Leclerc admite que plano “não era ir ao Q3”, mas lamenta derrota para Williams

Com confiança no ritmo de corrida, a Ferrari arriscou não ir ao Q3 para ter uma escolha de pneus para a largada. Entretanto, Carlos Sainz e Charles Leclerc não esperavam que a Williams de George Russell fosse para a fase final da classificação na Áustria

A Aston Martin não perdeu a chance de zoar Sebastian Vettel após a eliminação da Alemanha na Eurocopa (Vídeo: Aston Martin)

A Ferrari espera que o ritmo de corrida que conseguiu executar no GP da Estíria, na semana passada, empurre novamente Charles Leclerc e Carlos Sainz neste domingo (4) de GP da Áustria. Entretanto, por apostar muito mais no desempenho das SF21 no domingo que no sábado, a equipe de Maranello planejou não ir ao Q3. A ideia da escuderia liderada por Mattia Binotto é aproveitar a liberdade na escolha dos pneus — somente quem vai para a fase final da classificação precisa, por regra, largar com o mesmo tipo de pneus da volta mais rápida no Q2 — para tirar uma vantagem estratégica na prova.

No entanto, o que surpreendeu a Ferrari foi o bom desempenho de George Russell, que conseguiu pela primeira vez avançar para o Q3 com a Williams. O prodígio britânico, um dos grandes nomes do sábado, eliminou Sainz por míseros 0s006, enquanto Leclerc havia ficado sem um lugar no top-10 do grid pouco antes. No fim das contas, o espanhol vai largar em 11º, uma posição à frente do seu companheiro de equipe.

“Era meio que o plano não ir para o Q3 porque queríamos ter uma escolha livre [com os pneus] para amanhã. Mas, por outro lado, estou um pouco decepcionado”, disse Leclerc. E a decepção do monegasco é o fato de ver a Ferrari ter sido superada pela Williams de Russell.

LEIA MAIS
+Hamilton permanece na Fórmula 1 e renova pela Mercedes até fim da temporada 2023
WEB STORIES: Como fica o grid de largada do GP da Áustria de Fórmula 1

Charles Leclerc foi o 11º colocado na classificação na Áustria (Foto: Ferrari)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Obviamente, o melhor teria sido ir para o Q3 com os pneus médios, o que Williams conseguiu fazer com
George Russell. É muito impressionante. Isso é o que me deixou um pouco desapontado hoje. Estar atrás deles não é bom”, acrescentou.

Para Sainz, agora que o plano da Ferrari está feito, o objetivo é ultrapassar aqueles que vão iniciar a prova com compostos macios, ou seja, Pierre Gasly, Yuki Tsunoda, Sebastian Vettel e Lance Stroll, respectivamente sexto, sétimo, oitavo e décimo no grid. O dono do carro #55 entende que a meta para domingo é terminar atrás de Lando Norris, que larga em segundo lugar, para marcar o máximo de pontos possível.

“O ritmo de corrida está lá, com certeza. Agora queremos ver como podemos terminar amanhã na frente de todos aqueles que vão largar com pneus macios. Terminar à frente de Norris, que larga com os médios, será impossível, mas também temos Russell com médios, que foi a surpresa. E o motor da Mercedes é potente, a gente sabe. Nas retas deste ano, a Williams está muito forte e já vimos na semana passada isso com o Russell”, disse.

Sainz ainda não se conforma com a forma como foi eliminado do Q3. “Muita coisa ainda pode acontecer. Amanhã deve haver temperaturas mais baixas. E por 0s006 estaríamos no Q3 e super felizes. Agora por 0s006 estamos atrás. Foram 0s006 de detalhes”, concluiu.

Fórmula 1 volta a acelerar neste domingo com a nona etapa da temporada 2021, com largada no Red Bull Ring marcada para 10h (de Brasília, GMT-3) e transmissão ao vivo pela Band na TV aberta e pelo serviço de streaming F1 TV Pro. O GRANDE PRÊMIO acompanha o GP da Áustria AO VIVO e em TEMPO REAL.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar