Com veto das montadoras, Grupo de Estratégia rejeita proposta de motor alternativo para F1 em 2017, diz revista

A posição contrária das fornecedoras Mercedes, Ferrari, Renault e Honda foi decisiva e pesou para que o Grupo de Estratégia da F1 rejeitasse a proposta desenvolvida por Bernie Ecclestone e pelo presidente da FIA, Jean Todt, de adotar motores mais baratos para ajudar as equipes menores do grid a partir de 2017. A informação foi publicada pela revista alemã ‘Sport Bild’ e confirmada nesta quarta-feira pela FIA

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Bernie Ecclestone e Jean Todt sofreram uma dura derrota política na última terça-feira (24). Segundo informa a revista alemã ‘Sport Bild’, a proposta desenvolvida pelo chefe supremo da F1 e pelo presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), de adoção de um motor alternativo, mais barato e com características semelhantes ao da Indy na F1 a partir de 2017, foi rejeitada durante reunião do Grupo de Estratégia, em Paris. A medida, que representava um alento às equipes com menor poderio financeiro do grid, foi vetada graças, principalmente, às quatro fornecedoras de motor da categoria: Mercedes, Ferrari, Renault e Honda.

A informação publicada pela ‘Sport Bild’ foi confirmada na manhã desta quarta-feira pela própria FIA. Na esteira da reunião do Grupo de Estratégia, as montadoras se comprometeram a desenvolver um plano próprio que trata da redução de custos das unidades de potência, bem como do aumento do ronco dos motores, e apresenta-lo até 15 de janeiro de 2016. Para 2017, ou talvez para 2018, a FIA deve determinar um número mínimo de equipes para quem as fornecedoras serão obrigadas a vender suas unidades de potência.

“As fornecedoras, em conjunto com a FIA, vão apresentar uma proposta até 15 de janeiro de 2016 que vai procurar fornecer soluções para as preocupações acima. A proposta vai incluir estabelecer um número mínimo de equipes que uma montadora deve fornecer, garantindo que todas as equipes terão acesso a uma unidade de potência. As medidas também serão apresentadas para reduzir os custos do fornecimento das unidades de potência híbridas para as equipes-clientes, de modo também a melhorar o seu barulho. Todas as partes concordaram que tal desenvolvimento terá como objetivo a temporada 2017 ou 2018, no mais tardar”, disse o comunicado da FIA.
 
“A primeira reunião entre a FIA e as fornecedoras de unidade de potência sobre este tópico terá lugar nesta semana durante o GP de Abu Dhabi”, complementou.
 
Desta forma, as fornecedoras mostraram todo o seu poder político, na contramão do que Bernie sempre desejou desde que os novos motores híbridos foram adotados pela F1, a partir de 2014. O dirigente máximo do esporte entende que as montadoras, sobretudo Mercedes e Ferrari, têm muito poder de decisão no esporte e que é preciso mudar o quadro. Não à toa, várias vezes Ecclestone se mostrou favorável à ‘ditadura’ na F1 para tomar para si o poder de decisão sobre os rumos da categoria, e contrário à democracia do Grupo de Estratégia, quando a maioria decide pelo futuro da F1.
Ao menos no que tange aos motores, a F1 não deverá ter mudanças significativas para 2017 (Foto: Honda Racing/Divulgação)
A proposta de adoção dos motores alternativos era vista com bons olhos por equipes como Red Bull e Toro Rosso — que ainda não definiram qual será a fornecedora das suas unidades de potência em 2016 — e também a Force India, que conta com os caros motores da Mercedes. Em contrapartida, a Sauber, por meio da chefa Monisha Kaltenborn, se mostrou várias vezes contrária à medida. A equipe suíça tem como sua grande parceira de longa data a Ferrari.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A ideia desenvolvida por Ecclestone e Todt significava que a F1 teria no grid dois motores bastante distintos entre si. Ao mesmo tempo em que a cara tecnologia híbrida, em vigor atualmente nas unidades de potência, equipa os carros com os propulsores V6 turbo 1,6 L, o motor alternativo seria V6 biturbo de 2,5 L, oferecido a um custo de aproximadamente € 10 milhões, muito mais baratos que os atuais, vendidos pelas montadoras a um custo aproximado de € 20 milhões (ou mais) por temporada.
 
Três preparadoras se inscreveram no processo seletivo da FIA para a fabricação dos motores alternativos: a britânica AER, a alemã Ilmor e a francesa Mecachrome. Em contrapartida, a tradicionalíssima Cosworth abriu mão do projeto por entender que uma nova participação na F1, depois da saída ao fim de 2013, não seria rentável.
Veto das montadoras, sobretudo Ferrari e Mercedes, foi decisivo para Grupo de Estratégia rejeitar proposta dos motores alternativos (Foto: AP)
Entretanto, os altos custos gastos pelas montadoras durante o complexo desenvolvimento da tecnologia híbrida dos motores para a F1 fazem com que Mercedes, Ferrari, Renault e Honda coloquem na mesa todo o poder político para rejeitar uma proposta mais barata.

Estima-se, por exemplo, que a Mercedes gastou cerca de € 250 milhões no desenvolvimento da tecnologia do novo motor só no primeiro ano, 2014. Assim, faz sentido que as montadoras sejam contrárias a qualquer proposta que possa trazer ao grid motores com custos drasticamente mais baixos e que, em teoria, teriam condições para desequilibrar o jogo de forças da F1.
 

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)[0]; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_BR/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));

Sobre o motor alternativo na F1 em 2017: não vai rolarhttp://grandepremio.uol.com.br/f1/noticias/com-veto-das-montadoras-grupo-de-estrategia-rejeita-proposta-de-motor-alternativo-para-f1-em-2017-diz-revista

Posted by Grande Prêmio on Quarta, 25 de novembro de 2015

PADDOCK GP EDIÇÃO #8: ASSISTA JÁ

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube