Confira declarações dos pilotos após GP do Azerbaijão de F1 2023

Um safety-car foi o bastante para transformar o que poderia ser vitória fácil de Max Verstappen no GP do Azerbaijão num triunfo sem muito drama para Sergio Pérez, o 'Rei das ruas'

Sergio Pérez conquistou mais uma vitória em um circuito de rua na carreira no GP do Azerbaijão. Neste domingo (30), o mexicano, especialista em pistas urbanas, brilhou em Baku, aproveitando um safety-car na hora certa e ditando bem o ritmo, sem dar chances para os ataques de Max Verstappen, segundo colocado e prejudicado justamente pela intervenção do carro de segurança quando havia acabado de parar. Antes, o holandês puxava a fila.

Charles Leclerc, mesmo longe da performance da Red Bull, ainda conseguiu salvar um pódio para a Ferrari, o primeiro dos italianos em 2023. Fernando Alonso fez mais uma ótima corrida, mas perdeu a invencibilidade em top-3 no ano, ficando em quarto.

Carlos Sainz, apagado de novo, ficou em quinto, enquanto Lewis Hamilton, Lance Stroll e George Russell fecharam um top-8 previsível e equilibrado no pelotão Aston Martin/Mercedes. Lando Norris e Yuki Tsunoda fecharam o grupo dos pontos, mas em tardes bem pouco chamativas de suas equipes. A Alpine foi um desastre e zerou no Azerbaijão.

A cena que não faz o menor sentido: Leclerc e Verstappen nos lugares trocados, e ninguém notou (Foto: Reprodução/ F1 TV)

Confira o que disseram os 20 pilotos ao final da etapa no Azerbaijão:

Sergio Pérez, vencedor: Pérez celebra vitória e vibra por ter mantido Verstappen “sob controle” em Baku

Max Verstappen, segundo: Verstappen vê “azar” com safety-car e falta de equilíbrio do RB19 em Baku

Charles Leclerc, terceiro: Leclerc se contenta com 3º lugar no GP do Azerbaijão: “Não dá para segurar a Red Bull”

Fernando Alonso, quarto: Alonso diz que Ferrari “deu sorte” em Baku e projeta: “Em Miami será diferente”

Carlos Sainz, quinto: Sainz lamenta fim de semana “frustrante” no Azerbaijão: “Não tinha desempenho”

Leclerc salvou um pódio para a Ferrari no Azerbaijão (Foto: AFP)

Lewis Hamilton, sexto: Hamilton diz que “tirou o máximo” em Baku e elogia Mercedes: “Mentalidade vencedora”

Lance Stroll, sétimo: Stroll reconhece Aston Martin abaixo no Azerbaijão, mas celebra “bons pontos”

George Russell, oitavo: Russell relata quase batida com Alonso em Baku e lamenta: “Depois fui morro abaixo”

Lando Norris, nono: “Foi uma boa corrida, era o melhor resultado que poderíamos alcançar hoje, embora ser nono colocado realmente não pareça muita coisa. Tivemos um pouco de azar com o safety-car acionado logo após nossa parada, fiquei preso atrás de Hülkenberg, mas somamos alguns pontos, o que é um resultado sólido. Além disso, tiramos boas novas das peças que trouxemos para a pista, então, estou feliz e vamos tentar melhorar novamente em Miami”.

Yuki Tsunoda: décimo: “Foi uma corrida dura hoje, mas a equipe — especialmente os mecânicos — fez um grande trabalho para consertar o carro depois de ontem. Os engenheiros encontraram um acerto forte, mesmo que tenhamos perdido algum tempo no segundo setor. Não tivemos muitas chances de fazer jornadas longas neste fim de semana, mas poder demonstrar um bom ritmo e construir em cima disso foi ótimo para a equipe. Também estou feliz com minha performance. Fui consistente, e ser espremido entre as duas McLaren significou que qualquer erro nos custaria aquele ponto. Precisei de muita concentração, mas no fim, pudemos alcançar outro top-10. Ainda há espaço para desenvolvimento e melhorias, para que possamos brigar por pontos constantemente, mas tenho confiança na minha equipe para sermos ainda mais fortes no futuro”.

Yuki Tsunoda pontuou novamente na temporada 2023 (Foto: Red Bull Content Pool)

Oscar Piastri, 11º: “Foi uma pena perder pontos por uma posição, mas faltou ritmo no meio da prova, então não havia muito mais que pudéssemos fazer. Estou feliz por ter sobrevivido ao fim de semana depois de ficar doente. Certamente, aprendi muito sobre os pneus nesta corrida e como gerenciá-los melhor, então tudo isso nos ajudará a voltar à luta pelo top-10. A atualização definitivamente nos ajudou, então obrigado à equipe aqui e na fábrica. Vemo-nos novamente em Miami”.

Alexander Albon, 12º: “Foi realmente complicado hoje. Eu tive alguns danos na minha asa dianteira na maior parte da corrida, depois de um contato com uma McLaren, então havia muito gerenciamento a ser feito. Foi complicado tentar manter a Haas atrás de mim e me segurar próximo a Oscar [Piastri], e não tive muito espaço para tentar ultrapassar nas curtas zonas de DRS. Nós realmente maximizamos este fim de semana, e acho que, pessoalmente, foi um dos meus melhores — especialmente depois da Austrália. Acho que definitivamente temos mais a encontrar no carro, mas acredito que esteja me adaptando a ele, então espero que possamos dar prosseguimento a isso.”

Kevin Magnussen, 13º: “Ficamos presos no trânsito durante toda a corrida, tivemos ritmo para muito mais, mas simplesmente não conseguíamos ultrapassar. Infelizmente, com a asa que temos, somos rápidos sem ela aberta, mas com DRS não tem um grande impacto. Esse pequeno detalhe fez a diferença hoje porque acho que, olhando os carros à frente, fui mais rápido do que eles, tal qual no ano passado, também estivemos na zona de pontos até o final, mas este ano tivemos ainda mais ritmo. Espero que isso continue em Miami”.

Piastri quase entrou no top-10 do Azerbaijão (Foto: McLaren)

Pierre Gasly, 14º: “Este é um fim de semana que todos nós desejamos seguir em frente, foi muito frustrante para a equipe. Temos que garantir que esse tipo de performance não se repita novamente. Claramente, não é onde deveríamos estar e precisamos voltar mais fortes para Miami na próxima semana em uma pista mais convencional. Em termos de corrida, tentamos algo diferente na estratégia e esperamos alguma sorte, mas, no final, não pudemos fazer muito mais. Tentei algumas manobras, o que é sempre satisfatório, mas é muito mais recompensador quando essas ultrapassagens são para pontos. Estou ansioso para correr em Miami”.

Esteban Ocon, 15º: “Demos tudo o que podíamos hoje, rezando para a estratégia da Ave Maria na esperança de um safety-car atrasado ou algum incidente, mas as coisas não foram legais. Podemos nos orgulhar de nossos esforços, extraindo o máximo dos pneus duros. Tive um momento um pouco assustador no final da corrida, quando entrei no box e vi pessoas reunidas no pit-lane, embora ainda não tivesse terminado. Felizmente, nada aconteceu, mas devemos garantir que isso não aconteça novamente. Não estávamos onde queríamos estar em termos de desempenho neste fim de semana. E, depois de um dia de aprendizado, temos a chance de rever e voltar mais fortes em Miami”.

Logan Sargeant, 16º: “Considerando tudo, eu aprendi muito neste fim de semana. Na corrida de hoje, tivemos um pouco de azar com o momento do safety-car no início e eu caí em uma corrida solitária, frustrante. Fiquei preso atrás de Zhou pela maior parte do tempo. No momento em que ele foi aos boxes, já era tarde demais e eu estava muito longe do pelotão à frente. No entanto, quando eu consegui passar, o carro pareceu bom, eu estava pilotando bem e o ritmo não era ruim no final. Mantive um jogo de pneus duros durante bastante tempo, e isso é positivo. Nosso ritmo de volta única estava bom neste fim de semana, e eu fiquei feliz, considerando que tivemos apenas uma sessão de treinos livres antes de ir para a classificação — e fomos bem. Seria uma classificação curta ainda melhor até a batida, então, vou aprender com isso e seguir em frente. A corrida não foi ruim, apenas saiu de nossas mãos e foi chata e entediante para a maioria”.

Nico Hülkenberg, 17º: “Foi um trabalho árduo, fiquei bem focado. Para ser honesto, foi uma corrida de qualificação, era tudo o que tinha, mas estava tudo bem por quarenta voltas ou mais e, no final, infelizmente, o rendimento dos pneus começou a cair rapidamente. O safety-car não saiu e era disso que precisávamos com a estratégia que seguimos. Mesmo assim, foi um bom aprendizado. Largamos do pit-lane e mudamos completamente o acerto para algo mais convencional. Aprendemos algo, pelo lado positivo, e agora em Miami, acho que seremos mais competitivos”.

Hülkenberg andou boa parte da prova no Azerbaijão na zona de pontos (Foto: Haas F1 Team)

Valtteri Bottas, 18º: “Não foi uma grande corrida para nós, e nunca estivemos na briga pelos pontos. Precisamos entender o que aconteceu e, mais importante, como podemos voltar a ser competitivos. Minha corrida foi dura desde o início: me envolvi em um toque na curva 2, estava por fora e fui acertado pela esquerda e por trás, o que me deixou com alguns danos. Foi uma corrida muito longa depois disso: tentamos encontrar um caminho de volta, já que tudo pode acontecer aqui, mas não tínhamos mais chances de reconstruir a corrida. Com certeza, precisamos melhorar nosso ritmo e fazer tudo que pudermos para irmos em frente. Vamos direto para Miami agora, é uma pista muito diferente dessa, vamos permanecer motivados e tentar novamente”.

Guanyu Zhou, 19º: “Um fim de semana para esquecermos: nunca é bom abandonar, mas realisticamente falando, não tínhamos nenhuma chance de marcar pontos hoje. Tivemos de retirar o carro como precaução, já que a temperatura estava subindo e apareciam alarmes em meu painel. No geral, foi um fim de semana difícil para todos nós. Precisamos entender as razões disso e trabalhar duro, todos nós, para darmos um passo à frente. Estou confiante de que a equipe consegue fazer isso, vejo isso nas pessoas que estão aqui e também em casa [na fábrica]. Faremos tudo que está em nosso poder para voltarmos ao lugar que esperamos estar e continuar melhorando”.

Nyck De Vries, 20º: De Vries lamenta batida no GP do Azerbaijão: “Erro bobo e desnecessário”

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.