Equipe Mônaco F1 se anima com flexibilização da ‘taxa-filtro’ e projeta entrada no grid

O empresário Salvatore Gandolfo revelou o antigo desejo de ingressar na categoria e vê a possibilidade de flexibilização do pagamento da taxa de cerca de R$ 1 bilhão como passo na direção certa

Uma nova equipe está estudando ingressar na Fórmula 1 em um futuro próximo. O empresário Salvatore Gandolfo revelou o interesse de participar da categoria com a Mônaco F1 e se animou com a possibilidade da flexibilização do pagamento da taxa de entrada no grid.

No final de 2019, o fundador da Mônaco Increase Manegemant já havia informado os planos para a escuderia, que ficaria baseada na Espanha, contaria com o apoio da Campos e mirava a chegada em 2021. Na época, chegou a dizer que “o projeto tinha a solidez financeira requerida pela FIA [Federação Internacional de Automobilismo] para ter sucesso”, mas Jean Todt, presidente da entidade, descartou a entrada de um novo time.

Com o Pacto de Concórdia que entrou em vigor nesta temporada, qualquer nova equipe que pretende fazer parte do grid da F1 deve pagar o valor de $200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) que devem ser diluído entre os demais times para proteger suas receitas.

Mônaco F1 estuda entrada na Fórmula 1 em futuro breve (Foto: LAT/Pirelli)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Recentemente, o novo diretor-executivo da categoria, Stefano Domenicali, discutiu com as montadoras sobre futuros envolvimentos e apontou estar aberto para conversar sobre a revisão da taxa de diluição dependendo das circunstâncias.

Em um comunicado liberado na segunda-feira, Gandolfo afirmou que “o projeto da Mônaco F1 foi o primeiro a discutir ativamente a possibilidade de uma entrada na Fórmula 1 ainda em 2019 e criar uma estrutura adequada, de olho no potencial do novo regulamento técnico que deveria entrar em vigor em 2021 [mas foi adiado por conta da pandemia]”.

“Acreditamos que as recentes declarações de Domenicali, que sugerem que o pagamento de $200 milhões para novas equipes pode ser dispensado, representam um passo adiante na direção correta. Apreciamos a atitude tanto de Stefano quanto da FIA e estamos prontos para dar os passos necessários para completar nosso pedido”, completou.

Em 2019, Salvatore revelou que desejava ter como pilotos Pascal Wehrlein, que já correu na Fórmula 1, e Alex Palou. Ainda, pretendia trabalhar com Daniele Audetto, ex-Ferrari, Arrows e Super Aguri, como conselheiro.

A última equipe que ingressou no grid da categoria foi a Haas. A equipe norte-americana, que para 2021 conta com Mick Schumacher e Nikita Mazepin no time, está no mundial desde 2016.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube