F1
29/07/2018 13:18

Bottas admite expectativa por “resultado melhor” na Hungria e diz que rótulo de escudeiro “machuca”

Valtteri Bottas não fez um balanço positivo do GP da Hungria e reconheceu que esperava um resultado melhor neste domingo (29). Elogiado pelo chefe da Mercedes, finlandês se mostrou pouco interessado no rótulo de “braço direito”
Warm Up, de Hungaroring / Redação GP, de São Paulo
 Valtteri Bottas (Foto: AFP)

Valtteri Bottas não vai entrar de férias com o melhor humor do mundo. Segundo no grid de Hungaroring, o finlandês fez um bom início de prova, mas recebeu a bandeirada apenas na quinta colocação, 50s atrás de Lewis Hamilton, o vencedor.
 
Após a corrida, o finlandês não escondeu sua decepção e admitiu que esperava mais da prova em Budapeste.
 
“Não vejo nada positivo nesta corrida para mim”, desabafou Bottas em entrevista à emissora inglesa Sky Sports. “Eu queria um resultado melhor”, seguiu.
Valtteri Bottas não ficou nada feliz com o GP da Hungria (Foto: Mercedes)
“Nós pensamos que, em teoria, deveríamos ser capazes de fazer aquela uma parada”, contou. “Nós tivemos de parar cedo por causa de Kimi [Räikkönen], tínhamos de marcá-lo, e, mesmo assim, com 20 voltas para o fim tudo parecia ok com um bom controle do ritmo e da minha posição”, explicou.
 
“Mas os pneus traseiros começaram a morrer. Eu tentei defender da melhor maneira que podia, o mais agressivo que podia, mas, no final, acabou sendo uma bagunça com a asa dianteira quebrada e tudo mais”, relatou. 
 
Mesmo insatisfeito, Bottas fez um bom trabalho de equipe neste domingo, retardando o máximo possível a ultrapassagem de Vettel. A performance, claro, rendeu elogios de Toto Wolff, chefe da Mercedes, que classificou Valtteri como um “escudeiro sensacional”.
 
Bottas, porém, não curtiu muito o elogio. “A expressão braço direito machuca um pouco”.
 
“Nós precisamos conversar depois dessa corrida. Já passamos da metade do ano. A diferença de pontos é grande, então, com certeza, o time vai decidir em algum momento”, previu.
 
Também, Vettel explicou o incidente com Vettel. Quando o titular da Ferrari, enfim, conseguiu a segunda posição, o finlandês tentou o troco e a disputa acabou em toque.
 
“Com Seb, ele tinha um bom ritmo na curva 2, nós tivemos uma batalha na curva um. Ainda tinha meu bico por dentro na curva dois, ele estava por fora, virou muito cedo e, para mim, não tinha para onde ir. Nós tocamos e eu fui o único que ficou com danos. É justo, acho que foi um incidente de corrida”, explicou.
 
O incidente com Vettel, porém, não foi o único. Já nas voltas finais, o finlandês tocou Daniel Ricciardo e acabou orientado pela Mercedes a entregar a posição para o piloto da Red Bull.
 
“Com Daniel, foi basicamente uma coisa similar. Mas eu estava próximo dele por dentro. Eu não tinha metade da minha asa dianteira, então também estava travando. Tenho certeza de que ele viu que eu estava indo rápido na curva, mas ele virou e nós tocamos”, completou.