Após exames em Monza, Magnussen recebe aprovação médica da FIA e é liberado para disputar GP da Itália

Kevin Magnussen está oficialmente liberado para participar do GP da Itália. O dinamarquês sofreu um corte no tornozelo esquerdo após bater forte na Raidillon durante a disputa do GP da Bélgica. Mas o piloto da Renault, que estava confiante na liberação, foi oficialmente confirmado pela FIA após exames nesta manhã de quinta-feira

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Renault terá sua dupla titular na pista durante o fim de semana do GP da Itália. A FIA (Federação Internacional de Automobilismo), por meio da sua junta médica, avaliou Kevin Magnussen na manhã desta quinta-feira (1) em Monza, dias depois de o dinamarquês sofrer um corte no tornozelo esquerdo, resultado de uma fortíssima batida na curva Raidillon durante o GP da Bélgica. O piloto foi liberado e autorizado a correr neste fim de semana em Monza.
 
Desde o princípio, Magnussen se mostrou confiante em poder correr na Itália: “Estarei no carro”, disse. Mesmo tendo reportado a lesão no tornozelo, o dinamarquês parecia não ter dúvida, assim como o chefe da Renault, Fréderic Vasseur. De modo que a liberação por parte da FIA confirma a participação de Kevin, que terá ao seu lado nos boxes o britânico Jolyon Palmer.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Kevin Magnussen está ok para disputa do GP da Itália neste fim de semana (Foto: Renault/Twitter)
Logo após o acidente, Magnussen foi levado a um hospital na região de Liège, perto do circuito de Spa-Francorchamps, mas logo retornou para casa e enviou uma mensagem tranquilizando os fãs. A maior preocupação foi a respeito da proteção de cabeça acoplada no seu cockpit, que se soltou com o impacto na barreira de pneus.
 
Em março, Fernando Alonso sofreu um grave acidente durante o GP da Austrália e lesionou suas costelas. Às vésperas do GP do Bahrein, segunda etapa do campeonato, o espanhol foi submetido a um exame pela FIA e foi vetado, com Stoffel Vandoorne assumindo seu lugar na McLaren em Sakhir, somando o primeiro ponto da equipe britânica em 2016.
 
 
A batida
 
Carro de Magnussen ficou destruído após a batida na Raidillon (Foto: Reprodução/Twitter)

Durante a quinta volta da prova, Magnussen tocou a zebra de dentro e sentiu o carro #20 desequilibrado. A manobra de Kevin para consertar não deu certo, acabou sendo uma aceleração feita cedo demais e o carro foi descontrolado até a barreira de pneus.

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

De tão forte, a pancada fez com que o protetor de cabeça instalado no cockpit saísse voando — um erro inaceitável e muito perigoso. Magnussen saiu do carro visivelmente tanto, mas aparentemente sem qualquer lesão mais séria. Depois acabou sendo levado ao centro médico da pista para avaliar uma possível contusão no tornozelo esquerdo.

 
A Renault afirmou que vai investigar as causas do acidente. Fréderic Vasseur, chefe da equipe anglo-francesa, garantiu que não vai culpar Kevin pela batida. “Tenho a impressão que ele acabou perdendo o controle na zebra. Mas vamos analisar as razões, temos de ter tempo para analisar exatamente o que aconteceu. Mas nunca vou culpar um piloto, por isso não quero falar sobre isso. Primeiro, precisamos saber exatamente o que aconteceu e, em seguida, vamos falar sobre isso”, declarou o dirigente francês.
PADDOCK GP #44 DEBATE VITÓRIAS DE ROSBERG EM SPA E DE RAHAL NO TEXAS

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube