultimo contrato com a Yamaha, em março de 2016, imaginei se aquele seria meu último contrato como piloto da MotoGP. Na época, decidi que tomaria essa decisão durante os dois anos seguintes. Nesses últimos dois anos, cheguei a conclusão de que eu quero continuar, porque correr, ser um piloto da MotoGP, mas, especialmente, pilotar a minha M1 é a coisa que me faz sentir bem”, declarou Rossi. “Ter a oportunidade de trabalhar com o meu time, com Silvano [Galbusera], com Matteo [Flamigni] e todos os meus mecânicos, e trabalhar com todos os engenheiros japoneses, [Kouchi] Tsuji-san, e, cima de tudo, [Kouji] Tsuya-san, é um prazer. Estou feliz”, comemorou.
 
“Quero agradecer a Yamaha ― Lin Jarvis e Maio Meregalli, em especial ― pela confiança deles em mim, porque o desafio é difícil: ser competitivo até os 40 anos!”, reconheceu. “Eu sei que vai ser difícil e que isso exige muito esforço da minha parte e muito treinamento, mas eu estou pronto. Não me falta motivação, é por isso que estou renovando por mais dois anos”, completou.
 

Aos 39 anos, Rossi acelera para se afastar da aposentadoria na MotoGPAo provar que Ducati pode vencer, Dovizioso mira concluir o que iniciouLorenzo vai para segundo ano na Ducati tentando recuperar performance

 
”VOCÊ TEM DE RESPEITAR”

EMOÇÃO GENUÍNA DE BARRICHELLO É EXEMPLO DE MOTIVAÇÃO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube