Chefe diz que nem Vettel mudaria situação da Red Bull em 2015: “Os pilotos não fazem parte do problema”

Chefe de equipe da Red Bull, Christian Horner afirmou que a má fase da esquadra é resultado também de uma situação que está fora do controle do time, em uma clara referência à Renault. O inglês também disse que nem se Sebastian Vettel estivesse na equipe a situação seria diferente

Que a Red Bull não vive um de seus melhores anos na F1 não é segredo algum. E Christian Horner, chefe da esquadra dos energéticos, entende que a fase irregular é apenas resultado de um cenário que está simplesmente fora do controle da equipe austríaca, em uma clara referência à Renault. O dirigente inglês ainda foi mais longe e disse que nem se Sebastian Vettel estivesse no time atualmente a situação seria diferente.

Depois de vencer quatro campeonatos de forma consecutiva entre 2010 e 2013, a Red Bull entrou em uma complicada fase depois que a Renault, a parceira para o fornecimento de motores, passou a enfrentar problemas com a unidade V6 híbrida. As falhas começaram já no ano passado, mas a situação ficou realmente difícil nesta temporada. Até o momento, a equipe austríaca aparece em quarto no Mundial de Construtores e sequer foi ao pódio nas primeiras nove corridas de 2015.

Nem Vettel salvaria Red Bull, disse o chefe da Red Bull (Foto: AP)

"As coisas mudam muito rapidamente aqui", disse o britânico em entrevista ao site da F1. "A maioria das pessoas que nos ajudaram a vencer os campeonatos e mais 50 corridas ainda estão aqui. Mas as circunstâncias mudaram. Infelizmente, o elemento que tem maior efeito em nossa competitividade é algo que está fora do nosso controle", completou o britânico.

"Se Sebastian Vettel ainda estivesse na Red Bull, a nossa posição não seria diferente, porque os pilotos não fazem parte do problema", acrescentou Horner, brincando na sequência que a única diferença se o tetracampeão guiasse pela esquadra seria a conta no fim do mês. "Provavelmente, estaríamos mais pobres", brincou.

Falando sério novamente, o britânico também foi perguntado sobre a competitividade dos chassis da Red Bull em 2015. E não se mostrou completamente feliz, dizendo que sempre há o que melhorar. "Nós nunca estamos satisfeitos. Neste ramo, você sempre tenta ser melhor. As mudanças no regulamento nos feriram, provavelmente mais do que imaginávamos, mas agora nós temos uma melhor compreensão das áreas em que temos de nos aprimorar e como", explicou.

Por fim, Horner também foi questionado sobre as mudanças para tornar o esporte mais popular. E o dirigente se mostrou a favor de uma F1 mais simples, mas rápida e mais barulhenta. "O fato é que se você tem um bando de ‘peritos’ que acreditam que sabem o que estão fazendo, a coisa acaba confusa. Acho que a realidade só recentemente tem sido compreendida e, como resultado, há mais informações do que precisa ser feito."

"Bernie Ecclestone está certo quando diz que a F1 precisa ser apenas algo entre um homem e sua máquina no limite. Precisa ser dramático, precisa ser rápido e barulhento. E precisa ser sexy. Precisa impressionar", emendou o dirigente.

"Precisamos voltar a esses princípios, que é algo fácil de fazer se todos estiverem de acordo. Eles ainda não estão totalmente certos disso, mas agora eles concordaram o que desejam alcançar", contou o chefe da Red Bull.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube